Mãe de gêmeos continua internada em estado grave

Cidades

 

Com 45% do corpo quei
mado, segue interna
da em estado grave a mãe dos gêmeos Igor e Hugo, de quatro anos, moradores do município sergipano de Gararu, que morreram na tarde do último sábado (18), vítima de incêndio. Em novo boletim médico apresentado na tarde de ontem, a paciente - que não teve o nome apresentado, permanece sedada e intubada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), em Aracaju. No início da manhã, a Assessoria de Comunicação da unidade hospitalar revelou que a paciente deu entrada no setor de urgência e emergência do Huse com múltiplas lesões por todo o corpo; o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), foi o responsável pela condução até a capital. 
A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SE), através de peritos da Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar, foi informada por populares que as lesões foram provocadas depois que a mãe tentou por duas vezes enfrentar as chamas e salvar os filhos. Um terceiro filho, de 18 anos, e um vizinho, também tentaram resgatar as crianças, mas não obtiveram êxito. Os dois também apresentaram queimaduras e necessitaram de assistência médica. Acompanhada por uma amiga, quando deu entrada no Huse a mãe de Igor e Hugo já sabia da morte dos gêmeos. Em decorrência do quadro clínico considerado grave, até o final da tarde de ontem as equipes médicas que acompanham a paciente não apresentaram perspectiva de quando ela deve receber alta. 
Em comunicado oficial, o governo de Sergipe informou que a tragédia se tornou possível depois que chamas dominaram as dependências internas da mercearia de propriedade da família, a qual operacionalizava em anexo à residência das vítimas. As causas do acidente seguem em investigação e devem ser apresentadas em até 30 dias úteis, podendo ser ampliado por mais um mês. A prefeita de Gararu, Zete de Janjão, decretou três dias de luto municipal, e garantiu que a administração pública está disponível para oferecer acolhimento especializado para os familiares. Entre essas assistências está a disponibilidade de profissionais da psicologia, os quais devem acompanhar a mãe das crianças assim que a alta médica for concedida. 
Os corpos das crianças foram liberados pelo Instituto Médico Legal (IML) na manhã do domingo (19); o velório e sepultamento das crianças ocorreu na casa dos avós, no município de Monte Alegre de Sergipe, cidade natal da família.

Com 45% do corpo quei mado, segue interna da em estado grave a mãe dos gêmeos Igor e Hugo, de quatro anos, moradores do município sergipano de Gararu, que morreram na tarde do último sábado (18), vítima de incêndio. Em novo boletim médico apresentado na tarde de ontem, a paciente - que não teve o nome apresentado, permanece sedada e intubada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), em Aracaju. No início da manhã, a Assessoria de Comunicação da unidade hospitalar revelou que a paciente deu entrada no setor de urgência e emergência do Huse com múltiplas lesões por todo o corpo; o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), foi o responsável pela condução até a capital. 
A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SE), através de peritos da Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar, foi informada por populares que as lesões foram provocadas depois que a mãe tentou por duas vezes enfrentar as chamas e salvar os filhos. Um terceiro filho, de 18 anos, e um vizinho, também tentaram resgatar as crianças, mas não obtiveram êxito. Os dois também apresentaram queimaduras e necessitaram de assistência médica. Acompanhada por uma amiga, quando deu entrada no Huse a mãe de Igor e Hugo já sabia da morte dos gêmeos. Em decorrência do quadro clínico considerado grave, até o final da tarde de ontem as equipes médicas que acompanham a paciente não apresentaram perspectiva de quando ela deve receber alta. 
Em comunicado oficial, o governo de Sergipe informou que a tragédia se tornou possível depois que chamas dominaram as dependências internas da mercearia de propriedade da família, a qual operacionalizava em anexo à residência das vítimas. As causas do acidente seguem em investigação e devem ser apresentadas em até 30 dias úteis, podendo ser ampliado por mais um mês. A prefeita de Gararu, Zete de Janjão, decretou três dias de luto municipal, e garantiu que a administração pública está disponível para oferecer acolhimento especializado para os familiares. Entre essas assistências está a disponibilidade de profissionais da psicologia, os quais devem acompanhar a mãe das crianças assim que a alta médica for concedida. 
Os corpos das crianças foram liberados pelo Instituto Médico Legal (IML) na manhã do domingo (19); o velório e sepultamento das crianças ocorreu na casa dos avós, no município de Monte Alegre de Sergipe, cidade natal da família.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS