Disputa por palanque

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 08/10/2013 às 06:27:00

Com o fim do prazo para filiação partidária já se pode fazer algumas análises do cenário político nas eleições de 2014. A não conquista da Rede Sustentabilidade do seu registro partidário pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai criar dificuldades para o pré-candidato ao Governo, o senador Eduardo Amorim (PSC).

É que o senador esperava a criação da Rede, da ex-ministra e ex-senadora Marina Silva, para ter o comando do partido no Estado. A conquista desse partido não representava para o senador e o seu bloco político apenas mais uma agremiação partidária no seu bloco político, mas ter um candidato competitivo a presidente da República.

Como Marina não conseguiu criar um novo partido, que seria o 33º no país, até ela viu cair por terra o seu projeto político de disputar a presidência da República em 2014. A ex-ministra fez a opção de ingressar no PSB e ser candidata a vice do presidente nacional e governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

Caberá ao senador Valadares e ao deputado federal Valadares Filho montar o palanque de Eduardo Campos e Marina em Sergipe, já que são os líderes do PSB no Estado. Tanto Valadares pai quanto filho, já declararam que não terá problema algum nisso e que vão fazer a campanha de Campos no Estado.
O governador em exercício Jackson Barreto (PMDB), que a exemplo do senador Eduardo Amorim já declarou sua pré-candidatura ao governo no ano que vem, terá em Sergipe o palanque da presidente Dilma Rousseff, que vai para a reeleição. É um palanque forte para o Planalto, sem dúvida alguma.

O prefeito João Alves Filho (DEM) - que se movimenta para tentar viabilizar sua candidatura ao governo em 2014, mas não confirma nada - também terá um palanque competitivo se desejar disputar mesmo o governo. É o do senador tucano Aécio Neves.

Todo candidato a governador e senador precisa de um palanque forte para presidente da República. É que passa força política, competitividade e a garantia que terá mais chance de liberar recursos para o desenvolvimento do Estado em todas as áreas.
Sem Marina Silva disputando a presidência, o senador Eduardo Amorim é o único dos prováveis dois concorrentes que não terá um palanque presidencial competitivo, apesar de ter em seu bloco político 14 agremiações partidárias. É que a exceção do PP e PDT, os demais partidos são nanicos e de pouca expressividade no cenário nacional. Dificilmente um dos 14 partidos do seu bloco terá candidato a presidente.

Diante deste quadro, os Amorim devem se aproveitar do fato do senador Valadares não ter pretensão de disputar o governo do Estado, mas apoiar Jackson Barreto, que vota em Dilma Rousseff, para querer montar o palanque de Eduardo Campos em Sergipe. E, consequentemente, fortalecer sua candidatura a governador.
Trocando em miúdos, deveremos ver muitos embates políticos entre os Amorim e os Valadares pelo palanque do presidenciável Eduardo Campos e da vice Marina Silva...  
Em 2006, sem ter um candidato do seu bloco a presidente, João Alves (DEM) disputou a reeleição de governador contra Marcelo Déda (PT) colocando um palanque para o tucano José Serra. O líder tucano Albano Franco apoiou Déda e Serra.

Entusiasmado
O presidente estadual do PSB, Valadares Filho, está satisfeito com a filiação de Marina Silva ao seu partido. Diz que ela tem aceitação de todos, é bem vinda à agremiação partidária e trabalhará em plena harmonia com o líder maior do PSB Eduardo Campos, por uma nova proposta unificadora de ideias novas que consagram trabalho, ética, renovação e desenvolvimento, como forma atualizada de fazer política para um Brasil melhor.

Sem problema
Valadares Filho reafirma que o seu partido manterá o compromisso de apoiar a candidatura de Jackson Barreto (PMDB) a governador e montará o palanque de Eduardo Campos em Sergipe. Diz que não vê problema algum nisso, lembrando que na eleição para governador em Pernambuco Lula frequentou o palanque de Campos (PSB) e Humberto Costa (PT).

Para os eleitores
Os marqueteiros da pré-candidatura de Eduardo Campos ao Planalto já caíram em campo para saber o impacto da ida de Marina Silva para o PSB. Já hoje haverá inserções de 30 segundos na TV e na quinta-feira Marina e seu grupo, a Rede Sustentabilidade, serão apresentados no programa do PSB de 10 minutos na TV.

Análise
No próximo dia 16 de outubro, em Brasília, o PSB vai discutir nacionalmente a filiação de Marina Silva e correligionários dela. Vão avaliar o novo cenário do partido com o seu ingresso e a repercussão.

PRP 1
O empresário e ex-deputado estadual Fabiano Oliveira e o ex-prefeito de Tobias Barreto Diógenes Almeida se filiaram sábado ao PRP, que no Estado é presidido pelo ex-prefeito Armando Batalha. Armando disse que além de Fabiano e Diógenes ele filiou ao partido pastores e várias pessoas vinculadas à saúde e educação.  

PRP 2
Satisfeito com as filiações, Armando Batalha disse que o PRP terá uma chapa competitiva de deputado estadual e federal em 2014. E apoiará Jackson Barreto para governador.

Será?
Fabiano disse que se filiou ao PRP, mas não tem pretensão política de disputar algum mandato eletivo em 2014 e não está trabalhando para isso. "Estou focado na minha vida empresarial, mas sempre fui uma pessoa pública. A minha filiação é apenas por uma necessidade para qualquer projeto para engrandecer Sergipe". Será que o projeto é lançar Fabiano como vice de Jackson Barreto?

Justificativa
Explicou Fabiano que fez a opção de se filiar ao PRP pela amizade com Armando Batalha e pelo fato do partido ter acessibilidade da conversa e do diálogo. "Não é um partido grande, onde tudo está resolvido", disse à coluna, enfatizando que já está estudando o estatuto do PRP, que tem o número 44.

PSDB 1
Não foi surpresa a filiação do ex-governador Albano Franco ao seu antigo partido, o PSDB, no último sábado, já na prorrogação do segundo tempo do jogo. A surpresa foi o empresário Luciano Barreto ter deixado o PR e acompanhado Albano na sua volta ao ninho tucano.

PSDB 2
Albano disse que volta ao PSDB, mas não tem o pensamento de ser candidato em 2014. Garante que só seria candidato "por interesse de Sergipe". Revela que vai apoiar a candidatura do seu irmão Walter Franco a deputado estadual pelo PSDB. Luciano Barreto também nega qualquer pretensão política.
Amor a todos
O ex-governador Albano Franco se filiou ao PSDB, que pode ter como candidato a governador o prefeito João Alves Filho (PSDB); o filho Ricardo Franco ingressou ao PTB, que terá como candidato a governador o senador Eduardo Amorim (PSC); e o seu primeiro amigo Fabiano Oliveira se filiou ao PRP, que apoiará Jackson Barreto para governador. AF está com pé e braço em tudo que é lado.

Balanço das filiações 1
Nesse prazo para filiações o PP, do deputado estadual Venâncio Fonseca, filou a deputado estadual Maria Mendonça e o advogado Antônio Neto; o PRB, do prefeito Heleno Silva (Canindé do São Francisco), filiou os ex-prefeitos Ivan Leite (Estância) e Jairo de Glória (Nossa Senhora da Glória); o PTB, do empresário Edivan Amorim, filiou o deputado estadual Adelson Barreto e o empresário Ricardo Franco; e o PV, de Reynaldo Nunes, filiou o ex-deputado federal Pedrinho Valadares.
Balanço das filiações 2
O PSDB, do vice-prefeito José Carlos Machado, filiou, além de Albano Franco e Luciano Barreto, o advogado Carlos Alberto Menezes, e o secretário municipal de Esportes, Carlos Eloi, que vem a ser o genro de Machado. O PMDB de Jackson Barreto filiou o deputado federal Almeida Lima.  E o PRP, de Armando Batalha, filiou o ex-deputado Fabiano Oliveira e o ex-prefeito Diógenes Almeida (Tobias Barreto).

Na saúde
O ex-deputado federal e ex-secretário da Casa Civil Jorge Alberto, que decidiu permanecer no PMDB, foi empossado ontem como secretário municipal de Saúde de Japaratuba. Substitui a vereadora Siziane Alcântara, que reassumiu seu mandato na Câmara Municipal.

Se explicando
Do senador Eduardo Amorim, nas entrevistas pelo interior do Estado, sobre as diversas críticas por ter votado contra o programa Mais Médico: "Não votei contra a vinda de médicos para o Brasil. Votei contra a falta de solução para os problemas que persistirão, como falta de estrutura para o atendimento da população. E votei contra a inexistência de uma política de recursos humanos que valorize o médico brasileiro. E também contra um programa que não cria vínculos, já que esses médicos que estão vindo através de uma bolsa, sem direitos trabalhistas, nem férias e nem 13º salário.  E o partido que se diz dos trabalhadores apoia uma coisa dessas?"

Veja essa...
Do Eduardo Amorim ontem, após receber homenagem pelo empenho na busca por R$ 22 milhões para a reforma IFS em Aracaju: "Se alguns têm preguiça de procurar o que nosso mandato tem feito por Sergipe, sugiro que saiam de seus gabinetes e estúdios de rádio, saiam do conforto do ar-condicionado, e venham ao IFS constatar apenas uma das muitas iniciativas nossas".

Curtas
Nesse domingo, o senador Valadares e o deputado federal Valadares Filho acompanharam o governador em exercício Jackson Barreto no ato de assinatura de Ordem de Serviço que autoriza o início das obras para implantação e pavimentação da Rodovia que liga o povoado Crasto a Santa Luzia do Itanhy.

No final de semana, o senador Amorim visitou vários municípios no interior. Esteve em Estância e Lagarto, no sábado. No domingo foi a Macambira, Carira, Moita Bonita e Rosário do Catete.

Um dos quatro candidatos a presidente estadual do PT, o deputado federal Rogério Carvalho, reuniu ontem no Iate Clube militantes que foram prestar apoio a sua candidatura.

Fabiano Oliveira viaja na quinta-feira a São Paulo em busca de patrocínio para o Pré-Caju 2014. Na segunda quinzena de outubro, fará o lançamento oficial do evento, que ocorrerá de 23 a 26 de janeiro, na Av. Beira Mar. Já tem o apoio logístico garantido da prefeitura de Aracaju e do Governo do Estado

Amanhã, o empresário irá a Salvador para reunião do Chiclete com Banana, em que o vocalista Bel Marques apresentará o projeto da carreira solo que seguirá depois do Pré-Caju e do Carnaval 2014.