DADA A LARGADA NO GP DE ARACAJU

Rômulo Rodrigues

 

* Rômulo rodrigue
Sábado passado o Partido dos Trabalhadores veio a público, online, apresentar, em coletiva, sua equipe para disputar a eleição da Capital, em 2020, e seu piloto principal Márcio Macedo.
Numa corrida de Grande Prêmio de Fórmula 1 assim como numa disputa como a da Prefeitura de Aracaju, vários fatores serão observados e as chances de vitória estarão à disposição de quem melhor souber tirar proveito.
Assim como no futebol, é muito importante começar as análises por quem são os disputantes com maior históricos de chegada.
Na corrida rumo à cadeira de prefeito, em primeiro de janeiro de 2021, o Partido dos Trabalhadores só poderá ser ignorado pelos analfabetos funcionais, pelos invejosos, pelos que compõem as elites do atraso, pelos reacionários contumazes, pelos golpistas incorrigíveis, pelos que traíram os princípios das lutas do povo e pelos que gostam de perder.
Dentre todas as equipes anunciadas para a disputa, a do PT, é disparada a que está em melhores condições de ganhar a prova.
Deve ser considerado que todas estão nos boxes em exposição e só uma; a de quem se acha dono da prova e do circuito, arrota grandeza confiando na vitória do marketing.
Claro que os analistas que há muito deixaram, por preguiça e comodismo, de se esforçar para enxergar um palmo à frente do nariz e abdicam de ler o que muitos deles escreveram há 20 anos, e ignoram sublimemente o bólido vermelho que vai atropelar, um por um dos concorrentes, e chegar na frente, vão fazer mirabolantes avaliações onde todos terão chances, para no final, bradarem que acertaram.
Alguém arrisca um palpite? Ele mesmo, o Partido dos Trabalhadores, que tem como marca uma Estrela que nunca perdeu e nem perderá o seu brilho e carrega no pelotão de frente a faixa da Democracia.
A candidatura de Marcio Macedo pode não estar despertando interesse no colunismo corporativo e a dor de cotovelo impede que muitos teimem em não reconhecer. Inegavelmente, o PT detém uma preferência eleitoral que se sobrepõe à soma de todos os outros partidos juntos, e isso pesa muito. Outro item que pesa é a retaguarda de apoio, a que fica fora do box mas que encanta o público que vota.
Na semana anterior ao encontro, Marcio teve a declaração de apoio do maior transferidor de votos do País que, a cada dia, expõe sua enorme coragem para indicar o caminho da retomada da soberania pátria, tirada pelos que vamos derrotar na pista. Nos últimos dias ele disse: Moro pariu Bolsonaro e os dois são bandidos.
Domingo passado, se negou a dar entrevista para o Jornal O Globo e acusou o veículo da família Marinho de tê-lo perseguido por décadas e ser corresponsável pelo golpe que derrubou Dilma e jogou o Brasil no caos que vivenciamos.
Também negou qualquer vínculo com essa tal de frente ampla financiada pelos bilionários da Ambev, do Banco Itaú e do grupo Pão de Açúcar, que por puro oportunismo querem desembarcar do Titanic do fascismo bolsonarista e limpar o sangue nas mãos deixado pelos crimes contra a soberania nacional, vinculando seus nomes ao de Lula.
No encontro de sábado, o time de apoiadores pesos pesados mostrou Fernando Haddad e Gleisi Hoffmann, só para aquecer os motores.
Na sua apresentação, o piloto Marcio pautou a conjuntura programática do debate eleitoral, apontando saídas concretas para tirar Aracaju do marasmo em que se encontra.
Um programa já testado e aprovado com sucesso, pelo PT, em cuja governança Marcio participou, com prioridades na Saúde, Educação, Seguridade Social, Habitação, Mobilidade Urbana, Participação Popular e Obras de Infraestrutura que impulsionarão nossa Capital para o futuro.
Para quem retrocedeu, e muito, fica a comparação com um Ícone da ditadura militar, o Coronel Mario Andreazza que dizia que governar era construir estradas.
Marcio já respondeu: Governar é cuidar do povo, esta é a marca do modo petista de governar e quem vivenciou e esqueceu, é melhor procurar outro caminho.
O PT tem a única candidatura que não será refém de ninguém. Nem de grupo político e nem de família endinheirada. É o único que pode apresentar uma candidatura como sendo verdadeiramente a da Democracia, sem disfarce de Frente Ampla, porque a batalha que já está sendo travada em todo País é de enfrentamento ao Fascismo e pela defesa do Estado Democrático de Direito, que é a obra maior da nossa Constituição Cidadã.
O resto será o bloco envergonhado do golpe, do atraso, do desemprego, da abertura das fronteiras para entrada do Covid-19, da volta do Brasil ao mapa da fome, dos cem mil mortos pela Pandemia, da quebradeira da Indústria, todos sob as lideranças fúnebres de Ciro Gomes, Marina Silva e FHC.
Enquanto isso, Thomas Piketty avalia que só existirá novo mundo se houver um grande combate às desigualdades. Ele, eu e as torcidas organizadas que estão indo às ruas enfrentar os fascistas, sabemos que a receita só será viável com a volta de quem já fez e saberá fazer de novo.
* Rômulo Rodrigues é militante político

* Rômulo Rodrigues

Sábado passado o Partido dos Trabalhadores veio a público, online, apresentar, em coletiva, sua equipe para disputar a eleição da Capital, em 2020, e seu piloto principal Márcio Macedo.
Numa corrida de Grande Prêmio de Fórmula 1 assim como numa disputa como a da Prefeitura de Aracaju, vários fatores serão observados e as chances de vitória estarão à disposição de quem melhor souber tirar proveito.
Assim como no futebol, é muito importante começar as análises por quem são os disputantes com maior históricos de chegada.
Na corrida rumo à cadeira de prefeito, em primeiro de janeiro de 2021, o Partido dos Trabalhadores só poderá ser ignorado pelos analfabetos funcionais, pelos invejosos, pelos que compõem as elites do atraso, pelos reacionários contumazes, pelos golpistas incorrigíveis, pelos que traíram os princípios das lutas do povo e pelos que gostam de perder.
Dentre todas as equipes anunciadas para a disputa, a do PT, é disparada a que está em melhores condições de ganhar a prova.
Deve ser considerado que todas estão nos boxes em exposição e só uma; a de quem se acha dono da prova e do circuito, arrota grandeza confiando na vitória do marketing.
Claro que os analistas que há muito deixaram, por preguiça e comodismo, de se esforçar para enxergar um palmo à frente do nariz e abdicam de ler o que muitos deles escreveram há 20 anos, e ignoram sublimemente o bólido vermelho que vai atropelar, um por um dos concorrentes, e chegar na frente, vão fazer mirabolantes avaliações onde todos terão chances, para no final, bradarem que acertaram.
Alguém arrisca um palpite? Ele mesmo, o Partido dos Trabalhadores, que tem como marca uma Estrela que nunca perdeu e nem perderá o seu brilho e carrega no pelotão de frente a faixa da Democracia.
A candidatura de Marcio Macedo pode não estar despertando interesse no colunismo corporativo e a dor de cotovelo impede que muitos teimem em não reconhecer. Inegavelmente, o PT detém uma preferência eleitoral que se sobrepõe à soma de todos os outros partidos juntos, e isso pesa muito. Outro item que pesa é a retaguarda de apoio, a que fica fora do box mas que encanta o público que vota.
Na semana anterior ao encontro, Marcio teve a declaração de apoio do maior transferidor de votos do País que, a cada dia, expõe sua enorme coragem para indicar o caminho da retomada da soberania pátria, tirada pelos que vamos derrotar na pista. Nos últimos dias ele disse: Moro pariu Bolsonaro e os dois são bandidos.
Domingo passado, se negou a dar entrevista para o Jornal O Globo e acusou o veículo da família Marinho de tê-lo perseguido por décadas e ser corresponsável pelo golpe que derrubou Dilma e jogou o Brasil no caos que vivenciamos.
Também negou qualquer vínculo com essa tal de frente ampla financiada pelos bilionários da Ambev, do Banco Itaú e do grupo Pão de Açúcar, que por puro oportunismo querem desembarcar do Titanic do fascismo bolsonarista e limpar o sangue nas mãos deixado pelos crimes contra a soberania nacional, vinculando seus nomes ao de Lula.
No encontro de sábado, o time de apoiadores pesos pesados mostrou Fernando Haddad e Gleisi Hoffmann, só para aquecer os motores.
Na sua apresentação, o piloto Marcio pautou a conjuntura programática do debate eleitoral, apontando saídas concretas para tirar Aracaju do marasmo em que se encontra.
Um programa já testado e aprovado com sucesso, pelo PT, em cuja governança Marcio participou, com prioridades na Saúde, Educação, Seguridade Social, Habitação, Mobilidade Urbana, Participação Popular e Obras de Infraestrutura que impulsionarão nossa Capital para o futuro.
Para quem retrocedeu, e muito, fica a comparação com um Ícone da ditadura militar, o Coronel Mario Andreazza que dizia que governar era construir estradas.
Marcio já respondeu: Governar é cuidar do povo, esta é a marca do modo petista de governar e quem vivenciou e esqueceu, é melhor procurar outro caminho.
O PT tem a única candidatura que não será refém de ninguém. Nem de grupo político e nem de família endinheirada. É o único que pode apresentar uma candidatura como sendo verdadeiramente a da Democracia, sem disfarce de Frente Ampla, porque a batalha que já está sendo travada em todo País é de enfrentamento ao Fascismo e pela defesa do Estado Democrático de Direito, que é a obra maior da nossa Constituição Cidadã.
O resto será o bloco envergonhado do golpe, do atraso, do desemprego, da abertura das fronteiras para entrada do Covid-19, da volta do Brasil ao mapa da fome, dos cem mil mortos pela Pandemia, da quebradeira da Indústria, todos sob as lideranças fúnebres de Ciro Gomes, Marina Silva e FHC.
Enquanto isso, Thomas Piketty avalia que só existirá novo mundo se houver um grande combate às desigualdades. Ele, eu e as torcidas organizadas que estão indo às ruas enfrentar os fascistas, sabemos que a receita só será viável com a volta de quem já fez e saberá fazer de novo.

* Rômulo Rodrigues é militante político

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS