A espera

Opinião

 

*Rangel Alves da Costa
Vivemos momentos de angústias e aflições. Hoje, sabemos que somente o amanhã poderá nos trazer alguma esperança boa. Entristecidas, como que aprisionadas, as pessoas nada podem fazer senão esperar. Sabem que nada podem fazer, sabem que dependem de poderes maiores para saírem dessa difícil situação. O vírus lançou populações aos exílios e as pessoas apenas vivenciando suas ausências de liberdade.
A pandemia chegou, espalhou-se como ameaça aterradora. Tão repentinamente que ninguém esperava ter de se recolher perante os afazeres da vida. Um mundo de solidão e de vazios, com ruas nuas, portas fechadas, desolação. Olhares pelas frestas à espera de horizontes e dias melhores. Mas quando tudo isso passará? Uma espera dolorosa, incerta, como se de repente tudo pudesse mudar para melhor ou mesmo acontecer o pior. Mas tem que esperar.
Toda espera coloca um pé margeando um abismo, já disse o poeta. Já outro sintetizou que a espera é laço que não se desfaz por desejo ou vontade própria. Tudo verdade. Nada mais difícil e tormentoso que esperar.
O simples ato de esperar implica em afetação de comportamentos e em diversas consequências. E todas angustiantes, aflitivas, atormentadoras. É como se a pessoa tivesse a vida suspensa na dependência de outro acontecimento. 
O desejo e a vontade, o temor e a necessidade, são algumas das consequências da espera. E fato que se torna em desespero pela demora de acontecer. Um olhar lançado ao relógio, os passos de lado a outro, a mente fazendo suposições, a visão que se lança pela porta, pela estrada, pela janela. Assim se afeiçoa a expectativa.
E surgem as mais cruéis indagações: Será que virá, será que á agora, por que ainda não chegou? Será que vem mesmo, será que vai mesmo acontecer, por que não acontece logo para acabar com esse desespero? Já deveria ter chegado, já deveria ter acontecido, mas por que não há logo uma resposta para essa espera?
O relógio bate o seu tempo certo, mas parece que os ponteiros perderam o rumo, correm ou estão cansados demais. A porta silenciosa e no mesmo lugar, mas parece que se aproxima e que a qualquer momento será tocada. A estrada se alonga, a curva adiante sem sombra ou sinal, mas parece que um vulto ganha contorno, que enfim a pessoa virá. Mas tudo miragem, ilusão da espera.
As situações de espera são as mais diversificadas e terrificantes possíveis. E os momentos assim são os mais longos, verdadeiras eternidades. Os passos seguem sozinhos ao redor, nada se tem como normalidade. Tudo acontece, menos o esperado. O coração pulsa apressado, os olhos vagueiam atônitos, tudo indica que vai acontecer a qualquer momento. Mas nada.
A linda donzela, cheirosa a loção de alfazema, com cabelo em trança e face rosada, corre ao entardecer para a janela e, na ilusão do amor primeiro, se põe a esperar que o seu príncipe encantado passe. Quem sabe se ele não desponta na esquina com uma flor à mão e um olhar de apaixonada confissão. Mas tarde após tarde, já caindo a noite, e somente a vã espera.
O pai de primeira viagem já não suporta mais a aflição. A esposa esperando o filho tão sonhado, já em trabalho de parto, mas ele tem de ficar aguardando o anúncio na antessala ou no corredor da maternidade. E nada de a porta abrir, nada de aparecer o médico ou enfermeiro para dizer qualquer coisa. Também não consegue ouvir qualquer choro de criança. Nada. Quer gritar, mas a placa adiante avisa: Silêncio!
No leito de morte, a família reunida ao redor, o velho parente não suporta a dor daquele momento e vai encostar-se a qualquer coisa do lado de fora. Aí, tudo fazendo para não desabar de vez, mas sentindo a vazante no olhar e a agonia no peito, aguarda apenas que alguém apareça à porta para a notícia final. E espera e desespera, e de repente os gritos. É o fim e a espera acabou.
Na beirada do mar, na solidão já sombreada do cais, a mulher lança o olhar aflito às águas distantes. Procura enxergar o barquinho de seu pescador que tarda a chegar. Tem um lenço à mão e teme não mais reencontrar seu amor para a festa da vida. E o tempo passa, a noite chega de vez, mas nada parece cortando as correntezas. Será que seu amor voltará a seus braços ou foi levado pelo canto da sereia?
E vai esperando até o amanhecer. Ao redor tudo já com outra feição. O alvorecer esperando o sol, o cais esperando as ondas, a gaivota esperando que a mulher aflita entenda o seu grasnado triste. O seu pescador não voltará.
*Rangel Alves da Costa, advogado e escritor
Membro da Academia de Letras de Aracaju
blograngel-sertao.blogspot.com

*Rangel Alves da Costa

Vivemos momentos de angústias e aflições. Hoje, sabemos que somente o amanhã poderá nos trazer alguma esperança boa. Entristecidas, como que aprisionadas, as pessoas nada podem fazer senão esperar. Sabem que nada podem fazer, sabem que dependem de poderes maiores para saírem dessa difícil situação. O vírus lançou populações aos exílios e as pessoas apenas vivenciando suas ausências de liberdade.
A pandemia chegou, espalhou-se como ameaça aterradora. Tão repentinamente que ninguém esperava ter de se recolher perante os afazeres da vida. Um mundo de solidão e de vazios, com ruas nuas, portas fechadas, desolação. Olhares pelas frestas à espera de horizontes e dias melhores. Mas quando tudo isso passará? Uma espera dolorosa, incerta, como se de repente tudo pudesse mudar para melhor ou mesmo acontecer o pior. Mas tem que esperar.
Toda espera coloca um pé margeando um abismo, já disse o poeta. Já outro sintetizou que a espera é laço que não se desfaz por desejo ou vontade própria. Tudo verdade. Nada mais difícil e tormentoso que esperar.
O simples ato de esperar implica em afetação de comportamentos e em diversas consequências. E todas angustiantes, aflitivas, atormentadoras. É como se a pessoa tivesse a vida suspensa na dependência de outro acontecimento. 
O desejo e a vontade, o temor e a necessidade, são algumas das consequências da espera. E fato que se torna em desespero pela demora de acontecer. Um olhar lançado ao relógio, os passos de lado a outro, a mente fazendo suposições, a visão que se lança pela porta, pela estrada, pela janela. Assim se afeiçoa a expectativa.
E surgem as mais cruéis indagações: Será que virá, será que á agora, por que ainda não chegou? Será que vem mesmo, será que vai mesmo acontecer, por que não acontece logo para acabar com esse desespero? Já deveria ter chegado, já deveria ter acontecido, mas por que não há logo uma resposta para essa espera?
O relógio bate o seu tempo certo, mas parece que os ponteiros perderam o rumo, correm ou estão cansados demais. A porta silenciosa e no mesmo lugar, mas parece que se aproxima e que a qualquer momento será tocada. A estrada se alonga, a curva adiante sem sombra ou sinal, mas parece que um vulto ganha contorno, que enfim a pessoa virá. Mas tudo miragem, ilusão da espera.
As situações de espera são as mais diversificadas e terrificantes possíveis. E os momentos assim são os mais longos, verdadeiras eternidades. Os passos seguem sozinhos ao redor, nada se tem como normalidade. Tudo acontece, menos o esperado. O coração pulsa apressado, os olhos vagueiam atônitos, tudo indica que vai acontecer a qualquer momento. Mas nada.
A linda donzela, cheirosa a loção de alfazema, com cabelo em trança e face rosada, corre ao entardecer para a janela e, na ilusão do amor primeiro, se põe a esperar que o seu príncipe encantado passe. Quem sabe se ele não desponta na esquina com uma flor à mão e um olhar de apaixonada confissão. Mas tarde após tarde, já caindo a noite, e somente a vã espera.
O pai de primeira viagem já não suporta mais a aflição. A esposa esperando o filho tão sonhado, já em trabalho de parto, mas ele tem de ficar aguardando o anúncio na antessala ou no corredor da maternidade. E nada de a porta abrir, nada de aparecer o médico ou enfermeiro para dizer qualquer coisa. Também não consegue ouvir qualquer choro de criança. Nada. Quer gritar, mas a placa adiante avisa: Silêncio!
No leito de morte, a família reunida ao redor, o velho parente não suporta a dor daquele momento e vai encostar-se a qualquer coisa do lado de fora. Aí, tudo fazendo para não desabar de vez, mas sentindo a vazante no olhar e a agonia no peito, aguarda apenas que alguém apareça à porta para a notícia final. E espera e desespera, e de repente os gritos. É o fim e a espera acabou.
Na beirada do mar, na solidão já sombreada do cais, a mulher lança o olhar aflito às águas distantes. Procura enxergar o barquinho de seu pescador que tarda a chegar. Tem um lenço à mão e teme não mais reencontrar seu amor para a festa da vida. E o tempo passa, a noite chega de vez, mas nada parece cortando as correntezas. Será que seu amor voltará a seus braços ou foi levado pelo canto da sereia?
E vai esperando até o amanhecer. Ao redor tudo já com outra feição. O alvorecer esperando o sol, o cais esperando as ondas, a gaivota esperando que a mulher aflita entenda o seu grasnado triste. O seu pescador não voltará.

*Rangel Alves da Costa, advogado e escritorMembro da Academia de Letras de Aracajublograngel-sertao.blogspot.com

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS