Crônicas musicais: Esperando por você

Cultura

 

O Jornal do Dia publica, sempre às quartas, uma série de artigos assinados pelo jornalista Antonio Passos. São textos ambientados nos anos de formação de uma empolgante cena musical sergipana, nos quais Passos relata o que viu e viveu de perto, in loco, no calor do momento.
***
"Esperando por você", LP lançado pelo selo Hermisom Discos e à venda em Aracaju na Papelaria Santana (Calçadão da Laranjeiras), é o primeiro disco do músico, compositor e cantor Wilson Cordeiro.
Wilson, apesar de ter nascido no Rio de Janeiro, iniciou sua carreira musical em Aracaju, por volta dos primeiros anos da década de 1970, como baterista do conjunto de baile "Os Geniais". Tocou ainda, entre outros, no grupo "D'Aqui" ao lado de Henrique Souza.
A partir de 1976, passou a morar na cidade de São Paulo, onde continuou trabalhando como músico e arranjador. Em 1989, apresentou-se em terras sergipanas ao menos em duas oportunidades: na condição de contrabaixista da banda do cantor Antônio Marcos (em temporada pelo interior do estado) e como tecladista, acompanhando o artista local Jimi (Jimidias). Agora, está de volta com o lançamento do vinil.
O disco pode ser enquadrado no universo da chamada música "brega" brasileira, caracterizando-se, na maioria das faixas, por uma leitura popularesca de dramas resultantes do amor romântico. Começando por "Esperando por você" (A1), a música, uma espécie de canção simulacro das produções do cantor e compositor Biafra, por meio da qual o autor declara: "sem o seu amor não tenho paz / viver assim já é demais / eu tenho pressa de fugir / disso tudo...". Em "Marcianita" (A2), única faixa não composta por Cordeiro, é sugerida uma saída interplanetária para as decepções amorosas terrenas: "quero um broto de Marte que seja sincero / que não se pinte / nem fume / nem saiba sequer o que é rock'n'roll". Tratando de problemas mais carnais, em "Vamos fazer diferente" (B4), é apresentada uma solução alternativa para quebrar a monotonia das relações sexuais: "garota esse papo de motel já virou rotina / vamos fazer diferente dentro da piscina", sem entretanto separar o sexo do amor: "quando a gente está junto da pessoa amada / qualquer lugar é bom demais / na cama ou na calçada".
Outros temas também são abordados. Na quinta faixa do lado A, "A cigarra e as formigas", a exemplo de outros artistas, Cordeiro faz sua leitura da fábula de La Fontain e a coloca em uma canção "country music" com vocais de dupla caipira nacional. "Praia de Atalaia" (B5), como sugere o título, é uma homenagem, porém um tanto fria, para a quente praia aracajuana.
Após uma primeira audição, fica claro o envolvimento de Cordeiro com a música pop produzida entre os anos 60 e 80, entretanto os sons que o influenciaram são, em "Esperando por você" (o disco), liquidificados - por uma produção que, eufemisticamente, pode ser chamada de modestíssima - reaparecendo disseminados em canções seminuas.
Sem dúvida, a oportunidade poderia ter sido mais bem aproveitada, os arranjos poderiam ter sido mais ricos e a produção, bem mais cuidada. Cordeiro, prudentemente, poderia ter renunciado à função de multi-instrumentista (no disco, ele toca teclado, bateria, gaita, guitarra e baixo), convidando músicos especializados e, assim, conseguido uma melhor execução instrumental.
Publicação original em:Folha da Praia, Aracaju, 18 a 24 de fevereiro de 1990.

O Jornal do Dia publica, sempre às quartas, uma série de artigos assinados pelo jornalista Antonio Passos. São textos ambientados nos anos de formação de uma empolgante cena musical sergipana, nos quais Passos relata o que viu e viveu de perto, in loco, no calor do momento.

***

"Esperando por você", LP lançado pelo selo Hermisom Discos e à venda em Aracaju na Papelaria Santana (Calçadão da Laranjeiras), é o primeiro disco do músico, compositor e cantor Wilson Cordeiro.
Wilson, apesar de ter nascido no Rio de Janeiro, iniciou sua carreira musical em Aracaju, por volta dos primeiros anos da década de 1970, como baterista do conjunto de baile "Os Geniais". Tocou ainda, entre outros, no grupo "D'Aqui" ao lado de Henrique Souza.
A partir de 1976, passou a morar na cidade de São Paulo, onde continuou trabalhando como músico e arranjador. Em 1989, apresentou-se em terras sergipanas ao menos em duas oportunidades: na condição de contrabaixista da banda do cantor Antônio Marcos (em temporada pelo interior do estado) e como tecladista, acompanhando o artista local Jimi (Jimidias). Agora, está de volta com o lançamento do vinil.
O disco pode ser enquadrado no universo da chamada música "brega" brasileira, caracterizando-se, na maioria das faixas, por uma leitura popularesca de dramas resultantes do amor romântico. Começando por "Esperando por você" (A1), a música, uma espécie de canção simulacro das produções do cantor e compositor Biafra, por meio da qual o autor declara: "sem o seu amor não tenho paz / viver assim já é demais / eu tenho pressa de fugir / disso tudo...". Em "Marcianita" (A2), única faixa não composta por Cordeiro, é sugerida uma saída interplanetária para as decepções amorosas terrenas: "quero um broto de Marte que seja sincero / que não se pinte / nem fume / nem saiba sequer o que é rock'n'roll". Tratando de problemas mais carnais, em "Vamos fazer diferente" (B4), é apresentada uma solução alternativa para quebrar a monotonia das relações sexuais: "garota esse papo de motel já virou rotina / vamos fazer diferente dentro da piscina", sem entretanto separar o sexo do amor: "quando a gente está junto da pessoa amada / qualquer lugar é bom demais / na cama ou na calçada".
Outros temas também são abordados. Na quinta faixa do lado A, "A cigarra e as formigas", a exemplo de outros artistas, Cordeiro faz sua leitura da fábula de La Fontain e a coloca em uma canção "country music" com vocais de dupla caipira nacional. "Praia de Atalaia" (B5), como sugere o título, é uma homenagem, porém um tanto fria, para a quente praia aracajuana.
Após uma primeira audição, fica claro o envolvimento de Cordeiro com a música pop produzida entre os anos 60 e 80, entretanto os sons que o influenciaram são, em "Esperando por você" (o disco), liquidificados - por uma produção que, eufemisticamente, pode ser chamada de modestíssima - reaparecendo disseminados em canções seminuas.
Sem dúvida, a oportunidade poderia ter sido mais bem aproveitada, os arranjos poderiam ter sido mais ricos e a produção, bem mais cuidada. Cordeiro, prudentemente, poderia ter renunciado à função de multi-instrumentista (no disco, ele toca teclado, bateria, gaita, guitarra e baixo), convidando músicos especializados e, assim, conseguido uma melhor execução instrumental.
Publicação original em:Folha da Praia, Aracaju, 18 a 24 de fevereiro de 1990.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS