A posição de JB

Rita Oliveira


O ex-senador Valadares participou ontem, em São Paulo, de reunião da Executiva Nacional do PSB em que tratou das eleições municipais no país. Na oportunidade, falou sobre Aracaju, quando enfatizou que o partido terá a candidatura de Valadares Filho para prefeito. Destacou que a sua pré-candidatura já tinha sido lançada pelo Diretório Municipal.

 

A posição de JB

 

No início deste ano quando o PT rompeu 
politicamente com o prefeito Edvaldo 
Nogueira e anunciou a pré-candidatura de Márcio Macedo a prefeito de Aracaju aliados do agrupamento político declararam que seguiriam com Edvaldo, inclusive, o governador Belivaldo Chagas (PSD).
A grande incógnita era a posição do ex-governador Jackson Barreto (MDB), que no período estava viajando. Depois, já de volta a Aracaju, JB se eximiu de dizer com quem marcharia nas eleições deste ano, enfatizando que iria avaliar.
Chegou à dizer à coluna que tinha uma grande simpatia ao PT por conta do ex-governador Marcelo Déda e do ex-presidente Lula. E que nas eleições 2022 vai querer está ao lado do líder nacional petista.
Ontem, em nova conversa com a coluna, Jackson declarou que já decidiu que seguirá com Edvaldo Nogueira por algumas questões que considera fundamentais. Citou a manutenção do projeto político iniciado com Déda governador, uma vez que a grande maioria dos aliados seguirá com o prefeito; o fato de Belivaldo já ter declarado apoio a Edvaldo; e dele está correspondendo às expectativas da cidade como gestor.
"Fazer política de isolamento não leva a lugar algum. Não existe projeto político de forma isolada", disse JB numa crítica indireta ao PT, que deixou a base aliada e segue isolado no projeto de disputar as eleições deste ano em Aracaju.
Ressaltou que o fato de ter feito a opção em apoiar a reeleição de Edvaldo ao invés de seguir com o PT não mudará em nada o carinho pelo ex-presidente. "Qualquer que seja o seu projeto político em 2022 vou acompanhá-lo. Minha posição não vai interferir em nada. Sempre estarei levantando a bandeira de Lula e Dilma  [Rousseff]", disse.
Essa posição do ex-governador afetará profundamente a pré-candidatura do PT à prefeitura. É que se contasse com o apoio de JB - que é uma grande liderança política, sabe fazer política como ninguém e até onde as cobras dormem -  Márcio Macedo teria um oxigênio à sua pré-candidatura.
Sem Jackson, sem Belivaldo e demais aliados do agrupamento liderado pelo governador o PT não deve ir muito longe nas eleições deste ano em Aracaju. A militância petista sozinha não terá muita força política para eleger o candidato do partido, principalmente pelo antipetismo que foi criado no país. E, como disse JB, não existe projeto político de forma isolada.
Trocando em miúdos, a opção de Jackson por Edvaldo é uma pá de cal não pré-candidatura do PT a prefeito de Aracaju.

No início deste ano quando o PT rompeu  politicamente com o prefeito Edvaldo  Nogueira e anunciou a pré-candidatura de Márcio Macedo a prefeito de Aracaju aliados do agrupamento político declararam que seguiriam com Edvaldo, inclusive, o governador Belivaldo Chagas (PSD).
A grande incógnita era a posição do ex-governador Jackson Barreto (MDB), que no período estava viajando. Depois, já de volta a Aracaju, JB se eximiu de dizer com quem marcharia nas eleições deste ano, enfatizando que iria avaliar.
Chegou à dizer à coluna que tinha uma grande simpatia ao PT por conta do ex-governador Marcelo Déda e do ex-presidente Lula. E que nas eleições 2022 vai querer está ao lado do líder nacional petista.
Ontem, em nova conversa com a coluna, Jackson declarou que já decidiu que seguirá com Edvaldo Nogueira por algumas questões que considera fundamentais. Citou a manutenção do projeto político iniciado com Déda governador, uma vez que a grande maioria dos aliados seguirá com o prefeito; o fato de Belivaldo já ter declarado apoio a Edvaldo; e dele está correspondendo às expectativas da cidade como gestor.
"Fazer política de isolamento não leva a lugar algum. Não existe projeto político de forma isolada", disse JB numa crítica indireta ao PT, que deixou a base aliada e segue isolado no projeto de disputar as eleições deste ano em Aracaju.
Ressaltou que o fato de ter feito a opção em apoiar a reeleição de Edvaldo ao invés de seguir com o PT não mudará em nada o carinho pelo ex-presidente. "Qualquer que seja o seu projeto político em 2022 vou acompanhá-lo. Minha posição não vai interferir em nada. Sempre estarei levantando a bandeira de Lula e Dilma  [Rousseff]", disse.
Essa posição do ex-governador afetará profundamente a pré-candidatura do PT à prefeitura. É que se contasse com o apoio de JB - que é uma grande liderança política, sabe fazer política como ninguém e até onde as cobras dormem -  Márcio Macedo teria um oxigênio à sua pré-candidatura.
Sem Jackson, sem Belivaldo e demais aliados do agrupamento liderado pelo governador o PT não deve ir muito longe nas eleições deste ano em Aracaju. A militância petista sozinha não terá muita força política para eleger o candidato do partido, principalmente pelo antipetismo que foi criado no país. E, como disse JB, não existe projeto político de forma isolada.
Trocando em miúdos, a opção de Jackson por Edvaldo é uma pá de cal não pré-candidatura do PT a prefeito de Aracaju.

Com Edvaldo

Na próxima quarta-feira o ex-governador Jackson Barreto, que é presidente Municipal do MDB, estará se reunindo com o prefeito Edvaldo Nogueira. Além de conversar sobre a reeleição do gestor, JB tratará da formação da chapa de vereador do seu partido.

Formação de chapa

Visando a formação de uma chapa competitiva de vereador de Aracaju pelo MDB, Jackson vem se reunindo com nomes bem conhecidos da política de Sergipe. Ontem conversou com o ex-deputado federal Mendonça Prado e o ex-deputado estadual Fabiano Oliveira. Discutiu a filiação deles ao seu partido.

De volta

Fabiano Oliveira caminha para voltar a política após vários anos atuando somente no ramo empresarial de shows e eventos. Vem conversando com alguns partidos, inclusive o PSC.

Indignação 1

Lideranças políticas da coligação do ex-governador Marcelo Déda viram ontem como "oportunismo" a lamúria do deputado estadual Iran Barbosa (PT) sobre a ausência de Déda no dia em que completaria 60 anos se vivo estivesse. Lembraram que Iran, junto com a ex-deputada estadual Ana Lúcia (PT), fizeram o enterro simbólico de Déda durante manifestação do Sintese. Lembraram ainda da Cartilha que a tendência deles na época, a Articulação de Esquerda, fez contra o seu governo logo no primeiro ano de gestão. "Pessoas como Iran merecem ser desmascaradas", disse uma das lideran ç as.

Indignação 2

Um aliado do ex-governador Jackson Barreto ficou indignado ontem com as declarações da presidente do Sintese, Ivonete Cruz, atribuindo o desrespeito ao Plano de Carreira e Remuneração do Magistério aos governos Jackson Barreto e Belivaldo Chagas. "Ivonete quer enganar a opinião pública. Quem mandou projeto de lei definindo aumento do Magistério Público para a Assembleia foi o governo Marcelo Déda. Não foi Jackson nem Belivaldo. O governo Jackson não encaminhou nenhum projeto do magistério para a Alese. Por Déda ter sido do seu partido ela não quer falar a verdade, mas não tem o direito de trangi rversar, de esconder a verdade dos fatos".  

Embate no Senado 1

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE)  foi chamado de "hipócrita", "covarde" e "frouxo" pela senadora Kátia Abreu (PDT-TO) após acusar de "agirem por dinheiro" os parlamentares favoráveis ao Projeto de Lei 04/20 encaminhado pelo governo Jair Bolsonaro, que destina R$ 15 bilhões ao Orçamento da União para livre aplicação pelo Congresso Nacional. Kátia, que é presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, ainda sugeriu que Alessandro estudasse para melhorar argumentação.

Embate no Senado 2

Chegou a declarar a senadora ao criticar o comportamento de "vestais da honestidade": "Qual é o problema de um parlamentar levar recursos para o seu Estado? Ele (Alessandro Vieira) aprovou aqui um PLN, com o apoio de todos nós, e levou 50 milhões para o Estado dele. Eu vou dizer que não apoio? Vou apoiar sempre, porque eu também quero o apoio dele para levar 100, 200 para o meu Tocantins".

Embate no Senado 3

A discussão entre os dois senadores aconteceu na terça-feira passada em meio ao processo de votação do PLN 04/20 na sessão da Comissão Mista do Orçamento (CMO).

No Política Sem Frescura 1

O embate entre os dois senadores levou o deputado estadual Rodrigo Valadares (PTB) a acusar e criticar pesado o ex-aliado Alessandro Vieira no grupo de WhatsApp Política sem Frescura e a ser rebatido por ele. Disse Rodrigo: "Alessandro Vieira como sempre frágil em seus argumentos e facilmente desmascarados. Deve a cabeça e o mandato ao RenovaBR e Itaú. Um farsa. Durante sua campanha, o RenovaBR gastou por ele em disparos em massa e traçamento de perfil psicossocial. Tudo isso fora da contabilidade oficial. Até quando vamos aceitar esse falso moralista?".

No Política Sem Frescura 2

Colocou ainda o deputado que o senador delegado deveria explicar toda a tecnologia que o grande sistema financeiro gastou com ele, por que não tem fidelidade com seu partido (mudou assim que eleito), com seu estado (nunca fez nada por Sergipe ou com seu eleitorado). "É fiel apenas ao RenovaBR. Ele e meio mundo de desconhecidos que se elegeram com ilegalidades tecnológicas. Se estivesse sob a legislação europeia já estaria preso. Tenho tudo documentado e as máscaras irão cair. Só digo isso".

No Política Sem Frescura 3

Disparou ainda Rodrigo: "Alguém se elege à toa? Tudo do Alessandro foi calculado. É um produto do marketing. Marchou com a esquerda, teve votos nela e agora se Bolsonarisou. Ele fala em CPI da Lava Toga. Vamos fazer uma CPI da Tecnologia em Sergipe. Tenho tudo documentado e estou ansioso para que seja homem e venha discutir comigo".

No Política Sem Frescura 4

Resposta do senador no grupo: "Vamos fazer o debate com o deputado Rodrigo no campo adequado, que é a Justiça. Só lá. O teatro abobalhado que só interessa àqueles que trabalham contra Sergipe não vai contar com a minha participação. Mentiras, fakes e coisas parecidas não duram nesta terra. Gente que se elege pedindo Lula livre e depois vira bolsonarista merece que tipo credibilidade? Gente que financia perfil para disseminação de fake? Vamos agua rdar a manifestação da Justiça com a serenidade que só o homem de bem pode ter. Abraço a todos".

No Política Sem Frescura 5

Rebateu Rodrigo Valadares: "Então me processe seu hipócrita. Você mete medo em bandido, em mim não. Comissão de Ética, Justiça é assim que você quer tratar a política? Dá certo com quem tem rabo preso, comigo não. Enfrento-o no campo de batalha que vossa excelência desejar. Estou doido pra te desmascarar e Sergipe saber quem é você".

Coronavírus 1

Do ex-presidente da OAB/SE, Henri Clay: "A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou uma perspectiva de pandemia do coronavírus. Essa nova classificação significa que uma transmissão recorrente está ocorrendo em diferentes partes do mundo e de forma simultânea. Ao anunciar a pandemia, a agên cia de s aúde indica que governos devem trabalhar não mais para apenas conter um caso. Negar a gravidade da pandemia é um erro grave que o governo Bolsonaro está cometendo".

Coronavírus 2

O senador Alessandro Vieira (Cidadania) disse ontem que já alertou na Comissão Mista de Orçamento (CMO) para a proximidade de uma grave crise de saúde pública no Brasil, com o avanço do coronavírus. "Nós já temos 11,6 milhões de desempregados, um problema social violento, e agora com essa epidemia, a situação é alarmante! A Itália, um país desenvolvido da Europa, passou de um estado de tranquilidade sanitária para caos em 20 dias. Como o Brasil vai lidar com essa contaminação eminente?", questiona. 

Veja essa ...

Com o teste positivo para coronavírus no chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação da Presidência), Fabio Wajngarten, o presidente Jair Bolsonaro passou a ser monitorado pela equipe médica da Presidência da República. O secretário esteve muito próximo de Bolsonaro e do presidente Donald Trump na viagem aos EUA. Ironia do destino.

Curtas

A ex-prefeita de São Cristovão, Rivanda Farias, já está de malas prontas para se filiar ao PSD do deputado federal Fábio Mitidieri e disputar um mandato de vereadora em Aracaju nas eleições deste ano. Ela já estava com um pé no PSC, mas fez a opção  pelo PSD.

O ex-deputado federal Jorge Araújo (PSD) considerou como positiva a decisão da direção do Banese em não mais fechar algumas agências no interior do Estado. "Foi importante a ação dos prefeitos dos diversos municípios e também da Assembleia Legislativa que conseguiram demonstrar os prejuízos que seriam causados com o fechamento das citadas agências".

Jorge demonstra sua preocupação com a nota informativa do Banese  dizendo que o banco continuará avaliando a eficiência de suas agências. "Se os funcionários do Banese continuarem encaminhando os clientes para os Pontos Banese, lógico que as agências vão continuar ineficientes. É preciso que o Banese entenda que a sua presença nos municípios é muito im portante e que os sergipanos precisam do Banese", avalia.

O Projeto de Lei de autoria do vereador Jason Neto (PDT) que permite que doadores de sangue tenham atendimento preferencial foi sancionada pelo prefeito Edvaldo Nogueira.  O projeto prioriza o atendimento de doadores em estabelecimentos comerciais, bancários e em repartições públicas: municipal, estadual e federal, que estejam instaladas em Aracaju. 

Para Jason esse projeto representa a valorização dos doadores voluntários e serve como forma de incentivo para outras pessoas.  "Fico muito feliz em ter esse projeto aprovado. Ser doador de sangue é um ato de humanidade e deve ser reconhecido e valorizado".

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS