Deputado e comissão avançam nas discussões para elaboração do Plano de Zoneamento Costeiro de Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 31/10/2019 às 23:12:00

 

O deputado estadual Zezinho Sobral (Pode) recebeu nesta quinta-feira, membros do Núcleo de Desenvolvimento Econômico e Social de Sergipe (NDES) para tratar sobre a elaboração do Plano de Zoneamento Costeiro, Econômico e Ecológico do estado. Trata-se da preparação do indicativo legal normativo que regulamenta a utilização de todo o espaço litorâneo.
"Existem áreas turísticas inviabilizadas graças às normas infralegais (portarias do Ibama) que transformaram Sergipe em um estado com maior área de preservação ambiental, sendo ele o menor de todos geograficamente. Sergipe possui mais de 40% do seu território com áreas não exploráveis. Todo litoral, exceto Aracaju, não é acessível. Esse Plano vai destravar o desenvolvimento turístico de áreas como Caueira, Praia do Saco, Pirambu, Abaís, Crasto, Brejo Grande, Neópolis, o Baixo São Francisco, entre outras áreas", comentou Zezinho Sobral, destacando a importância de revogar essas normas.
Durante a reunião, Zezinho Sobral reafirmou que defende o desenvolvimento sustentável para o turismo e aquicultura de Sergipe. Ele explicou que o zoneamento divide um espaço físico com funções específicas para promover o ordenamento adequado e soluções do ponto de vista social, econômico e ambiental.
"Sergipe possui todas as condições para manter áreas de preservação ambiental e empreender um desenvolvimento sustentável sem a necessidade de inviabilizar atividades importantes para a economia como agricultura, aquicultura e, também, o turismo. Não podemos ter normas que dificultem a competitividade, a produção e o comércio dos pequenos e médios aquicultores e carcinicultores.

O deputado estadual Zezinho Sobral (Pode) recebeu nesta quinta-feira, membros do Núcleo de Desenvolvimento Econômico e Social de Sergipe (NDES) para tratar sobre a elaboração do Plano de Zoneamento Costeiro, Econômico e Ecológico do estado. Trata-se da preparação do indicativo legal normativo que regulamenta a utilização de todo o espaço litorâneo.
"Existem áreas turísticas inviabilizadas graças às normas infralegais (portarias do Ibama) que transformaram Sergipe em um estado com maior área de preservação ambiental, sendo ele o menor de todos geograficamente. Sergipe possui mais de 40% do seu território com áreas não exploráveis. Todo litoral, exceto Aracaju, não é acessível. Esse Plano vai destravar o desenvolvimento turístico de áreas como Caueira, Praia do Saco, Pirambu, Abaís, Crasto, Brejo Grande, Neópolis, o Baixo São Francisco, entre outras áreas", comentou Zezinho Sobral, destacando a importância de revogar essas normas.
Durante a reunião, Zezinho Sobral reafirmou que defende o desenvolvimento sustentável para o turismo e aquicultura de Sergipe. Ele explicou que o zoneamento divide um espaço físico com funções específicas para promover o ordenamento adequado e soluções do ponto de vista social, econômico e ambiental.
"Sergipe possui todas as condições para manter áreas de preservação ambiental e empreender um desenvolvimento sustentável sem a necessidade de inviabilizar atividades importantes para a economia como agricultura, aquicultura e, também, o turismo. Não podemos ter normas que dificultem a competitividade, a produção e o comércio dos pequenos e médios aquicultores e carcinicultores.