A Ásia é o maior centro de registro de pedidos de patentes no mundo

Opinião

 

Saumíneo Nascimento
Segundo dados divulgados pela Orga-
nização Mundial de Propriedade Inte-
lectual (WIPO), a Ásia recebeu mais de dois terços de todos os pedidos de patente, marcas comerciais e desenhos industriais que foram depositados em 2018. Sendo que a China consolida-se na vanguarda da crescente demanda por direitos de propriedade intelectual, enquanto os Estados Unidos mantiveram a primazia nos pedidos de patentes depositados nos mercados de exportação.
Em 2018, inovadores em todo o mundo apresentaram 3,3 milhões de pedidos de patentes, o que representa um aumento de 5,2% em uma série de nove anos consecutivos de aumento, de acordo com o relatório anual da  WIPO Indicadores globais de propriedade intelectual.  A atividade de apresentação de pedidos de marca registrada totalizou 14,3 milhões em todo o mundo e, no caso de desenhos industriais, 1,3 milhão.
"A Ásia continua à frente das outras regiões em termos da atividade de registrar pedidos de patentes, marcas comerciais, desenhos industriais e outros direitos de propriedade intelectual que estão na base da economia mundial", disse Francis Gurry, Diretor Geral da WIPO, acrescentando: "A China concentra quase metade dos pedidos de patentes e a Índia também registra aumentos notáveis. A Ásia se tornou um dos centros de inovação em todo o mundo".
No quesito de aplicações de proteção de variedades vegetais o aumento foi de  8,9% em todo o mundo em 2018, atingindo 20.210 aplicações, e os dados recebidos de 92 administrações nacionais e regionais mostram a existência de cerca de 65.900 indicações geográficas protegido no mesmo ano.
O IP Office da China (escritório de propriedade intelectual do país) recebeu o maior número de pedidos de patentes em 2018: 1,54 milhão de pedidos, um número recorde equivalente a 46,4% do total mundial e está próximo da soma dos pedidos que eles receberam de todos os escritórios classificados entre o segundo e o décimo primeiro lugar. O IP Office da China foi seguido pelos escritórios dos Estados Unidos (597.141), Japão (313.567), República da Coréia (209.992) e Instituto Europeu de Patentes (EPO; 174.397). Os cinco maiores escritórios concentram 85,3% do total mundial de pedidos de patentes.
Dos cinco escritórios principais, a China (+ 11,6%), o EPO (+ 4,7%) e a República da Coréia (+ 2,5%) registraram crescimento no número de pedidos, enquanto o Japão (- 1,5%) e os Estados Unidos (-1,6%) registraram pequenos declínios. Segundo a WIPO, os Estados Unidos tiveram o primeiro declínio desde 2009.
Analisando no espectro maior, os dez principais escritórios de países que recebem pedidos de patentes, destacam-se, a Alemanha (67.898 pedidos), Índia (50.055 pedidos), Federação Russa (37.957 pedidos), Canadá (36.161 pedidos) e Austrália (29.957 pedidos). Todos eles observaram aumentos no número de pedidos de patentes, que variaram entre 7,5%, no caso da Índia, e 0,3%, no da Alemanha.
O relatório da WIPO aponta que a Ásia fortaleceu sua posição como uma região que registra a atividade mais intensa de pedidos de patentes. Os Escritórios localizados nesse continente receberam dois terços (66,8%) do total de pedidos apresentados no mundo em 2018 - um aumento considerável em relação a 50,8% em 2008, principalmente como resultado do aumento observado na China. Os escritórios localizados na América do Norte receberam pouco menos de um quinto (19%) do total de solicitações enviadas no mundo, enquanto os escritórios localizados na Europa receberam pouco mais de um décimo (10,9%). O percentual conjunto de escritórios localizados na África, América Latina e Caribe e Oceania em 2018 foi de 3,3%.
O relatório da WIPO também observa que em relação à apresentação de pedidos no exterior, indicativos do desejo de expansão para novos mercados, os residentes dos Estados Unidos continuam liderando em 2018, com 230.085 pedidos de patentes equivalentes registrados no exterior. Eles foram seguidos pelos do Japão (206.739 pedidos), Alemanha (106.753 pedidos), República da Coréia (69.459 pedidos) e China (66.429 pedidos).
Estamos evoluindo em tecnologia e isto é demonstrado pelo número de patentes em vigor em todo o mundo que aumentou 6,7% em 2018, chegando a 14 milhões. Nos Estados Unidos, havia cerca de 3,1 milhões de patentes em vigor, e atrás estavam a China (2,4 milhões de patentes) e o Japão (2,1 milhões patentes). Destaque-se que metade das patentes em vigor nos Estados Unidos tem origem no exterior, enquanto os requerentes nacionais representam cerca de 70% do total de patentes em vigor na China.
A WIPO estima que em 2018, cerca de 10,9 milhões de pedidos de registro de marca tenham sido apresentados em todo o mundo, abrangendo 14,3 milhões de classes. O número de classes especificadas nos aplicativos aumentou 15,5%, tornando 2018 o nono ano consecutivo de aumento.
O IP Office da China (escritório de propriedade intelectual da China), por exemplo, registrou o maior volume de atividades de envio de aplicativos, com uma contagem de cerca de 7,4 milhões classes; na sequência aparecem os escritórios de propriedade intelectual dos Estados Unidos (640.181) e Japão (512.156), o Escritório de Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO; 392.925) e o da República Islâmica do Irã (384.338). Entre os 20 principais escritórios, os maiores aumentos entre 2017 e 2018 foram nos escritórios de propriedade intelectual da Indonésia (+ 29,1%), China (+ 28,3%), Índia (+ 20,9%), República da Coréia (+ 14,5%) e Reino Unido (+ 12,4%).
Estes dados revelam que a Ásia está bem posicionada na evolução tecnológica e que nós do Brasil que estamos na Região do mundo (América Latina) de pouca evolução nos quesitos de propriedade intelectual, necessitamos aprender com os asiáticos como crescermos e evoluirmos em quesitos de tecnologia que possam transformar o país.

Saumíneo Nascimento

Segundo dados divulgados pela Orga- nização Mundial de Propriedade Inte- lectual (WIPO), a Ásia recebeu mais de dois terços de todos os pedidos de patente, marcas comerciais e desenhos industriais que foram depositados em 2018. Sendo que a China consolida-se na vanguarda da crescente demanda por direitos de propriedade intelectual, enquanto os Estados Unidos mantiveram a primazia nos pedidos de patentes depositados nos mercados de exportação.
Em 2018, inovadores em todo o mundo apresentaram 3,3 milhões de pedidos de patentes, o que representa um aumento de 5,2% em uma série de nove anos consecutivos de aumento, de acordo com o relatório anual da  WIPO Indicadores globais de propriedade intelectual.  A atividade de apresentação de pedidos de marca registrada totalizou 14,3 milhões em todo o mundo e, no caso de desenhos industriais, 1,3 milhão.
"A Ásia continua à frente das outras regiões em termos da atividade de registrar pedidos de patentes, marcas comerciais, desenhos industriais e outros direitos de propriedade intelectual que estão na base da economia mundial", disse Francis Gurry, Diretor Geral da WIPO, acrescentando: "A China concentra quase metade dos pedidos de patentes e a Índia também registra aumentos notáveis. A Ásia se tornou um dos centros de inovação em todo o mundo".
No quesito de aplicações de proteção de variedades vegetais o aumento foi de  8,9% em todo o mundo em 2018, atingindo 20.210 aplicações, e os dados recebidos de 92 administrações nacionais e regionais mostram a existência de cerca de 65.900 indicações geográficas protegido no mesmo ano.
O IP Office da China (escritório de propriedade intelectual do país) recebeu o maior número de pedidos de patentes em 2018: 1,54 milhão de pedidos, um número recorde equivalente a 46,4% do total mundial e está próximo da soma dos pedidos que eles receberam de todos os escritórios classificados entre o segundo e o décimo primeiro lugar. O IP Office da China foi seguido pelos escritórios dos Estados Unidos (597.141), Japão (313.567), República da Coréia (209.992) e Instituto Europeu de Patentes (EPO; 174.397). Os cinco maiores escritórios concentram 85,3% do total mundial de pedidos de patentes.
Dos cinco escritórios principais, a China (+ 11,6%), o EPO (+ 4,7%) e a República da Coréia (+ 2,5%) registraram crescimento no número de pedidos, enquanto o Japão (- 1,5%) e os Estados Unidos (-1,6%) registraram pequenos declínios. Segundo a WIPO, os Estados Unidos tiveram o primeiro declínio desde 2009.
Analisando no espectro maior, os dez principais escritórios de países que recebem pedidos de patentes, destacam-se, a Alemanha (67.898 pedidos), Índia (50.055 pedidos), Federação Russa (37.957 pedidos), Canadá (36.161 pedidos) e Austrália (29.957 pedidos). Todos eles observaram aumentos no número de pedidos de patentes, que variaram entre 7,5%, no caso da Índia, e 0,3%, no da Alemanha.
O relatório da WIPO aponta que a Ásia fortaleceu sua posição como uma região que registra a atividade mais intensa de pedidos de patentes. Os Escritórios localizados nesse continente receberam dois terços (66,8%) do total de pedidos apresentados no mundo em 2018 - um aumento considerável em relação a 50,8% em 2008, principalmente como resultado do aumento observado na China. Os escritórios localizados na América do Norte receberam pouco menos de um quinto (19%) do total de solicitações enviadas no mundo, enquanto os escritórios localizados na Europa receberam pouco mais de um décimo (10,9%). O percentual conjunto de escritórios localizados na África, América Latina e Caribe e Oceania em 2018 foi de 3,3%.
O relatório da WIPO também observa que em relação à apresentação de pedidos no exterior, indicativos do desejo de expansão para novos mercados, os residentes dos Estados Unidos continuam liderando em 2018, com 230.085 pedidos de patentes equivalentes registrados no exterior. Eles foram seguidos pelos do Japão (206.739 pedidos), Alemanha (106.753 pedidos), República da Coréia (69.459 pedidos) e China (66.429 pedidos).
Estamos evoluindo em tecnologia e isto é demonstrado pelo número de patentes em vigor em todo o mundo que aumentou 6,7% em 2018, chegando a 14 milhões. Nos Estados Unidos, havia cerca de 3,1 milhões de patentes em vigor, e atrás estavam a China (2,4 milhões de patentes) e o Japão (2,1 milhões patentes). Destaque-se que metade das patentes em vigor nos Estados Unidos tem origem no exterior, enquanto os requerentes nacionais representam cerca de 70% do total de patentes em vigor na China.
A WIPO estima que em 2018, cerca de 10,9 milhões de pedidos de registro de marca tenham sido apresentados em todo o mundo, abrangendo 14,3 milhões de classes. O número de classes especificadas nos aplicativos aumentou 15,5%, tornando 2018 o nono ano consecutivo de aumento.
O IP Office da China (escritório de propriedade intelectual da China), por exemplo, registrou o maior volume de atividades de envio de aplicativos, com uma contagem de cerca de 7,4 milhões classes; na sequência aparecem os escritórios de propriedade intelectual dos Estados Unidos (640.181) e Japão (512.156), o Escritório de Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO; 392.925) e o da República Islâmica do Irã (384.338). Entre os 20 principais escritórios, os maiores aumentos entre 2017 e 2018 foram nos escritórios de propriedade intelectual da Indonésia (+ 29,1%), China (+ 28,3%), Índia (+ 20,9%), República da Coréia (+ 14,5%) e Reino Unido (+ 12,4%).
Estes dados revelam que a Ásia está bem posicionada na evolução tecnológica e que nós do Brasil que estamos na Região do mundo (América Latina) de pouca evolução nos quesitos de propriedade intelectual, necessitamos aprender com os asiáticos como crescermos e evoluirmos em quesitos de tecnologia que possam transformar o país.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS