Usuários do Centro Pop protestam contra a guarda municipal

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
UM PESSOA FICOU FERIDA EM CENTRO QUE ATENDE POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA
UM PESSOA FICOU FERIDA EM CENTRO QUE ATENDE POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 23/10/2019 às 22:01:00

 

Uma confusão generalizada no Centro POP, na região central de Aracaju, resultou na manhã de ontem em um homem atingido por arma de fogo, bloqueio de rua e conflito entre moradores de rua e agentes da Guarda Municipal de Aracaju (GMA). O conflito teve início por volta das 6h40, antes de ser iniciado o fornecimento do café da manhã, quando um suspeito teria se deparado com um possível desafeto. Após protagonizar conflito verbal, o agressor se dirigiu até o prédio onde já funcionou a delegacia plantonista - hoje conhecida como 'invasão da Babilônia' - para pegar uma faca. Antes de retornar ao Centro POP o suspeito foi contido pelos agentes municipais.
Por avaliar a intervenção operacional como truculenta, apresentando força excessiva e sem necessidade, ocupantes da invasão, juntamente com moradores de rua que circulavam nas imediações do Centro POP, decidiram ocupar uma parte da rua Laranjeiras, próximo ao cruzamento com a avenida Pedro Calazans, onde bloquearam o fluxo de veículos e atearam fogo em pedaços de madeiras, pneus e restos de colchões. De acordo com Silveira Santos, apresentado como representante dos moradores, há meses alguns efetivos da Guarda Municipal tem agido com truculência contra os moradores. Para o crítico, bastava os agentes imobilizar o acusado, retira-lo de posse da arma branca, e, em seguida, encaminhar para uma delegacia.
Segundo Antônio Bittencourt, secretário da pasta social, a intensificação dos conflitos ocorreu após um grupo de moradores ter provocado de propósito a desordem pública, mediante a perspectiva de gerar dificuldades a ação da Guarda Municipal. A GMA, por sua vez, compartilhou com as alegações de Bittencourt. Uma viatura do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Sergipe foi encaminhada ao local para cessar com a barreira de fogo. Ainda de acordo com a corporação municipal, na tentativa de evitar a detenção, em meio ao conflito o suspeito voltou a invadir o prédio ocupado. Ao adentrar no espaço os agentes ouviram barulhos de disparos de arma de fogo. (Milton Alves Júnior)

Uma confusão generalizada no Centro POP, na região central de Aracaju, resultou na manhã de ontem em um homem atingido por arma de fogo, bloqueio de rua e conflito entre moradores de rua e agentes da Guarda Municipal de Aracaju (GMA). O conflito teve início por volta das 6h40, antes de ser iniciado o fornecimento do café da manhã, quando um suspeito teria se deparado com um possível desafeto. Após protagonizar conflito verbal, o agressor se dirigiu até o prédio onde já funcionou a delegacia plantonista - hoje conhecida como 'invasão da Babilônia' - para pegar uma faca. Antes de retornar ao Centro POP o suspeito foi contido pelos agentes municipais.
Por avaliar a intervenção operacional como truculenta, apresentando força excessiva e sem necessidade, ocupantes da invasão, juntamente com moradores de rua que circulavam nas imediações do Centro POP, decidiram ocupar uma parte da rua Laranjeiras, próximo ao cruzamento com a avenida Pedro Calazans, onde bloquearam o fluxo de veículos e atearam fogo em pedaços de madeiras, pneus e restos de colchões. De acordo com Silveira Santos, apresentado como representante dos moradores, há meses alguns efetivos da Guarda Municipal tem agido com truculência contra os moradores. Para o crítico, bastava os agentes imobilizar o acusado, retira-lo de posse da arma branca, e, em seguida, encaminhar para uma delegacia.
Segundo Antônio Bittencourt, secretário da pasta social, a intensificação dos conflitos ocorreu após um grupo de moradores ter provocado de propósito a desordem pública, mediante a perspectiva de gerar dificuldades a ação da Guarda Municipal. A GMA, por sua vez, compartilhou com as alegações de Bittencourt. Uma viatura do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Sergipe foi encaminhada ao local para cessar com a barreira de fogo. Ainda de acordo com a corporação municipal, na tentativa de evitar a detenção, em meio ao conflito o suspeito voltou a invadir o prédio ocupado. Ao adentrar no espaço os agentes ouviram barulhos de disparos de arma de fogo. (Milton Alves Júnior)