Gabinete de Crise do Governo se reúne para tratar de recursos vindos da União

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Membros do Gabinete de Crise durante reunião com a Defesa Civil Nacional
Membros do Gabinete de Crise durante reunião com a Defesa Civil Nacional

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 22/10/2019 às 22:40:00

 

Na manhã desta terça-
feira (22), técnicos da 
Defesa Civil Nacional se reuniram com o Secretário do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade, Ubirajara Barreto, e uma equipe da Defesa Civil Estadual, a fim de delimitar as ações a serem desenvolvidas na costa sergipana, em razão da substância oleosa que atingiu toda a faixa litorânea. 
De acordo com o coordenador Geral de Restabelecimento de Serviços Essenciais da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, Magno Gonçalves da Costa, a vinda a Sergipe tem como principal objetivo atender ao Decreto de Emergência expedido pelo Executivo Estadual. "Analisamos a solicitação de recursos por parte do Governo do Estado e fizemos a liberação de uma primeira parcela destes recursos para que os trabalhos de respostas de desastres pudessem ser iniciados. Viemos a Sergipe para ver qual é a situação real e se há necessidade de complementação desses recursos, pelo menos por enquanto. Ficaremos aqui até a próxima sexta-feira (25), e, além de mantermos uma conversa com o Estado para que possamos acompanhar o grupo de trabalho e a execução dos serviços, vermos o que está funcionando e como poderemos contribuir nas ações", declarou.
Magno Costa especifica a ajuda do Governo Federal. "O Estado receberá R$ 2,5 milhões que serão aplicados de acordo com as necessidades pontuais. Além disso, serão formadas sete equipes, cada uma com 10 profissionais, das quais quatro delas serão específicas para apoio: limpeza, suporte, proteção do estuário, medidas de contenção, monitoramento e instalação de barreiras, além da distribuição de 500 kits de limpeza, contendo luvas, óculos, sacos plásticos e big's bags", detalha.
Segundo o secretário Estadual do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade, Ubirajara Barreto, o apoio do Governo Federal será crucial para minimizar o problema. "As barreiras de contenção contribuíram significativamente para que a substância não se espalhasse ainda mais. Faremos as primeiras tratativas e acompanharemos os profissionais nas visitas in loco a algumas áreas atingidas aqui na capital e só então executaremos novas ações", explica.
Para o diretor da Defesa Civil Estadual, Cel. Alexandre José Silva, as ações serão aplicadas tão logo sejam alinhadas. "Com a liberação dos recursos por parte do Governo Federal, as adequações serão feitas à medida em que detectarmos às necessidades. Contrataremos as empresas especializadas para a execução dos serviços e assim daremos uma resposta e restabelecimento da normalidade", afirma.

Na manhã desta terça- feira (22), técnicos da  Defesa Civil Nacional se reuniram com o Secretário do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade, Ubirajara Barreto, e uma equipe da Defesa Civil Estadual, a fim de delimitar as ações a serem desenvolvidas na costa sergipana, em razão da substância oleosa que atingiu toda a faixa litorânea. 
De acordo com o coordenador Geral de Restabelecimento de Serviços Essenciais da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, Magno Gonçalves da Costa, a vinda a Sergipe tem como principal objetivo atender ao Decreto de Emergência expedido pelo Executivo Estadual. "Analisamos a solicitação de recursos por parte do Governo do Estado e fizemos a liberação de uma primeira parcela destes recursos para que os trabalhos de respostas de desastres pudessem ser iniciados. Viemos a Sergipe para ver qual é a situação real e se há necessidade de complementação desses recursos, pelo menos por enquanto. Ficaremos aqui até a próxima sexta-feira (25), e, além de mantermos uma conversa com o Estado para que possamos acompanhar o grupo de trabalho e a execução dos serviços, vermos o que está funcionando e como poderemos contribuir nas ações", declarou.
Magno Costa especifica a ajuda do Governo Federal. "O Estado receberá R$ 2,5 milhões que serão aplicados de acordo com as necessidades pontuais. Além disso, serão formadas sete equipes, cada uma com 10 profissionais, das quais quatro delas serão específicas para apoio: limpeza, suporte, proteção do estuário, medidas de contenção, monitoramento e instalação de barreiras, além da distribuição de 500 kits de limpeza, contendo luvas, óculos, sacos plásticos e big's bags", detalha.
Segundo o secretário Estadual do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade, Ubirajara Barreto, o apoio do Governo Federal será crucial para minimizar o problema. "As barreiras de contenção contribuíram significativamente para que a substância não se espalhasse ainda mais. Faremos as primeiras tratativas e acompanharemos os profissionais nas visitas in loco a algumas áreas atingidas aqui na capital e só então executaremos novas ações", explica.
Para o diretor da Defesa Civil Estadual, Cel. Alexandre José Silva, as ações serão aplicadas tão logo sejam alinhadas. "Com a liberação dos recursos por parte do Governo Federal, as adequações serão feitas à medida em que detectarmos às necessidades. Contrataremos as empresas especializadas para a execução dos serviços e assim daremos uma resposta e restabelecimento da normalidade", afirma.