Instituto Banese promove seminário em homenagem ao dia da Sergipanidade

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/10/2019 às 22:38:00

 

Em celebração ao orgulho 
de ser sergipano e como 
forma de enaltecer as manifestações culturais e artísticas locais, o Instituto Banese, através do Museu da Gente Sergipana Gov. Marcelo Déda, e em parceria com a Universidade Federal de Sergipe, realiza nesta quinta-feira (24), o II Seminário Sergipanidade. O evento contará com palestras, apresentação musical, exibição de documentários e um café da manhã tipicamente sergipano.
Se a verdadeira identidade de um povo está em sua cultura, um dos lugares que mais fazem referência a nossa sergipanidade é o Museu da Gente Sergipana. A valorização da cultura local e a sensação de pertencimento são motes de trabalho diário na instituição. Dessa forma, o museu preparou para a manhã do dia 24 uma programação mais que especial que celebra a nossa gente e toda sua identidade. A abertura do seminário contará com um saboroso café da manhã sergipano acompanhado do grupo Pífano de Pife e, logo após, a programação segue com palestras que abordarão temáticas como 'O que é Sergipanidade', 'As Taieiras de Sergipe' e 'Festa do mastro no município de Capela', além da exibição de documentários sobre os referidos temas.
O II Seminário da Sergipanidade é gratuito e acontecerá das 08h30 às 12h30 no átrio e auditório do Museu da Gente Sergipana. Para mais informações, entrar em contato com o Instituto Banese através do telefone (79) 3218-1551.
Dia da Sergipanidade  - Dia 24 de outubro, dia da Sergipanidade. Data que marca o orgulho de um povo pela sua terra, por seus valores e por sua cultura. Apesar de historicamente a data se confundir com o 8 de julho de 1820 (data da Carta Régia que desanexou o território sergipano da Bahia), foi no dia 24 de outubro de 1824 que o documento chegou a Sergipe e só assim a sociedade sergipana pode comemorar, de fato, a independência de sua província.
Mais precisamente no governo do brigadeiro Manoel Fernandes da Silveira que Sergipe emancipou-se. Desde a data de promulgação do decreto de emancipação, até efetivamente Sergipe chegar à independência, foram quatro anos de enfrentamento entre os partidários. 

Em celebração ao orgulho  de ser sergipano e como  forma de enaltecer as manifestações culturais e artísticas locais, o Instituto Banese, através do Museu da Gente Sergipana Gov. Marcelo Déda, e em parceria com a Universidade Federal de Sergipe, realiza nesta quinta-feira (24), o II Seminário Sergipanidade. O evento contará com palestras, apresentação musical, exibição de documentários e um café da manhã tipicamente sergipano.
Se a verdadeira identidade de um povo está em sua cultura, um dos lugares que mais fazem referência a nossa sergipanidade é o Museu da Gente Sergipana. A valorização da cultura local e a sensação de pertencimento são motes de trabalho diário na instituição. Dessa forma, o museu preparou para a manhã do dia 24 uma programação mais que especial que celebra a nossa gente e toda sua identidade. A abertura do seminário contará com um saboroso café da manhã sergipano acompanhado do grupo Pífano de Pife e, logo após, a programação segue com palestras que abordarão temáticas como 'O que é Sergipanidade', 'As Taieiras de Sergipe' e 'Festa do mastro no município de Capela', além da exibição de documentários sobre os referidos temas.
O II Seminário da Sergipanidade é gratuito e acontecerá das 08h30 às 12h30 no átrio e auditório do Museu da Gente Sergipana. Para mais informações, entrar em contato com o Instituto Banese através do telefone (79) 3218-1551.

Dia da Sergipanidade  - Dia 24 de outubro, dia da Sergipanidade. Data que marca o orgulho de um povo pela sua terra, por seus valores e por sua cultura. Apesar de historicamente a data se confundir com o 8 de julho de 1820 (data da Carta Régia que desanexou o território sergipano da Bahia), foi no dia 24 de outubro de 1824 que o documento chegou a Sergipe e só assim a sociedade sergipana pode comemorar, de fato, a independência de sua província.
Mais precisamente no governo do brigadeiro Manoel Fernandes da Silveira que Sergipe emancipou-se. Desde a data de promulgação do decreto de emancipação, até efetivamente Sergipe chegar à independência, foram quatro anos de enfrentamento entre os partidários.