Atuação da Prefeitura em parceria com outros órgãos impede propagação de óleo no litoral sergipano

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
NO TRABALHO DE LIMPEZA DAS PRAIAS, PREFEITURA DE ARACAJU ESTÁ UTILIZANDO DRONES PARA FACILITAR A LOCALIZAÇÃO DE NOVAS MANCHAS DE ÓLEO
NO TRABALHO DE LIMPEZA DAS PRAIAS, PREFEITURA DE ARACAJU ESTÁ UTILIZANDO DRONES PARA FACILITAR A LOCALIZAÇÃO DE NOVAS MANCHAS DE ÓLEO

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 21/10/2019 às 13:12:00

 

Após o aparecimento de manchas de óleo na costa litorânea do Nordeste, a Prefeitura de Aracaju, por intermédio de secretarias e órgãos municipais, junto a órgãos do Governo de Sergipe e do Governo Federal, integrou uma operação especial em torno de três eixos de operação: limpeza de praias, monitoramento dos riscos de aparecimento de novas manchas e conscientização ambiental para informar à população local e turistas os riscos do contato com o óleo.
 Nesse sentido, as secretarias municipais do Meio Ambiente (Sema) e da Cidadania e Defesa Social (Semdec), a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), a Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), a Marinha do Brasil, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Defesa Civil e a Petrobras, têm atuado diariamente para monitorar toda a faixa litorânea de Sergipe, gerar e avaliar relatórios da situação do dia e conter os avanços das manchas de óleo.
"Quando as manchas de óleo chegaram ao litoral de Aracaju, o prefeito Edvaldo Nogueira determinou que as equipes da Sema, da Emsurb e os demais órgãos municipais competentes atuassem de forma imediata para conter os prejuízos ambientais e garantir a segurança das pessoas. Após o primeiro monitoramento que fizemos constatamos que a primeira providência a ser tomada era a limpeza de praias", explica o secretário do Meio Ambiente, Alan Lemos.
Desde o início de identificação deste acidente ambiental, duas equipes da Sema e da Emsurb, com cerca de 30 pessoas, percorrem as praias de Aracaju realizando a sua limpeza e orientando os turistas para que evitem o banho de mar e o contato com o óleo - petróleo cru que, segundo a Petrobras, ainda não se sabe qual a sua composição.
"Verificamos que alguns visitantes não estão informados e desconhecem o perigo de entrar no mar. Não sabemos quais substâncias compõem esse óleo, pois ele é denso e fixa na pele com muita intensidade podendo causar reações alérgicas graves. Por isso escalamos um grupo de agentes para reforçar a conscientização ambiental", pontua o secretário.
Mas, além do trabalho terrestre, a utilização de drones na região litorânea de Sergipe também contribuiu para garantir a proteção de rios e evitar maior propagação de óleo pelo mar.
Estão sendo utilizados dois drones para monitoramento aéreo da faixa praieira de Sergipe: um da Defesa Civil e outro da Sema. O objetivo dos sobrevoos é detectar manchas de óleo e para conter o avanço destas no mar. Devido à essa ação, a Sema identificou uma mancha de óleo no litoral da Barra dos Coqueiros e conseguiu contê-la e evitou que se espalhasse.
As ações de contenção para evitar que as manchas cheguem aos rios Vaza-Barris e Sergipe contribuem para a redução de danos a esses cursos d'água. "Na foz do Rio Vaza-Barris não há risco extremo de contaminação por óleo. Existem, no entanto, pequenas manchas, porém pouco significativas e sem riscos. No caso do Rio Sergipe, fizemos uma contenção e poucas manchas de óleo surgiram", explica o secretário de Meio Ambiente.
Segundo Alan Lemos, por meio da Sema, a Prefeitura de Aracaju requisitou à Marinha do Brasil embarcações para realizar o monitoramento do mar nas direções Norte/Sul, sentidos de propagação do óleo. Além disso, roupas de mergulho adequadas a essas situações foram solicitadas ao Ibama e à Petrobras para o monitoramento mais próximo do petróleo. O objetivo é manter a situação sob controle e tranquilizar a população aracajuana e sergipana, e os turistas que visitam Aracaju.
"Temos uma emergência ambiental, mas o importante é como nós agimos em relação a ela, como administramos os recursos técnicos e assim enfrentarmos o problema de forma transparente mantendo a população em geral, inclusive turistas, informados. Além, disso importante que a população saiba que essas ações vão permanecer enquanto for necessário, foi essa a determinação do prefeito Edvaldo Nogueira", garante o secretário do Meio Ambiente, Alan Lemos.

Após o aparecimento de manchas de óleo na costa litorânea do Nordeste, a Prefeitura de Aracaju, por intermédio de secretarias e órgãos municipais, junto a órgãos do Governo de Sergipe e do Governo Federal, integrou uma operação especial em torno de três eixos de operação: limpeza de praias, monitoramento dos riscos de aparecimento de novas manchas e conscientização ambiental para informar à população local e turistas os riscos do contato com o óleo.
 Nesse sentido, as secretarias municipais do Meio Ambiente (Sema) e da Cidadania e Defesa Social (Semdec), a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), a Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), a Marinha do Brasil, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Defesa Civil e a Petrobras, têm atuado diariamente para monitorar toda a faixa litorânea de Sergipe, gerar e avaliar relatórios da situação do dia e conter os avanços das manchas de óleo.
"Quando as manchas de óleo chegaram ao litoral de Aracaju, o prefeito Edvaldo Nogueira determinou que as equipes da Sema, da Emsurb e os demais órgãos municipais competentes atuassem de forma imediata para conter os prejuízos ambientais e garantir a segurança das pessoas. Após o primeiro monitoramento que fizemos constatamos que a primeira providência a ser tomada era a limpeza de praias", explica o secretário do Meio Ambiente, Alan Lemos.
Desde o início de identificação deste acidente ambiental, duas equipes da Sema e da Emsurb, com cerca de 30 pessoas, percorrem as praias de Aracaju realizando a sua limpeza e orientando os turistas para que evitem o banho de mar e o contato com o óleo - petróleo cru que, segundo a Petrobras, ainda não se sabe qual a sua composição.
"Verificamos que alguns visitantes não estão informados e desconhecem o perigo de entrar no mar. Não sabemos quais substâncias compõem esse óleo, pois ele é denso e fixa na pele com muita intensidade podendo causar reações alérgicas graves. Por isso escalamos um grupo de agentes para reforçar a conscientização ambiental", pontua o secretário.
Mas, além do trabalho terrestre, a utilização de drones na região litorânea de Sergipe também contribuiu para garantir a proteção de rios e evitar maior propagação de óleo pelo mar.
Estão sendo utilizados dois drones para monitoramento aéreo da faixa praieira de Sergipe: um da Defesa Civil e outro da Sema. O objetivo dos sobrevoos é detectar manchas de óleo e para conter o avanço destas no mar. Devido à essa ação, a Sema identificou uma mancha de óleo no litoral da Barra dos Coqueiros e conseguiu contê-la e evitou que se espalhasse.
As ações de contenção para evitar que as manchas cheguem aos rios Vaza-Barris e Sergipe contribuem para a redução de danos a esses cursos d'água. "Na foz do Rio Vaza-Barris não há risco extremo de contaminação por óleo. Existem, no entanto, pequenas manchas, porém pouco significativas e sem riscos. No caso do Rio Sergipe, fizemos uma contenção e poucas manchas de óleo surgiram", explica o secretário de Meio Ambiente.
Segundo Alan Lemos, por meio da Sema, a Prefeitura de Aracaju requisitou à Marinha do Brasil embarcações para realizar o monitoramento do mar nas direções Norte/Sul, sentidos de propagação do óleo. Além disso, roupas de mergulho adequadas a essas situações foram solicitadas ao Ibama e à Petrobras para o monitoramento mais próximo do petróleo. O objetivo é manter a situação sob controle e tranquilizar a população aracajuana e sergipana, e os turistas que visitam Aracaju.
"Temos uma emergência ambiental, mas o importante é como nós agimos em relação a ela, como administramos os recursos técnicos e assim enfrentarmos o problema de forma transparente mantendo a população em geral, inclusive turistas, informados. Além, disso importante que a população saiba que essas ações vão permanecer enquanto for necessário, foi essa a determinação do prefeito Edvaldo Nogueira", garante o secretário do Meio Ambiente, Alan Lemos.