Duda carimba passaporte para Tóquio

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A sergipana Duda Lisboa garantiu presença no vôlei de praia dos Jogos de Tóquio-2020
A sergipana Duda Lisboa garantiu presença no vôlei de praia dos Jogos de Tóquio-2020

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 16/10/2019 às 23:35:00

 

A profecia se confir
mou. Quem acom
panha a trajetória desse fenômeno no voleibol de praia sabia que mais cedo ou mais tarde, Duda chegaria a uma Olimpíada. E chegou para delírio do presidente da Federação Sergipana de Voleibol (FSV), Gualter Prudente, que sempre foi um entusiasta e incentivador da jovem atleta, da sua mãe a ex-atleta Cida Lisboa e de todos nós sergipanos, principalmente daqueles que viram Duda dar os primeiros passos no voleibol de quadra, depois migrando para a praia.
Foi na praia que Duda fez o seu nome para o mundo, desde o primeiro título mundial conquistado em Aracaju entre tantos outros até se profissionalizar e se transformar no maior fenômeno que o vôlei de praia brasileiro teve nos últimos anos. Os sergipanos agora mais do que nunca, tem motivos para torcer pelo vôlei de praia do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio. A sergipana Duda Mendonça carimbou o passaporte para Tóquio 2020.
A dupla comemora a conquista, publicando vídeo nas redes sociais. Na página oficial da dupla em uma rede social, Duda e Ágatha repercutiram o resultado. "Foram três anos de muito trabalho em busca de um objetivo traçado lá no início de 2017. Estar nos Jogos Olímpicos de Tóquio era a grande motivação que nos fazia enfrentar sol, chuva, calor, vento, cansaço e superar todas as dificuldades. A notícia da confirmação da vaga nas olimpíadas do ano que vem é uma recompensa e traz a certeza de que todas as renúncias valeram a pena. Daqui a nove meses, estaremos fazendo o que mais amamos, representando nosso país na maior competição do planeta com muita alegria e responsabilidade".
Confirmada - A Federação Internacional de Voleibol (FIVB), divulgou nesta quarta-feira (16) o calendário do Circuito Mundial 2019/2020, definindo assim as duplas que representarão o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020. No naipe masculino, Alison/Álvaro Filho (ES/PB) e Evandro/Bruno Schmidt (RJ/DF) não podem mais ser alcançados pelos demais times, garantidos matematicamente, mesma situação de Ágatha/Duda (PR/SE) e Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE) no naipe feminino.
As duplas líderes da corrida olímpica atenderão a imprensa em entrevista coletiva no próximo dia 29 de outubro, na sede da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), na Barra da Tijuca, zona Oeste do Rio de Janeiro (RJ). Os atletas e comissões técnicas darão detalhes do planejamento e programação de competições até os Jogos Olímpicos, além de revelarem a expectativa para a disputa do evento.
A corrida olímpica brasileira, que definiu os representantes em Tóquio, foi iniciada em fevereiro deste ano, levando em conta os pontos obtidos nas etapas quatro e cinco estrelas do Circuito Mundial, além do Campeonato Mundial, com pesos correspondentes. Os times tiveram a possibilidade de descartar as pontuações mais baixas, somando os 10 melhores resultados obtidos durante a temporada.
O time feminino, Ágatha/Duda alcançou 6.320 pontos, enquanto a dupla Ana Patrícia/Rebecca ficou com a segunda vaga, somando 6.150 pontos na média das 10 melhores participações. A corrida olímpica interna das duplas brasileiras acontece em paralelo à disputa da vaga do país, que segue as regras da Federação Internacional de Voleibol (FIVB). Cada nação pode ser representada por, no máximo, duas duplas em cada naipe.
Estreantes e experientes - A lista brasileira terá quatro atletas estreantes e outros quatro que já disputaram ao menos uma edição dos Jogos Olímpicos. Álvaro Filho, Ana Patrícia, Duda e Rebecca terão em Tóquio a primeira experiência na principal competição esportiva do planeta.

A profecia se confir mou. Quem acom panha a trajetória desse fenômeno no voleibol de praia sabia que mais cedo ou mais tarde, Duda chegaria a uma Olimpíada. E chegou para delírio do presidente da Federação Sergipana de Voleibol (FSV), Gualter Prudente, que sempre foi um entusiasta e incentivador da jovem atleta, da sua mãe a ex-atleta Cida Lisboa e de todos nós sergipanos, principalmente daqueles que viram Duda dar os primeiros passos no voleibol de quadra, depois migrando para a praia.
Foi na praia que Duda fez o seu nome para o mundo, desde o primeiro título mundial conquistado em Aracaju entre tantos outros até se profissionalizar e se transformar no maior fenômeno que o vôlei de praia brasileiro teve nos últimos anos. Os sergipanos agora mais do que nunca, tem motivos para torcer pelo vôlei de praia do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio. A sergipana Duda Mendonça carimbou o passaporte para Tóquio 2020.
A dupla comemora a conquista, publicando vídeo nas redes sociais. Na página oficial da dupla em uma rede social, Duda e Ágatha repercutiram o resultado. "Foram três anos de muito trabalho em busca de um objetivo traçado lá no início de 2017. Estar nos Jogos Olímpicos de Tóquio era a grande motivação que nos fazia enfrentar sol, chuva, calor, vento, cansaço e superar todas as dificuldades. A notícia da confirmação da vaga nas olimpíadas do ano que vem é uma recompensa e traz a certeza de que todas as renúncias valeram a pena. Daqui a nove meses, estaremos fazendo o que mais amamos, representando nosso país na maior competição do planeta com muita alegria e responsabilidade".

Confirmada - A Federação Internacional de Voleibol (FIVB), divulgou nesta quarta-feira (16) o calendário do Circuito Mundial 2019/2020, definindo assim as duplas que representarão o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020. No naipe masculino, Alison/Álvaro Filho (ES/PB) e Evandro/Bruno Schmidt (RJ/DF) não podem mais ser alcançados pelos demais times, garantidos matematicamente, mesma situação de Ágatha/Duda (PR/SE) e Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE) no naipe feminino.
As duplas líderes da corrida olímpica atenderão a imprensa em entrevista coletiva no próximo dia 29 de outubro, na sede da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), na Barra da Tijuca, zona Oeste do Rio de Janeiro (RJ). Os atletas e comissões técnicas darão detalhes do planejamento e programação de competições até os Jogos Olímpicos, além de revelarem a expectativa para a disputa do evento.
A corrida olímpica brasileira, que definiu os representantes em Tóquio, foi iniciada em fevereiro deste ano, levando em conta os pontos obtidos nas etapas quatro e cinco estrelas do Circuito Mundial, além do Campeonato Mundial, com pesos correspondentes. Os times tiveram a possibilidade de descartar as pontuações mais baixas, somando os 10 melhores resultados obtidos durante a temporada.
O time feminino, Ágatha/Duda alcançou 6.320 pontos, enquanto a dupla Ana Patrícia/Rebecca ficou com a segunda vaga, somando 6.150 pontos na média das 10 melhores participações. A corrida olímpica interna das duplas brasileiras acontece em paralelo à disputa da vaga do país, que segue as regras da Federação Internacional de Voleibol (FIVB). Cada nação pode ser representada por, no máximo, duas duplas em cada naipe.
Estreantes e experientes - A lista brasileira terá quatro atletas estreantes e outros quatro que já disputaram ao menos uma edição dos Jogos Olímpicos. Álvaro Filho, Ana Patrícia, Duda e Rebecca terão em Tóquio a primeira experiência na principal competição esportiva do planeta.