Governador participa da Festa de Canonização de Irmã Dulce em São Cristóvão

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Aspecto da cerimônia realizada em São Cristóvão
Aspecto da cerimônia realizada em São Cristóvão

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 14/10/2019 às 22:22:00

 

O governador Beli-
valdo Chagas par-
ticipou, na tarde deste domingo (13), da Festa de Canonização de Irmã Dulce, no município de São Cristóvão (SE), na Grande Aracaju. 
O encerramento do evento contou com a realização de uma missa presidida pelo Arcebispo Dom João José Costa, na Igreja do Carmo, às 17 horas.
Para Belivaldo, o momento é de gratidão e reconhecimento do trabalho realizado pela Irmã Dulce em Sergipe e por todos os demais lugares por onde ela passou. "Tenho um prazer de estar aqui em São Cristóvão assistindo essa primeira missa após a canonização de Irmã Dulce. Exatamente em São Cristóvão onde ela escolheu, a partir daqui ser freira, tornar-se freira, e dedicar-se, portanto, a toda essa vida que ela levou" ressaltou.
Em São Cristóvão, onde Irmã Dulce viveu por um tempo, as comemorações foram iniciadas no dia 10, quando começou o Tríduo Preparatório na Igreja do Carmo, seguido pela Vigília na Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, no dia 12; e pela transmissão da Missa de Canonização às 5h deste domingo (13).
Irmã Dulce, que agora passa a ser chamada de Santa Dulce dos Pobres, foi canonizada no início do dia em cerimônia realizada na Itália, pelo Papa Francisco, se tornando a primeira santa brasileira e nascida do país.
Roteiro Religioso - Ao final da missa festiva, Belivaldo Chagas, lado do prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira; do prefeito de São Cristóvão, Marcos Santana; e do senador Rogério Carvalho, participou do anúncio oficial da criação do caminho de peregrinação da Irmã Dulce entre Aracaju e São Cristóvão.
A ideia é possibilitar uma via entre Aracaju, primeira cidade do país a ter uma paróquia que leva o nome da freira, localizada no bairro 17 de Março, e São Cristóvão, onde Dulce iniciou sua vida religiosa, passando pelo Santa Maria, em Aracaju, pelos povoados Caípe Novo e Candeal, em São Cristóvão, chegando à Igreja do Carmo, em São Cristóvão.
"Vamos concretizar em conjunto, em parceria, esse caminho de peregrinação, criar este roteiro importante do ponto de vista religioso econômico e para homenagear este importante símbolo de fé e bondade. Também pretendemos revitalizar a Rodovia João Bebe Água, outro importante acesso à cidade", destacou Belivaldo. Para isso, o senador Rogério Carvalho colocou à disposição as emendas parlamentares do seu mandato.
O prefeito de São Cristóvão também falou sobre a importância do projeto, que deverá ser entregue até o dia 13 de agosto de 2020, data oficial das comemorações pela canonização de Irmã Dulce.
"É um momento de muita alegria para nós de São Cristóvão, do Brasil e do mundo. Além de comemorar a canonização, concretizarmos essa ideia do caminho de Santa Dulce dos Pobres, de Aracaju até São Cristóvão. Será uma rota pavimentada, sinalizada no que diz respeito ao roteiro religioso, que sairá do Santa Maria até a Igreja do Carmo, onde Irmã Dulce iniciou seu caminho de fé", explicou Marcos Santana.
História - Irmã Dulce é a primeira mulher nascida no Brasil a ser canonizada. Dulce, cujo nome de batismo foi Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, nasceu em Salvador em 26 de maio de 1914. Ela ingressou, em 1933, na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, no Convento de Nossa Senhora do Carmo, em São Cristóvão.
No mesmo ano, recebeu o hábito e adotou o nome de Irmã Dulce em homenagem à sua mãe, que se chamava Dulce Maria e morreu quando a freira tinha 7 anos.
Após a canonização Irmã Dulce passará a ser invocada por Santa Dulce dos Pobres. Trata-se da primeira santa brasileira desta época. O processo de canonização de Irmã Dulce foi o terceiro mais rápido da Igreja Católica.

O governador Beli- valdo Chagas par- ticipou, na tarde deste domingo (13), da Festa de Canonização de Irmã Dulce, no município de São Cristóvão (SE), na Grande Aracaju. 
O encerramento do evento contou com a realização de uma missa presidida pelo Arcebispo Dom João José Costa, na Igreja do Carmo, às 17 horas.
Para Belivaldo, o momento é de gratidão e reconhecimento do trabalho realizado pela Irmã Dulce em Sergipe e por todos os demais lugares por onde ela passou. "Tenho um prazer de estar aqui em São Cristóvão assistindo essa primeira missa após a canonização de Irmã Dulce. Exatamente em São Cristóvão onde ela escolheu, a partir daqui ser freira, tornar-se freira, e dedicar-se, portanto, a toda essa vida que ela levou" ressaltou.
Em São Cristóvão, onde Irmã Dulce viveu por um tempo, as comemorações foram iniciadas no dia 10, quando começou o Tríduo Preparatório na Igreja do Carmo, seguido pela Vigília na Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, no dia 12; e pela transmissão da Missa de Canonização às 5h deste domingo (13).
Irmã Dulce, que agora passa a ser chamada de Santa Dulce dos Pobres, foi canonizada no início do dia em cerimônia realizada na Itália, pelo Papa Francisco, se tornando a primeira santa brasileira e nascida do país.

Roteiro Religioso - Ao final da missa festiva, Belivaldo Chagas, lado do prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira; do prefeito de São Cristóvão, Marcos Santana; e do senador Rogério Carvalho, participou do anúncio oficial da criação do caminho de peregrinação da Irmã Dulce entre Aracaju e São Cristóvão.
A ideia é possibilitar uma via entre Aracaju, primeira cidade do país a ter uma paróquia que leva o nome da freira, localizada no bairro 17 de Março, e São Cristóvão, onde Dulce iniciou sua vida religiosa, passando pelo Santa Maria, em Aracaju, pelos povoados Caípe Novo e Candeal, em São Cristóvão, chegando à Igreja do Carmo, em São Cristóvão.
"Vamos concretizar em conjunto, em parceria, esse caminho de peregrinação, criar este roteiro importante do ponto de vista religioso econômico e para homenagear este importante símbolo de fé e bondade. Também pretendemos revitalizar a Rodovia João Bebe Água, outro importante acesso à cidade", destacou Belivaldo. Para isso, o senador Rogério Carvalho colocou à disposição as emendas parlamentares do seu mandato.
O prefeito de São Cristóvão também falou sobre a importância do projeto, que deverá ser entregue até o dia 13 de agosto de 2020, data oficial das comemorações pela canonização de Irmã Dulce.
"É um momento de muita alegria para nós de São Cristóvão, do Brasil e do mundo. Além de comemorar a canonização, concretizarmos essa ideia do caminho de Santa Dulce dos Pobres, de Aracaju até São Cristóvão. Será uma rota pavimentada, sinalizada no que diz respeito ao roteiro religioso, que sairá do Santa Maria até a Igreja do Carmo, onde Irmã Dulce iniciou seu caminho de fé", explicou Marcos Santana.

História - Irmã Dulce é a primeira mulher nascida no Brasil a ser canonizada. Dulce, cujo nome de batismo foi Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, nasceu em Salvador em 26 de maio de 1914. Ela ingressou, em 1933, na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, no Convento de Nossa Senhora do Carmo, em São Cristóvão.
No mesmo ano, recebeu o hábito e adotou o nome de Irmã Dulce em homenagem à sua mãe, que se chamava Dulce Maria e morreu quando a freira tinha 7 anos.
Após a canonização Irmã Dulce passará a ser invocada por Santa Dulce dos Pobres. Trata-se da primeira santa brasileira desta época. O processo de canonização de Irmã Dulce foi o terceiro mais rápido da Igreja Católica.