Um ano para esquecer

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Em entrevista à rádio Aparecida FM, o vice-presidente do MDB, Sérgio Reis, propôs isenção total do pagamento das taxas cobradas pela Prefeitura de Lagarto aos mototaxistas do município, após os profissionais solicitarem seu apoio junto aos vereadores.
Em entrevista à rádio Aparecida FM, o vice-presidente do MDB, Sérgio Reis, propôs isenção total do pagamento das taxas cobradas pela Prefeitura de Lagarto aos mototaxistas do município, após os profissionais solicitarem seu apoio junto aos vereadores.

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 04/10/2019 às 09:39:00

 

Passados 12 meses das eleições 2018, o 
quadro político em Sergipe segue mor
no, sem uma definição clara de quem é quem. Oposição mesmo só a adotada pelos quatro deputados estaduais do chamado 'G4' na Assembleia Legislativa, mas com uma atuação confusa e atabalhoada.
Nesse período, quem vem dando as cartas é a Justiça Eleitoral, que vem atuando com uma agilidade nunca vista, a ponto de já ter determinado a cassação de deputados e da própria chapa do governador eleito Belivaldo Chagas e da vice-governadora Eliane Aquino. Os recursos do governador serão julgados nos próximos dias 10 (o impedimento do presidente do TRE, desembargador José dos Anjos, cujo filho atua no escritório de advocacia que fez a representação contra Belivaldo, em nome de Valadares Filho) e no dia 15 (os embargos declaratórios e infrigentes).
Caso o TRE mantenha a cassação da chapa de Belivaldo, a expectativa é de que se crie uma nova oposição no Estado, já que passa a existir concretamente a possibilidade da realização de uma nova eleição para a disputa do governo do Estado, a exemplo do que já vem ocorrendo em alguns municípios sergipanos cujos eleitos em 2016 foram cassados.
Um ano depois de reeleito, Belivaldo mantém o discurso de crise, continua pagando os salários dos servidores em duas etapas - no dia 30 recebem todos os servidores ativos e inativos que ganham até R$ 3 mil e no dia 12 os demais servidores. Atrasa o pagamento de fornecedores e prestadores de serviços e vê o desmonte da estrutura da Petrobras no Estado.
O senador Alessandro Vieira, campeão de votos e grande surpresa das eleições de 2018, faz um mandato restrito a CPI da Lava Toga, com o objetivo de investigar ministros dos tribunais superiores, ao mesmo tempo em que apoia tudo de ruim que é proposto pelo governo Bolsonaro, a exemplo da reforma da Previdência. Rogério Carvalho, o outro senador eleito, cumpre o que prometeu e segue um mandato ao lado dos movimentos sociais e o discurso de 'Lula livre'.
Governador, senadores e os deputados federais mostram que o estado de Sergipe sente a falta de uma liderança forte para atrair recursos do governo federal, a exemplo do que ocorreu nos dois anos do Governo Temer com o ex-deputado federal André Moura. Nenhum parlamentar do estado exerce influência junto a Bolsonaro ou a qualquer ministério, a ponto de ainda não terem conseguido, sequer, a nomeação dos dirigentes dos órgãos federais no estado.
Deputados estaduais agem de forma moderada e não criam qualquer dificuldade para o governo. Muitos se preocupam apenas com a possibilidade de abertura de uma janela partidária para que possam trocar de partido e se posicionar melhor nas eleições municipais do próximo ano.
Doze meses depois e eleitos, deputados estaduais e federais, senadores e o governador Belivaldo Chagas seguem o mesmo ritmo adotado no período pré-eleitoral. Ninguém se destaca e se fosse realizada uma nova eleição neste momento pouca coisa mudaria no estado.

Passados 12 meses das eleições 2018, o  quadro político em Sergipe segue mor no, sem uma definição clara de quem é quem. Oposição mesmo só a adotada pelos quatro deputados estaduais do chamado 'G4' na Assembleia Legislativa, mas com uma atuação confusa e atabalhoada.
Nesse período, quem vem dando as cartas é a Justiça Eleitoral, que vem atuando com uma agilidade nunca vista, a ponto de já ter determinado a cassação de deputados e da própria chapa do governador eleito Belivaldo Chagas e da vice-governadora Eliane Aquino. Os recursos do governador serão julgados nos próximos dias 10 (o impedimento do presidente do TRE, desembargador José dos Anjos, cujo filho atua no escritório de advocacia que fez a representação contra Belivaldo, em nome de Valadares Filho) e no dia 15 (os embargos declaratórios e infrigentes).
Caso o TRE mantenha a cassação da chapa de Belivaldo, a expectativa é de que se crie uma nova oposição no Estado, já que passa a existir concretamente a possibilidade da realização de uma nova eleição para a disputa do governo do Estado, a exemplo do que já vem ocorrendo em alguns municípios sergipanos cujos eleitos em 2016 foram cassados.
Um ano depois de reeleito, Belivaldo mantém o discurso de crise, continua pagando os salários dos servidores em duas etapas - no dia 30 recebem todos os servidores ativos e inativos que ganham até R$ 3 mil e no dia 12 os demais servidores. Atrasa o pagamento de fornecedores e prestadores de serviços e vê o desmonte da estrutura da Petrobras no Estado.
O senador Alessandro Vieira, campeão de votos e grande surpresa das eleições de 2018, faz um mandato restrito a CPI da Lava Toga, com o objetivo de investigar ministros dos tribunais superiores, ao mesmo tempo em que apoia tudo de ruim que é proposto pelo governo Bolsonaro, a exemplo da reforma da Previdência. Rogério Carvalho, o outro senador eleito, cumpre o que prometeu e segue um mandato ao lado dos movimentos sociais e o discurso de 'Lula livre'.
Governador, senadores e os deputados federais mostram que o estado de Sergipe sente a falta de uma liderança forte para atrair recursos do governo federal, a exemplo do que ocorreu nos dois anos do Governo Temer com o ex-deputado federal André Moura. Nenhum parlamentar do estado exerce influência junto a Bolsonaro ou a qualquer ministério, a ponto de ainda não terem conseguido, sequer, a nomeação dos dirigentes dos órgãos federais no estado.
Deputados estaduais agem de forma moderada e não criam qualquer dificuldade para o governo. Muitos se preocupam apenas com a possibilidade de abertura de uma janela partidária para que possam trocar de partido e se posicionar melhor nas eleições municipais do próximo ano.
Doze meses depois e eleitos, deputados estaduais e federais, senadores e o governador Belivaldo Chagas seguem o mesmo ritmo adotado no período pré-eleitoral. Ninguém se destaca e se fosse realizada uma nova eleição neste momento pouca coisa mudaria no estado.

Mourão em Sergipe 1

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, tem uma agenda extensa hoje em Sergipe. Às 9h, no Radisson Hotel, participará de uma palestra que vai discutir os 25 anos do Plano Real - Estabilidade Econômica Conquistada, promovida pelo Grupo de Líderes Empresariais de Sergipe (LIDE).

Mourão em Sergipe 2

O evento será mediado pela jornalista Mônica Waldvogel e contará com a presença de grandes economistas de renomes no país, além dos senadores sergipanos Alessandro Vieira (Cidadania) e Rogério Carvalho (PT) e do economista Samuel Pessôa.

Mourão em Sergipe 3

Às 10 horas, o vice-presidente estará em São Cristóvão visitando o centro histórico e o Museu Histórico de Sergipe. Por conta da visita, a SMTT alterará a circulação de veículos no Centro Histórico. Serão interditadas as vias Messias Prado, Ivo do Prado, Santa Cecília, entorno da Praça São Francisco e parte da Praça da Bíblia das 07h às 12 horas.

Mourão em Sergipe 4

Já à tarde, às 14h30, em solenidade no plenário da Assembleia Legislativa, o general Mourão estará recebendo a mais alta honraria da Alese: a Medalha da Ordem de Mérito Parlamentar. A solenidade ocorrerá no plenário do Poder Legislativo, às 14h30.

Mourão em Sergipe 5

O governador Belivaldo Chagas (PSD) acompanhará o vice-presidente Mourão na sua agenda em Sergipe, inclusive, o recepcionando no  Aeroporto Santa Maria,  às 9h. A entrevista de Mourão à imprensa deve ocorrer em São Cristovão.

Via-sacra

Durante esta semana o gabinete dos deputados federais e senadores em Brasília foram invadidos por prefeitos visando emplacar recursos das emendas do Orçamento Geral da União para o exercício de 2020 para seus municípios. Dirigentes de instituições também visitaram os parlamentares com essa finalidade.

Descontentamento

A coluna recebeu informações de que vários prefeitos saíram indignados da visita que fizeram ao gabinete do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). Não só com a frieza e indiferença como foram tratados, como por terem ouvido do parlamentar que as suas emendas seriam definidas em audiências públicas.

Reunião

O deputado federal Fábio Reis (MDB), coordenador da bancada federal, ainda não definiu a data da reunião com os parlamentares de Sergipe para discussão das emendas do Orçamento do exercício 2020. Revela que tem até o dia 24 de outubro para definição das emendas e que vai conversar com os deputados e senadores para estabelecer a data da reunião.

Lagarto 1

Com relação às eleições municipais em Lagarto, em 2020, Fábio Reis revela que já está consensuado na família e no agrupamento político que o candidato a prefeito sairá de quatro nomes: o ex-prefeito Jerônimo Reis (MDB), a deputada estadual Goretti Reis (PSD), o ex-deputado federal Sérgio Reis (MDB) e o seu. Acredita que até o final deste ano já se chegará a uma definição sobre quem será o candidato.

Lagarto 2

Fábio reafirma que o seu interesse é permanecer em Brasília como deputado federal, mas que se for entendimento de que deve ser o candidato está preparado. Reafirma ainda que o seu projeto político é disputar mandato majoritário em 2022, como candidato a vice-governador.

Três forças

Os três principais grupos políticos de Lagarto terão candidatos próprios a prefeito. O prefeito afastado Valmir Monteiro (PSC) caminha para indicar o filho, o deputado estadual Ibrain Monteiro (PSC), a prefeito; o deputado federal Gustinho Ribeiro (PSD) vai lançar a mulher prefeita Hilda Ribeiro (SD) como candidata a reeleição; e os Reis também vão indicar um nome da família.

Direitos humanos 1

O Ministério Público Federal em Sergipe, em parceria com a Ordem dos Advogados do Brasil em Sergipe e o Intervozes - Coletivo Brasil de Comunicação Social iniciou ontem uma consulta digital com o objetivo de recolher casos de violação de direitos humanos em emissoras de TV e rádio no Estado de Sergipe. Vai até 31 de outubro.

Direitos humanos 2

"Com os resultados da pesquisa, o MPF, a OAB e o Intervozes pretendem aperfeiçoar sua atuação na garantia de direitos da população diante de desrespeitos às regras legais que regulam os meios de comunicação no Brasil", explica a procuradora regional dos Direitos do Cidadão do MPF/SE, Martha Figueiredo.

Lava Toga 1

O senador Álvaro Dias (Podemos-PR) defendeu ontem, em Plenário, a instalação da CPI dos Tribunais Superiores proposta pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). O parlamentar destacou que a ideia não é atacar o Poder Judiciário, essencial ao Estado Democrático de Direito, mas investigar possíveis ilicitudes dos integrantes, que são substituíveis. Para Alvaro, é fundamental que se formule um diagnóstico para que, futuramente, discutam-se novos métodos de escolha e duração de mandato dos magistrados.

Lava Toga 2

"Quando senadores postulam uma CPI Lava Toga, não o fazem por prazer; mas na pretensão de atender aspirações da sociedade, já que ela não se conforma mais com idas e vindas, com avanços e retrocessos, a partir de uma instituição tão essencial para a democracia como o Supremo Tribunal Federal", disse.

Veja essa ...

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) manteve, entre 2003 e 2004, um cargo comissionado na Câmara dos Deputados, em Brasília, enquanto vivia no Rio de Janeiro. Aos 18 anos e ainda sem ensino superior, o recém-ingresso estudante de direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) recebia o equivalente a R$ 9,8 mil, em valores atuais, por mês. Segundo o site BBC News Brasil, o cargo de 40 horas semanais era na liderança do PTB, partido comandado por Roberto Jefferson e que seu pai, Jair Bolsonaro, era filiado na época.

Curtas

O deputado federal Fábio Reis apresentou na quarta-feira o Projeto de Lei 5356/2019, que propõe o reconhecimento de Tobias Barreto como a Capital Nacional do Bordado. "É preciso valorizar e incentivar as potencialidades locais, especialmente a de Tobias Barreto, referência nacional em bordados".

O novo procurador regional eleitoral, Heitor Alves Soares, estreou na última quarta-feira na sessão do pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SE). Ele ocupa a vaga deixada pela procuradora Eunice Dantas no  biênio 2019-2021.

 Amanhã, às 12h, o arcebispo metropolitano de Aracaju, dom João Costa, celebrará ato religioso que marcará a reabertura da Igreja São João Batista, construída na década de 1960 no espaço da Sergipe Industrial (SISA).

 A igreja foi preservada agora no Aracaju Parque Shopping, empresa do Grupo ACF localizada no bairro Industrial. Ela tem capacidade para receber até 80 pessoas e passou recentemente por reforma.