Aracaju estende o Plano de Intensificação das Ações de Combate ao Aedes aegypti

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Agentes de endemias vistoriam imóveis na capital
Agentes de endemias vistoriam imóveis na capital

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 03/10/2019 às 22:43:00

 

Os órgãos e secretarias 
municipais da Prefeitu-
ra de Aracaju envolvidos na execução do Plano de Intensificação das Ações de Combate ao Aedes aegypti estenderam, até o final do ano, as atividades relacionadas às diretrizes desse planejamento. A decisão, determinada pelo prefeito Edvaldo Nogueira, tem como principal motivador a chegada do período mais quente do ano, fator determinante no ciclo de reprodução e crescimento do mosquito.
Apresentado no final do mês de junho deste ano, o Plano é uma ampliação das ações que a Prefeitura de Aracaju realiza durante todo o ano e objetiva prevenir e controlar processos epidêmicos e evitar a ocorrência de mortes e complicações derivadas de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, como dengue, zika e chikungunya.
"O nosso intuito era manter as ações até que houvesse resultados mais positivos no LIRAa [Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti], no entanto, ainda que tenhamos tido novidades positivas na última divulgação desse levantamento, o prefeito orientou que continuássemos com as ações intensivas, até mesmo pelas avaliações que a Secretaria Municipal da Saúde [SMS] tem feito. Então, nosso foco segue sendo o de diminuir cada vez mais os índices negativos", explica a secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza.
Desta forma, as cerca de 20 diretrizes estabelecidas no Plano, continuam a ser reforçadas por toda a cidade, principalmente nos bairros que apresentaram resultados mais preocupantes no LIRAa.
Assim, estão entre as medidas a designação de duas equipes de agentes durante a noite, das 19h às 22h, para visitar casas que estavam fechadas durante o dia; visitação de todas as escolas para eliminação dos focos; trabalho de campo aos sábados; aplicação do fumacê costal; realização do LIRAa a cada dois meses, como recomendado pelo Ministério da Saúde; realização de mutirões de limpeza; monitoramento quinzenal estratégico dos pontos de proliferação; entre outras.
"O nosso foco sempre será, primordialmente, a prevenção, ou seja, tratar do problema antes mesmo que ele chegue. Estamos entrando numa fase mais quente do ano, na qual a transmissão dessas doenças se dá de maneira mais rápida porque o mosquito se desenvolve mais rapidamente quando está quente. Quando o tempo está mais frio, o desenvolvimento da larva demora um pouco mais, entre 15 e 30 dias temos um mosquito adulto. Já no calor, em sete dias já temos um mosquito adulto. Ou seja, temos que ser mais rápidos do que o mosquito e este é outro motivo que nos leva a estender o plano", destacou a diretora de Vigilância e Atenção à Saúde, Taíse Cavalcante.
De acordo com a diretora, a meta é chegar a novembro, no sexto e último LIRAa do ano, com índice abaixo de 1,0 (até 0,9 é considerado baixo risco para a presença do mosquito). "Essa meta, inclusive, está no Planejamento Estratégico da gestão municipal. É o último LIRAa do ano que vai dá o diagnóstico para o início de 2020. De acordo com isso é que vamos saber se iremos continuar com a intensificação ou acrescentaremos mais alguma ação específica em algum bairro onde encontramos foco", afirmou.

Os órgãos e secretarias  municipais da Prefeitu- ra de Aracaju envolvidos na execução do Plano de Intensificação das Ações de Combate ao Aedes aegypti estenderam, até o final do ano, as atividades relacionadas às diretrizes desse planejamento. A decisão, determinada pelo prefeito Edvaldo Nogueira, tem como principal motivador a chegada do período mais quente do ano, fator determinante no ciclo de reprodução e crescimento do mosquito.
Apresentado no final do mês de junho deste ano, o Plano é uma ampliação das ações que a Prefeitura de Aracaju realiza durante todo o ano e objetiva prevenir e controlar processos epidêmicos e evitar a ocorrência de mortes e complicações derivadas de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, como dengue, zika e chikungunya.
"O nosso intuito era manter as ações até que houvesse resultados mais positivos no LIRAa [Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti], no entanto, ainda que tenhamos tido novidades positivas na última divulgação desse levantamento, o prefeito orientou que continuássemos com as ações intensivas, até mesmo pelas avaliações que a Secretaria Municipal da Saúde [SMS] tem feito. Então, nosso foco segue sendo o de diminuir cada vez mais os índices negativos", explica a secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza.
Desta forma, as cerca de 20 diretrizes estabelecidas no Plano, continuam a ser reforçadas por toda a cidade, principalmente nos bairros que apresentaram resultados mais preocupantes no LIRAa.
Assim, estão entre as medidas a designação de duas equipes de agentes durante a noite, das 19h às 22h, para visitar casas que estavam fechadas durante o dia; visitação de todas as escolas para eliminação dos focos; trabalho de campo aos sábados; aplicação do fumacê costal; realização do LIRAa a cada dois meses, como recomendado pelo Ministério da Saúde; realização de mutirões de limpeza; monitoramento quinzenal estratégico dos pontos de proliferação; entre outras.
"O nosso foco sempre será, primordialmente, a prevenção, ou seja, tratar do problema antes mesmo que ele chegue. Estamos entrando numa fase mais quente do ano, na qual a transmissão dessas doenças se dá de maneira mais rápida porque o mosquito se desenvolve mais rapidamente quando está quente. Quando o tempo está mais frio, o desenvolvimento da larva demora um pouco mais, entre 15 e 30 dias temos um mosquito adulto. Já no calor, em sete dias já temos um mosquito adulto. Ou seja, temos que ser mais rápidos do que o mosquito e este é outro motivo que nos leva a estender o plano", destacou a diretora de Vigilância e Atenção à Saúde, Taíse Cavalcante.
De acordo com a diretora, a meta é chegar a novembro, no sexto e último LIRAa do ano, com índice abaixo de 1,0 (até 0,9 é considerado baixo risco para a presença do mosquito). "Essa meta, inclusive, está no Planejamento Estratégico da gestão municipal. É o último LIRAa do ano que vai dá o diagnóstico para o início de 2020. De acordo com isso é que vamos saber se iremos continuar com a intensificação ou acrescentaremos mais alguma ação específica em algum bairro onde encontramos foco", afirmou.