Professores iniciam paralisação de 48 horas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/10/2019 às 23:24:00

 

Professores também paralisam atividades - Pelas próximas 48 horas será a vez de professores das redes municipal e estadual também suspenderem as atividades. Ao contrário do Serviço Único de Saúde (SUS), por não ser considerado um serviço essencial para a vida da população, não há limite percentual para greve ou paralisações orquestradas por educadores. Sendo assim, a direção do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Sergipe (Sintese), confirmou na tarde de ontem que todas as instituições educacionais públicas de Sergipe estarão fechadas até a tarde de amanhã. O reinício das atividades ocorrerá aprendas na manhã da próxima sexta-feira, 04.
A suspensão das aulas ocorre em virtude de a categoria se mostrar contrária aos projetos de Lei de nº 208/2019 - que institui o Sistema de Avaliação da Educação Básica de Sergipe (Saese), e ao PL de nº 212/2019 que cria o Programa "Alfabetizar Pra Vale" e o prêmio "Escola de Destaque". A proposta da categoria é que os deputados estaduais - já em posse do conjunto de mudanças apresentadas pelo Governo do Estado - votem pela rejeição desses dois itens. Com as atividades temporariamente inviabilizadas, mais de 400 mil estudantes ficarão fora das salas de aulas. Na avaliação dos professores, os projetos encaminhados à Assembleia Legislativa são danosos à categoria e não houve convite por parte do poder executivo estadual para que um grupo de docentes participasse da elaboração dessas propostas.
De acordo com o Sintese, esse projeto tem por objetivo promover o ranqueamento das melhores e piores escolas, e dos docentes com baixo e alto rendimento. Caso esses dois projetos de lei sejam aprovados pelos deputados estaduais e sancionado pelo governador Belivaldoo Chagas, há a possibilidade de intervenção de instituições particulares no ambiente público. A paralisação foi deliberada durante assembleia geral realizada na quarta-feira da semana passada, no auditório do Centro Histórico de Sergipe, Centro de Aracaju. O encontro democrático contou ainda com representantes da rede municipal de educação, os quais, na ocasião, informaram que os educadores dos municípios também estarão unidos contra os projetos de lei. (Milton Alves Júnior)

Professores também paralisam atividades - Pelas próximas 48 horas será a vez de professores das redes municipal e estadual também suspenderem as atividades. Ao contrário do Serviço Único de Saúde (SUS), por não ser considerado um serviço essencial para a vida da população, não há limite percentual para greve ou paralisações orquestradas por educadores. Sendo assim, a direção do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Sergipe (Sintese), confirmou na tarde de ontem que todas as instituições educacionais públicas de Sergipe estarão fechadas até a tarde de amanhã. O reinício das atividades ocorrerá aprendas na manhã da próxima sexta-feira, 04.
A suspensão das aulas ocorre em virtude de a categoria se mostrar contrária aos projetos de Lei de nº 208/2019 - que institui o Sistema de Avaliação da Educação Básica de Sergipe (Saese), e ao PL de nº 212/2019 que cria o Programa "Alfabetizar Pra Vale" e o prêmio "Escola de Destaque". A proposta da categoria é que os deputados estaduais - já em posse do conjunto de mudanças apresentadas pelo Governo do Estado - votem pela rejeição desses dois itens. Com as atividades temporariamente inviabilizadas, mais de 400 mil estudantes ficarão fora das salas de aulas. Na avaliação dos professores, os projetos encaminhados à Assembleia Legislativa são danosos à categoria e não houve convite por parte do poder executivo estadual para que um grupo de docentes participasse da elaboração dessas propostas.
De acordo com o Sintese, esse projeto tem por objetivo promover o ranqueamento das melhores e piores escolas, e dos docentes com baixo e alto rendimento. Caso esses dois projetos de lei sejam aprovados pelos deputados estaduais e sancionado pelo governador Belivaldoo Chagas, há a possibilidade de intervenção de instituições particulares no ambiente público. A paralisação foi deliberada durante assembleia geral realizada na quarta-feira da semana passada, no auditório do Centro Histórico de Sergipe, Centro de Aracaju. O encontro democrático contou ainda com representantes da rede municipal de educação, os quais, na ocasião, informaram que os educadores dos municípios também estarão unidos contra os projetos de lei. (Milton Alves Júnior)