Estudantes protestam por falta de professores

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Os alunos fecharam uma das pistas da Visconde de Maracaju
Os alunos fecharam uma das pistas da Visconde de Maracaju

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/09/2019 às 22:13:00

 

Milton Alves
Por falta de professores e qualificação das estruturas do Colégio Estadual Ivo do Prado, estudantes, pais e funcionários da instituição ocuparam parte da avenida Visconde de Maracaju, na zona Norte de Aracaju, para protestar contra o Governo do Estado e exigir melhorias imediatas. Se mostrando impacientes com o cenário enfrentado desde o final do ano passado, os adolescentes relataram ao JORNAL DO DIA que ao longo dos últimos meses têm buscado debater os problemas junto à Secretaria de Estado da Educação e da Cultura (Seduc), mas que até a noite da última quinta-feira, 26, nenhuma ação positiva foi aplicada pela pasta administrativa.
Responsável por coordenar um grupo de estudantes, a presidente do Grêmio Estudantil, Sofia Gabrielle, indica que a falta de professores ocorre em maior escala junto às 6ª e 8ª séries do ensino fundamental. Sem a presença destes educadores dentro das salas de aula, horários ficam vagos e isso tem contribuído diretamente para a desaceleração da educação de, pelo menos, 80 jovens colegiais. Seguindo nessa linha de críticas geradas pela instabilidade no índice educacional de cada estudante, Sofia Gabrielle pede que a situação seja acompanhada pelo Ministério Público Estadual (MPE), e pelos deputados estaduais. A expectativa e que uma possível pressão parlamentar possa resultar em melhorias.
 "A partir do momento em que promotores e deputados entram nesse circuito e se somam às nossas causas, é evidente que as chances de alcançarmos os nossos objetivos cresce de forma significativa. É difícil de entender como uma gestão pública consegue deixar por vários meses quase cem alunos sem algumas disciplinas. É desse jeito que querem sucesso mais pra frente por parte de estudantes da educação pública no Exame Nacional do Ensino Médio?", indagou. Para tentar minimizar os transtornos causados pela manifestação, equipes da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), foram encaminhadas para o local do ato democrático. A mobilização em via pública durou pouco mais de 30 minutos.
Contraponto - Por meio de nota a Diretoria de Educação de Aracaju (DEA), órgão ligado à Seduc, reconheceu que: "é legítima a mobilização do grêmio, porém não houve notificação de falta de material didático, mesmo assim a gestão informa que estão sendo distribuídos mais de 2 mil livros, há um Processo Seletivo aberto para suprimir a necessidade de professor e a escola será uma das beneficiadas com a emenda impositiva de R$ 69 milhões que será destinada para infraestrutura das unidades escolares."

Milton Alves

Por falta de professores e qualificação das estruturas do Colégio Estadual Ivo do Prado, estudantes, pais e funcionários da instituição ocuparam parte da avenida Visconde de Maracaju, na zona Norte de Aracaju, para protestar contra o Governo do Estado e exigir melhorias imediatas. Se mostrando impacientes com o cenário enfrentado desde o final do ano passado, os adolescentes relataram ao JORNAL DO DIA que ao longo dos últimos meses têm buscado debater os problemas junto à Secretaria de Estado da Educação e da Cultura (Seduc), mas que até a noite da última quinta-feira, 26, nenhuma ação positiva foi aplicada pela pasta administrativa.
Responsável por coordenar um grupo de estudantes, a presidente do Grêmio Estudantil, Sofia Gabrielle, indica que a falta de professores ocorre em maior escala junto às 6ª e 8ª séries do ensino fundamental. Sem a presença destes educadores dentro das salas de aula, horários ficam vagos e isso tem contribuído diretamente para a desaceleração da educação de, pelo menos, 80 jovens colegiais. Seguindo nessa linha de críticas geradas pela instabilidade no índice educacional de cada estudante, Sofia Gabrielle pede que a situação seja acompanhada pelo Ministério Público Estadual (MPE), e pelos deputados estaduais. A expectativa e que uma possível pressão parlamentar possa resultar em melhorias.
 "A partir do momento em que promotores e deputados entram nesse circuito e se somam às nossas causas, é evidente que as chances de alcançarmos os nossos objetivos cresce de forma significativa. É difícil de entender como uma gestão pública consegue deixar por vários meses quase cem alunos sem algumas disciplinas. É desse jeito que querem sucesso mais pra frente por parte de estudantes da educação pública no Exame Nacional do Ensino Médio?", indagou. Para tentar minimizar os transtornos causados pela manifestação, equipes da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), foram encaminhadas para o local do ato democrático. A mobilização em via pública durou pouco mais de 30 minutos.

Contraponto -
Por meio de nota a Diretoria de Educação de Aracaju (DEA), órgão ligado à Seduc, reconheceu que: "é legítima a mobilização do grêmio, porém não houve notificação de falta de material didático, mesmo assim a gestão informa que estão sendo distribuídos mais de 2 mil livros, há um Processo Seletivo aberto para suprimir a necessidade de professor e a escola será uma das beneficiadas com a emenda impositiva de R$ 69 milhões que será destinada para infraestrutura das unidades escolares."