Funcionário é suspeito por morte de dono de parque

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 27/09/2019 às 22:07:00

 

Um suspeito foi preso e apontado pela Polícia Civil como mandante do assassinato do empresário João Carlos dos Santos, o 'Carlinhos do Parque', que foi morto a tiros em 25 de junho deste ano na rodovia SE-270, próximo ao povoado Colônia Treze, em Lagarto (Centro-Sul). José Givaldo Andrade, conhecido como 'Itamar', trabalhava como gerente do parque de diversões pertencente à vítima e foi detido pelo setor de Homicídios da Delegacia Regional de Lagarto, em cumprimento a um mandado de prisão preventiva. A diligência para prender o suspeito teve o apoio de equipes da Delegacia de Rio Real (BA).
Os detalhes do caso foram confirmados ontem, em entrevista coletiva, pelo delegado Marcelo Hercos Lyrio, responsável pelo caso. Segundo ele, Givaldo teria planejado a morte do ex-patrão depois de ter sido afastado do cargo, em punição por prejuízos derivados de irregularidades praticadas pelo suspeito na gestão do parque. "O acusado ao longo dos anos vinha causando esses prejuízos, fraudando, furtando a vítima e obtendo valores ilicitamente. Várias informações carreadas aos autos mostram que o gerente desviava os valores da bilheteria, revendendo ingressos que já estavam vendidos. A vítima descobriu dois meses antes do crime e o afastou. Com isso, o acusado arquitetou o crime", detalhou.
Ainda segundo o delegado, o ex-gerente teria recrutado dois homens para executar o crime. José Carlos foi morto com três tiros, após deixar o parque itinerante, que estava montado em Lagarto e seria trasladado para Paripiranga (BA). O ataque aconteceu na estrada entre Boquim e Lagarto. "No trajeto, o carro em que ele estava foi interceptado por dois homens em uma motocicleta, que efetuaram disparos de arma de fogo contra José Carlos dos Santos. O crime foi premeditado, pois o mandante ordenou que um funcionário não seguisse junto com a vítima", explicou Hercos.
Givaldo foi encaminhado para uma delegacia e está à disposição do Poder Judiciário para demais medidas legais cabíveis ao caso. Ele deve ser indiciado por homicídio qualificado. As buscas seguem para chegar aos outros envolvidos no crime, incluindo os executores responsáveis pela morte do empresário. Dois deles já foram identificados, mas, por enquanto, seus nomes são mantidos em sigilo. Informações e denúncias podem ser repassadas pelo Disque-Denúncia (181). O sigilo é garantido.

Um suspeito foi preso e apontado pela Polícia Civil como mandante do assassinato do empresário João Carlos dos Santos, o 'Carlinhos do Parque', que foi morto a tiros em 25 de junho deste ano na rodovia SE-270, próximo ao povoado Colônia Treze, em Lagarto (Centro-Sul). José Givaldo Andrade, conhecido como 'Itamar', trabalhava como gerente do parque de diversões pertencente à vítima e foi detido pelo setor de Homicídios da Delegacia Regional de Lagarto, em cumprimento a um mandado de prisão preventiva. A diligência para prender o suspeito teve o apoio de equipes da Delegacia de Rio Real (BA).
Os detalhes do caso foram confirmados ontem, em entrevista coletiva, pelo delegado Marcelo Hercos Lyrio, responsável pelo caso. Segundo ele, Givaldo teria planejado a morte do ex-patrão depois de ter sido afastado do cargo, em punição por prejuízos derivados de irregularidades praticadas pelo suspeito na gestão do parque. "O acusado ao longo dos anos vinha causando esses prejuízos, fraudando, furtando a vítima e obtendo valores ilicitamente. Várias informações carreadas aos autos mostram que o gerente desviava os valores da bilheteria, revendendo ingressos que já estavam vendidos. A vítima descobriu dois meses antes do crime e o afastou. Com isso, o acusado arquitetou o crime", detalhou.
Ainda segundo o delegado, o ex-gerente teria recrutado dois homens para executar o crime. José Carlos foi morto com três tiros, após deixar o parque itinerante, que estava montado em Lagarto e seria trasladado para Paripiranga (BA). O ataque aconteceu na estrada entre Boquim e Lagarto. "No trajeto, o carro em que ele estava foi interceptado por dois homens em uma motocicleta, que efetuaram disparos de arma de fogo contra José Carlos dos Santos. O crime foi premeditado, pois o mandante ordenou que um funcionário não seguisse junto com a vítima", explicou Hercos.
Givaldo foi encaminhado para uma delegacia e está à disposição do Poder Judiciário para demais medidas legais cabíveis ao caso. Ele deve ser indiciado por homicídio qualificado. As buscas seguem para chegar aos outros envolvidos no crime, incluindo os executores responsáveis pela morte do empresário. Dois deles já foram identificados, mas, por enquanto, seus nomes são mantidos em sigilo. Informações e denúncias podem ser repassadas pelo Disque-Denúncia (181). O sigilo é garantido.