Sintese aprova paralisação para o início de outubro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A PARALISAÇÃO DE DOIS DIAS É CONTRA PROJETOS DA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO
A PARALISAÇÃO DE DOIS DIAS É CONTRA PROJETOS DA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO

O deputado e professor Iran Barbosa discursa na assembleia
O deputado e professor Iran Barbosa discursa na assembleia

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/09/2019 às 05:11:00

 

Milton Alves Júnior
Contrários aos projetos de Lei de nº 208/2019 - que institui o Sistema de Avaliação da Educação Básica de Sergipe (Saese), e ao PL de nº 212/2019 que cria o Programa "Alfabetizar Pra Vale" e o prêmio "Escola de Destaque", nas próximas quarta e quinta-feira, 02 e 03 de outubro, os professores da rede estadual de ensino estarão de braços cruzados e suspenderão todas as atividades educacionais. A proposta da categoria é que os deputados estaduais - já em posse do conjunto de mudanças apresentadas pelo Governo do Estado - votem pela rejeição desses dois itens. Com as atividades temporariamente suspensas, mais de 400 mil estudantes ficarão fora das salas de aulas.
Na avaliação dos professores, os projetos encaminhados à Assembleia Legislativa são danosos à categoria e não houve convite por parte do poder executivo estadual - sobretudo da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc) - para que um grupo de docentes participassem da elaboração dessas propostas. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Sergipe (Sintese), esse projeto tem por objetivo promover o ranqueamento das melhores e piores escolas, e dos docentes com baixo e alto rendimento. Caso esses dois projetos de lei sejam aprovados pelos deputados estaduais e sancionado pelo governador Belivaldoo Chagas, há a possibilidade de intervenção de instituições particulares no ambiente público.
Aparalisação foi deliberada durante assembleia geral realizada na manha de ontem no auditório do Centro Histórico de Sergipe, Centro de Aracaju. O ato democrático contou ainda com representantes da rede municipal de educação, os quais, na ocasião, informaram que os educadores dos municípios também estarão unidos contra os projetos de lei. Durante o encontro, a direção sindical destacou que nenhum dos projetos foi debatido anteriormente com o SINTESE, e, com isso, mais uma vez o Governo e a SEDUC estariam desconsideram o representante legítimo dos professores e professoras da rede estadual e de 74 das 75 redes municipais sergipanas. A paralisação já foi informada oficialmente aos gestores públicos.
 "Esses projetos têm caráter excludente, privatista, de intervenção de empresas privadas nas escolas e de premiações e punições. Estaremos na porta da SEDUC e do Palácio de Despachos para cobrar do governo respeito ao magistério e que se pague o piso na carreira. E discuta com a categoria qual é a política pedagógica proposta para o Estado", cobrou a presidente do Sintese, Professora Ivonete Cruz. Por meio de comunicado oficial o SINTESE reafirmou que tanto a avaliação do sistema de educação básica quanto a alfabetização são importantes e necessárias para a garantia da Educação, porém critica o método utilizado pela SEDUC para implantar políticas educacionais. Segundo a categoria, sem qualquer tipo de diálogo.

Milton Alves Júnior

Contrários aos projetos de Lei de nº 208/2019 - que institui o Sistema de Avaliação da Educação Básica de Sergipe (Saese), e ao PL de nº 212/2019 que cria o Programa "Alfabetizar Pra Vale" e o prêmio "Escola de Destaque", nas próximas quarta e quinta-feira, 02 e 03 de outubro, os professores da rede estadual de ensino estarão de braços cruzados e suspenderão todas as atividades educacionais. A proposta da categoria é que os deputados estaduais - já em posse do conjunto de mudanças apresentadas pelo Governo do Estado - votem pela rejeição desses dois itens. Com as atividades temporariamente suspensas, mais de 400 mil estudantes ficarão fora das salas de aulas.
Na avaliação dos professores, os projetos encaminhados à Assembleia Legislativa são danosos à categoria e não houve convite por parte do poder executivo estadual - sobretudo da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc) - para que um grupo de docentes participassem da elaboração dessas propostas. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Sergipe (Sintese), esse projeto tem por objetivo promover o ranqueamento das melhores e piores escolas, e dos docentes com baixo e alto rendimento. Caso esses dois projetos de lei sejam aprovados pelos deputados estaduais e sancionado pelo governador Belivaldoo Chagas, há a possibilidade de intervenção de instituições particulares no ambiente público.
Aparalisação foi deliberada durante assembleia geral realizada na manha de ontem no auditório do Centro Histórico de Sergipe, Centro de Aracaju. O ato democrático contou ainda com representantes da rede municipal de educação, os quais, na ocasião, informaram que os educadores dos municípios também estarão unidos contra os projetos de lei. Durante o encontro, a direção sindical destacou que nenhum dos projetos foi debatido anteriormente com o SINTESE, e, com isso, mais uma vez o Governo e a SEDUC estariam desconsideram o representante legítimo dos professores e professoras da rede estadual e de 74 das 75 redes municipais sergipanas. A paralisação já foi informada oficialmente aos gestores públicos.
 "Esses projetos têm caráter excludente, privatista, de intervenção de empresas privadas nas escolas e de premiações e punições. Estaremos na porta da SEDUC e do Palácio de Despachos para cobrar do governo respeito ao magistério e que se pague o piso na carreira. E discuta com a categoria qual é a política pedagógica proposta para o Estado", cobrou a presidente do Sintese, Professora Ivonete Cruz. Por meio de comunicado oficial o SINTESE reafirmou que tanto a avaliação do sistema de educação básica quanto a alfabetização são importantes e necessárias para a garantia da Educação, porém critica o método utilizado pela SEDUC para implantar políticas educacionais. Segundo a categoria, sem qualquer tipo de diálogo.