Governo e UFS discutem monitoramento da extrema pobreza em Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Integradas, equipes se debruçam sobre a construção de um diagnóstico a partir das funcionalidades do Cadastro Único
Integradas, equipes se debruçam sobre a construção de um diagnóstico a partir das funcionalidades do Cadastro Único

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/09/2019 às 05:08:00

 

Seguindo a agenda de 
parceria com a Univer
sidade Federal de Sergipe (UFS) e o Observatório de Sergipe, a Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência Social e do Trabalho (Seit) voltou a debater os dados da extrema pobreza no estado, vinculada às condições de insegurança alimentar da população. A reunião tem o objetivo de construir indicadores sociais para monitoramento e avaliação, a partir de dados do Cadastro Único (CadÚnico), e contribuir para o diagnóstico territorial de Segurança Alimentar e Nutricional (SAN), visando à discussão e construção do Plano Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional junto aos municípios.
De acordo com a diretora de planejamento da Seit, Sayonara Carvalho, a pauta que faz parte do planejamento estratégico, com enfoque no mapeamento e identificação, junto aos municípios prioritários para as ações do Plano, e reforçou a necessidade de a SEIT promover esse monitoramento e avaliação. "É um processo que requer muita dedicação e parceria. E nesse quesito, temos encontrado, junto à Universidade e ao Observatório de Sergipe, um apoio singular nessa fase de estruturação. Através de convênio com a UFS, viabilizamos dois estagiários de Estatística para apoiar esse processo e, junto com estagiárias de Nutrição, eles vêm numa construção conjunta desse diagnóstico a partir dos dados do Cadastro Único. A integração ensino-serviço é o desejo da caminhada, alinhada ao debate com o Observatório de Sergipe, nessa agenda prioritária", afirmou. 
A Universidade Federal de Sergipe e o governo do Estado são parceiros em muitos projetos que buscam a resolução de problemas sociais relevantes, como questões de saúde pública, ensino, segurança, alimentação, pobreza e desenvolvimento. O professor doutor Kleber Fernandes de Oliveira, do departamento de Estatística e Ciências Atuariais (DECAT) da UFS, destacou que esse diálogo entre Academia e Governo Estadual fortalece o desenvolvimento sergipano, interessando a toda população.
"A reunião teve um caráter mais metodológico, onde foram discutidos os usos das questões do banco de dados do Cadastro Único. A atividade envolveu os departamentos de Nutrição e Estatística e Atuária da UFS, cuja participação como interlocutora na área da Política Pública de combate à pobreza evidencia o caráter transparente, realista e responsável com que o governo de Sergipe enfrenta a discussão sobre o tema da pobreza e desenvolvimento social. Vale ressaltar também a qualidade técnica dos funcionários do Governo envolvidos na discussão, que merecem distinção e reconhecimento pelo excelente trabalho. É de destacar também a qualidade das informações e o imenso potencial de geração de resultados", disse o professor Kleber. 
Outro tema debatido na ocasião foi o Programa Bolsa Família e suas condicionalidades, demonstrando sua relevância para a população-alvo da extrema pobreza e apontando para que o Estado continue apoiando e capacitando os municípios para a qualificação das informações do Cadastro, a fim de que sejam gerados dados precisos da situação do público vulnerável no estado. 

Seguindo a agenda de  parceria com a Univer sidade Federal de Sergipe (UFS) e o Observatório de Sergipe, a Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência Social e do Trabalho (Seit) voltou a debater os dados da extrema pobreza no estado, vinculada às condições de insegurança alimentar da população. A reunião tem o objetivo de construir indicadores sociais para monitoramento e avaliação, a partir de dados do Cadastro Único (CadÚnico), e contribuir para o diagnóstico territorial de Segurança Alimentar e Nutricional (SAN), visando à discussão e construção do Plano Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional junto aos municípios.
De acordo com a diretora de planejamento da Seit, Sayonara Carvalho, a pauta que faz parte do planejamento estratégico, com enfoque no mapeamento e identificação, junto aos municípios prioritários para as ações do Plano, e reforçou a necessidade de a SEIT promover esse monitoramento e avaliação. "É um processo que requer muita dedicação e parceria. E nesse quesito, temos encontrado, junto à Universidade e ao Observatório de Sergipe, um apoio singular nessa fase de estruturação. Através de convênio com a UFS, viabilizamos dois estagiários de Estatística para apoiar esse processo e, junto com estagiárias de Nutrição, eles vêm numa construção conjunta desse diagnóstico a partir dos dados do Cadastro Único. A integração ensino-serviço é o desejo da caminhada, alinhada ao debate com o Observatório de Sergipe, nessa agenda prioritária", afirmou. 
A Universidade Federal de Sergipe e o governo do Estado são parceiros em muitos projetos que buscam a resolução de problemas sociais relevantes, como questões de saúde pública, ensino, segurança, alimentação, pobreza e desenvolvimento. O professor doutor Kleber Fernandes de Oliveira, do departamento de Estatística e Ciências Atuariais (DECAT) da UFS, destacou que esse diálogo entre Academia e Governo Estadual fortalece o desenvolvimento sergipano, interessando a toda população.
"A reunião teve um caráter mais metodológico, onde foram discutidos os usos das questões do banco de dados do Cadastro Único. A atividade envolveu os departamentos de Nutrição e Estatística e Atuária da UFS, cuja participação como interlocutora na área da Política Pública de combate à pobreza evidencia o caráter transparente, realista e responsável com que o governo de Sergipe enfrenta a discussão sobre o tema da pobreza e desenvolvimento social. Vale ressaltar também a qualidade técnica dos funcionários do Governo envolvidos na discussão, que merecem distinção e reconhecimento pelo excelente trabalho. É de destacar também a qualidade das informações e o imenso potencial de geração de resultados", disse o professor Kleber. 
Outro tema debatido na ocasião foi o Programa Bolsa Família e suas condicionalidades, demonstrando sua relevância para a população-alvo da extrema pobreza e apontando para que o Estado continue apoiando e capacitando os municípios para a qualificação das informações do Cadastro, a fim de que sejam gerados dados precisos da situação do público vulnerável no estado.