A EMBRAPA e o Desenvolvimento da Agricultura Brasileira

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 24/09/2019 às 07:19:00

 

Saumíneo Nascimento
A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) existe deste 1973 e é uma das grandes responsáveis pelo desenvolvimento da agricultura brasileira.
Os trabalhos desenvolvidos pelos colaboradores da Embrapa ajudaram na  transformação do Brasil. Se atualmente a nossa agropecuária é uma das mais eficientes e sustentáveis do mundo, devemos à Embrapa.
Entre as conquistas proporcionadas pela Embrapa podemos citar a incorporação de uma extensa área de terras degradadas dos cerrados aos sistemas produtivos que hoje respondem por aproximadamente 50% da nossa produção de grãos. Com a Embrapa foi possível quadruplicar a oferta de carne bovina e suína e ampliamos em 22 vezes a oferta de frango. Isso tudo possibilitou que o Brasil foi transformado em um dos maiores produtores de alimentos do mundo, com várias conquistas de mercados externos, mesmo com uma geopolítica adversa no campo do comércio agrícola.
Algo de notório a se registrar é que a agenda da Embrapa é inteiramente voltada a prover novos conhecimentos, grande parte traduzida em  produtos, processos, serviços, metodologias e práticas agropecuárias.
Os avanços das pesquisas da Embrapa são focados em estudos, ações e informações qualificadas que visam aumentar a competitividade e sustentabilidade da agropecuária.
Vale registrar que a Embrapa gera informações que contribuem para a formulação e o aprimoramento de políticas públicas em áreas relacionadas à agropecuária brasileira.
A equipe da Embrapa é formada por 2.424 pesquisadores, 84% com doutorado ou pós-doutorado em universidades do Brasil e do exterior e que atuam em rede com instituições do Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária e, com pesquisadores de várias partes do mundo.
Sendo a Embrapa uma empresa globalizada, que, ao longo da sua história, tem construído uma sólida rede de cooperação internacional, atua através de parcerias em todos os continentes e com algumas das principais instituições e redes de pesquisa do mundo. Além disso, a Embrapa mantém intenso programa de cooperação científica com instituições internacionais de reconhecida competência para o intercâmbio contínuo de conhecimentos e tecnologias que promovam o avanço da agricultura brasileira. Os formatos empregados pela Empresa, no exterior, não se utilizam de infraestrutura física, mas do desenvolvimento de projetos e pela presença, por tempo determinado, de pesquisadores em instituições de pesquisa parceiras, reduzindo-se custos e utilizando-se de estrutura já existente, dando assim mais dinâmica à cooperação.
A Embrapa informa em sua atuação que as tecnologias da Embrapa também encontram espaço em outros países. A Embrapa já tem negócios no exterior, como a venda direta de produtos e sementes e o licenciamento da produção de sementes. Ainda, como empresa pública federal, e alinhada às políticas de governo, a Embrapa também apoia empresas brasileiras que atuam no exterior, em casos específicos baseados em acordos de governo.
Os negócios internacionais da Embrapa objetivam: o licenciamento de ativos e direitos de terceiros para uso no Brasil; o licenciamento de ativos e direitos próprios no exterior; a venda de tecnologias; o aporte tecnológico à expansão da atuação internacional de empresas brasileiras parceiras da Embrapa; e a  prestação de serviços técnicos especializados.
Além disso, a Embrapa informa que a cooperação técnica é um importante instrumento do Governo Brasileiro para apoiar ações de capacitação e transferência de tecnologia em países em desenvolvimento.
A Embrapa também desenvolve projetos estruturantes que são projetos de desenvolvimento executados em parceria da Embrapa com um país ou grupo de países africanos, latinoamericanos ou caribenhos, para o fortalecimento das suas bases tecnológicas, institucionais e de recursos humanos necessários ao desenvolvimento sustentável da agricultura. Esses projetos incluem componentes complementares nas áreas de validação e transferência de tecnologias, fortalecimento de instituições de pesquisa e de capacitação de profissionais.
Para demonstrar o seu trabalho para a sociedade, A Embrapa irá participar do mais importante evento na área de nanotecnologia no Brasil, a Nano Trade Show, entre 24 e 26 de setembro, em São Paulo, ocasião em que irá apresentar os resultados de pesquisas que se transformaram em produtos para a agricultura. O visitante vai conhecer inovações desenvolvidas na Embrapa Instrumentação (São Carlos, SP) e na Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília, DF).  Entre as soluções tecnológicas que ganharam cor, tamanho e forma no Laboratório Nacional de Nanotecnologia para o Agronegócio (LNNA) no interior paulista, nos projetos da Rede de Nanotecnologia Aplicada ao Agronegócio (Rede AgroNano), estão o MicroActive e a nanoemulsão de cera de carnaúba para revestimento de frutos, lançados em 2018 e 2019.
Pelo que foi exposto fica evidenciado a necessidade de que a sociedade brasileira continue apoiando a atuação da Embrapa para que a nossa agricultura e pecuária tenham os melhores patamares de evolução tecnológica e possam garantir um melhor posicionamento do Brasil na segurança alimentar dos seus habitantes e na geração de divisas advindas do campo. Então mais recursos para as pesquisas da Embrapa são necessários para continuarmos forte na geopolítica da agricultura mundial.

Saumíneo Nascimento

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) existe deste 1973 e é uma das grandes responsáveis pelo desenvolvimento da agricultura brasileira.
Os trabalhos desenvolvidos pelos colaboradores da Embrapa ajudaram na  transformação do Brasil. Se atualmente a nossa agropecuária é uma das mais eficientes e sustentáveis do mundo, devemos à Embrapa.
Entre as conquistas proporcionadas pela Embrapa podemos citar a incorporação de uma extensa área de terras degradadas dos cerrados aos sistemas produtivos que hoje respondem por aproximadamente 50% da nossa produção de grãos. Com a Embrapa foi possível quadruplicar a oferta de carne bovina e suína e ampliamos em 22 vezes a oferta de frango. Isso tudo possibilitou que o Brasil foi transformado em um dos maiores produtores de alimentos do mundo, com várias conquistas de mercados externos, mesmo com uma geopolítica adversa no campo do comércio agrícola.
Algo de notório a se registrar é que a agenda da Embrapa é inteiramente voltada a prover novos conhecimentos, grande parte traduzida em  produtos, processos, serviços, metodologias e práticas agropecuárias.
Os avanços das pesquisas da Embrapa são focados em estudos, ações e informações qualificadas que visam aumentar a competitividade e sustentabilidade da agropecuária.
Vale registrar que a Embrapa gera informações que contribuem para a formulação e o aprimoramento de políticas públicas em áreas relacionadas à agropecuária brasileira.
A equipe da Embrapa é formada por 2.424 pesquisadores, 84% com doutorado ou pós-doutorado em universidades do Brasil e do exterior e que atuam em rede com instituições do Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária e, com pesquisadores de várias partes do mundo.
Sendo a Embrapa uma empresa globalizada, que, ao longo da sua história, tem construído uma sólida rede de cooperação internacional, atua através de parcerias em todos os continentes e com algumas das principais instituições e redes de pesquisa do mundo. Além disso, a Embrapa mantém intenso programa de cooperação científica com instituições internacionais de reconhecida competência para o intercâmbio contínuo de conhecimentos e tecnologias que promovam o avanço da agricultura brasileira. Os formatos empregados pela Empresa, no exterior, não se utilizam de infraestrutura física, mas do desenvolvimento de projetos e pela presença, por tempo determinado, de pesquisadores em instituições de pesquisa parceiras, reduzindo-se custos e utilizando-se de estrutura já existente, dando assim mais dinâmica à cooperação.
A Embrapa informa em sua atuação que as tecnologias da Embrapa também encontram espaço em outros países. A Embrapa já tem negócios no exterior, como a venda direta de produtos e sementes e o licenciamento da produção de sementes. Ainda, como empresa pública federal, e alinhada às políticas de governo, a Embrapa também apoia empresas brasileiras que atuam no exterior, em casos específicos baseados em acordos de governo.
Os negócios internacionais da Embrapa objetivam: o licenciamento de ativos e direitos de terceiros para uso no Brasil; o licenciamento de ativos e direitos próprios no exterior; a venda de tecnologias; o aporte tecnológico à expansão da atuação internacional de empresas brasileiras parceiras da Embrapa; e a  prestação de serviços técnicos especializados.
Além disso, a Embrapa informa que a cooperação técnica é um importante instrumento do Governo Brasileiro para apoiar ações de capacitação e transferência de tecnologia em países em desenvolvimento.
A Embrapa também desenvolve projetos estruturantes que são projetos de desenvolvimento executados em parceria da Embrapa com um país ou grupo de países africanos, latinoamericanos ou caribenhos, para o fortalecimento das suas bases tecnológicas, institucionais e de recursos humanos necessários ao desenvolvimento sustentável da agricultura. Esses projetos incluem componentes complementares nas áreas de validação e transferência de tecnologias, fortalecimento de instituições de pesquisa e de capacitação de profissionais.
Para demonstrar o seu trabalho para a sociedade, A Embrapa irá participar do mais importante evento na área de nanotecnologia no Brasil, a Nano Trade Show, entre 24 e 26 de setembro, em São Paulo, ocasião em que irá apresentar os resultados de pesquisas que se transformaram em produtos para a agricultura. O visitante vai conhecer inovações desenvolvidas na Embrapa Instrumentação (São Carlos, SP) e na Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília, DF).  Entre as soluções tecnológicas que ganharam cor, tamanho e forma no Laboratório Nacional de Nanotecnologia para o Agronegócio (LNNA) no interior paulista, nos projetos da Rede de Nanotecnologia Aplicada ao Agronegócio (Rede AgroNano), estão o MicroActive e a nanoemulsão de cera de carnaúba para revestimento de frutos, lançados em 2018 e 2019.
Pelo que foi exposto fica evidenciado a necessidade de que a sociedade brasileira continue apoiando a atuação da Embrapa para que a nossa agricultura e pecuária tenham os melhores patamares de evolução tecnológica e possam garantir um melhor posicionamento do Brasil na segurança alimentar dos seus habitantes e na geração de divisas advindas do campo. Então mais recursos para as pesquisas da Embrapa são necessários para continuarmos forte na geopolítica da agricultura mundial.