GR do Brasil estreia de olho na vaga olímpica

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 20/09/2019 às 21:48:00

 

Encerrada a participação do Individual, chegou a vez dos Conjuntos se apresentarem no Campeonato Mundial de Ginástica Rítmica, que está sendo realizado em Baku (AZE). A Seleção Brasileira entra na competição neste sábado (21), na Arena Nacional de Ginástica (MGA), a partir das 9h46 (horário de Brasília) motivada pelas boas notas obtidas em suas participações nas Copas do Mundo de Kazan (RUS) e Portimão (POR), além da possibilidade de sair daqui com uma vaga para a Olimpíada de Tóquio-2020.
Estarão em jogo em Baku cinco vagas diretas para a Olimpíada. Como os três países já classificados pelo Mundial do ano passado (Rússia, Itália e Bulgária) são favoritos a ficarem entre os cinco melhores conjuntos no geral - soma das notas das séries de cinco bolas e mista - a zona de corte para a classificação olímpica pode contemplar até os oito primeiros colocados no geral. Que pode se estender para o nono lugar, caso o Japão também termine entre os oito primeiros.
Diante deste cenário, Camila Ferezin, treinadora do conjunto e coordenadora de Seleções da CBG (Confederação Brasileira de Ginástica), acredita que sua equipe chegará pronta para a competição deste sábado. "A gente fez a melhor preparação possível. Que bom que pudemos participar de várias Copas do Mundo e assim preparar as meninas para estarem aqui no ápice da performance", disse a técnica brasileira.
O modelo da competição, com as duas séries para a definição da classificação geral sendo realizadas em um intervalo de pouco mais de meia hora entre uma e outra também será um desafio extra a ser superado neste sábado, segundo Camilla Ferezin.
"Será um momento de muito estresse, pois são duas coreografias bem difíceis e pouco tempo entre cada apresentação. É um desafio, mas será igual para todos os Conjuntos e nos últimos treinos em Baku a gente já vinha preparando a equipe desta forma. Assim, em 48 minutos estarão prontas na quadra novamente", explica Camila.
A capitã do Conjunto, Deborah Medrado, vive a expectativa de disputar seu primeiro Mundial, depois de ter ficado como reserva em 2018, pois estava lesionada. "Bastante ansiosa, até porque será a competição mais importante do ano para nós, pois vale uma vaga olímpica. Nos preparamos muito, treinamos bastante em Baku, conseguimos nos adaptar ao fuso horário, clima, ginásio, enfim estamos prontas para entrar em quadra, cravar as séries e sair daqui com a vaga para Tóquio", disse Deborah.

Encerrada a participação do Individual, chegou a vez dos Conjuntos se apresentarem no Campeonato Mundial de Ginástica Rítmica, que está sendo realizado em Baku (AZE). A Seleção Brasileira entra na competição neste sábado (21), na Arena Nacional de Ginástica (MGA), a partir das 9h46 (horário de Brasília) motivada pelas boas notas obtidas em suas participações nas Copas do Mundo de Kazan (RUS) e Portimão (POR), além da possibilidade de sair daqui com uma vaga para a Olimpíada de Tóquio-2020.
Estarão em jogo em Baku cinco vagas diretas para a Olimpíada. Como os três países já classificados pelo Mundial do ano passado (Rússia, Itália e Bulgária) são favoritos a ficarem entre os cinco melhores conjuntos no geral - soma das notas das séries de cinco bolas e mista - a zona de corte para a classificação olímpica pode contemplar até os oito primeiros colocados no geral. Que pode se estender para o nono lugar, caso o Japão também termine entre os oito primeiros.
Diante deste cenário, Camila Ferezin, treinadora do conjunto e coordenadora de Seleções da CBG (Confederação Brasileira de Ginástica), acredita que sua equipe chegará pronta para a competição deste sábado. "A gente fez a melhor preparação possível. Que bom que pudemos participar de várias Copas do Mundo e assim preparar as meninas para estarem aqui no ápice da performance", disse a técnica brasileira.
O modelo da competição, com as duas séries para a definição da classificação geral sendo realizadas em um intervalo de pouco mais de meia hora entre uma e outra também será um desafio extra a ser superado neste sábado, segundo Camilla Ferezin.
"Será um momento de muito estresse, pois são duas coreografias bem difíceis e pouco tempo entre cada apresentação. É um desafio, mas será igual para todos os Conjuntos e nos últimos treinos em Baku a gente já vinha preparando a equipe desta forma. Assim, em 48 minutos estarão prontas na quadra novamente", explica Camila.
A capitã do Conjunto, Deborah Medrado, vive a expectativa de disputar seu primeiro Mundial, depois de ter ficado como reserva em 2018, pois estava lesionada. "Bastante ansiosa, até porque será a competição mais importante do ano para nós, pois vale uma vaga olímpica. Nos preparamos muito, treinamos bastante em Baku, conseguimos nos adaptar ao fuso horário, clima, ginásio, enfim estamos prontas para entrar em quadra, cravar as séries e sair daqui com a vaga para Tóquio", disse Deborah.