STJD descarta anulação de Náutico x Paysandu

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 20/09/2019 às 21:45:00

 

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu não levar adiante a solicitação de impugnação da partida entre Náutico e Paysandu, disputada no dia 8 de setembro, pela rodada de volta das quartas de final da Série C, nos Aflitos. Em sessão realizada na tarde desta sexta-feira, o pedido feito pelo clube paraense foi julgado improcedente, por unanimidade.
O jogo em questão decidiu um dos acessos à Série B de 2020, e o Paysandu tinha a esperança de uma nova chance de disputar a vaga. Ainda existe a possibilidade de recorrer à Corte Arbitral do Esporte (CAS), o que ainda será avaliado pelo departamento jurídico do time de Belém.
Bola na mão ou mão na bola? - O Paysandu pediu a anulação por avaliar que o árbitro Leandro Vuaden cometeu erro de direito ao marcar um pênalti para o Náutico aos 49 minutos do segundo tempo, quando a equipe paraense vencia por 2 a 1.
No lance, a bola tocou a mão de Anderson Uchôa, dentro da área, após Wellington Reis afastar de cabeça. Os dois atletas estavam muito próximos. A cobrança foi convertida por Jean Carlos e, na sequência, o time pernambucano levou a melhor na disputa de pênaltis para conquistar o acesso.

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu não levar adiante a solicitação de impugnação da partida entre Náutico e Paysandu, disputada no dia 8 de setembro, pela rodada de volta das quartas de final da Série C, nos Aflitos. Em sessão realizada na tarde desta sexta-feira, o pedido feito pelo clube paraense foi julgado improcedente, por unanimidade.
O jogo em questão decidiu um dos acessos à Série B de 2020, e o Paysandu tinha a esperança de uma nova chance de disputar a vaga. Ainda existe a possibilidade de recorrer à Corte Arbitral do Esporte (CAS), o que ainda será avaliado pelo departamento jurídico do time de Belém.

Bola na mão ou mão na bola? -
O Paysandu pediu a anulação por avaliar que o árbitro Leandro Vuaden cometeu erro de direito ao marcar um pênalti para o Náutico aos 49 minutos do segundo tempo, quando a equipe paraense vencia por 2 a 1.
No lance, a bola tocou a mão de Anderson Uchôa, dentro da área, após Wellington Reis afastar de cabeça. Os dois atletas estavam muito próximos. A cobrança foi convertida por Jean Carlos e, na sequência, o time pernambucano levou a melhor na disputa de pênaltis para conquistar o acesso.