Tamar e Petrobras anunciam a chegada da tartaruga protegida 40 milhões

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A soltura de filhotes de tartaruga vai ocorrer hoje à tarde na Atalaia
A soltura de filhotes de tartaruga vai ocorrer hoje à tarde na Atalaia

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 17/09/2019 às 22:25:00

 

Nesta quarta-feira (18), 
o início do ciclo repro-
dutivo da tartaruga marinha 40 milhões protegida e devolvida ao oceano pelo Tamar será anunciado com a soltura de filhotes, na Praia do Atalaia, em Aracaju, às 16h. Este número representa um marco nos resultados do projeto, reconhecido internacionalmente como uma das mais bem-sucedidas iniciativas de conservação marinha do mundo.
"Na próxima temporada de desova o Tamar vai completar 40 anos e atingir a marca de 40 milhões de tartarugas marinhas protegidas. Podemos dizer que a tartaruga de número 40 milhões já existe e navega em uma viagem transcontinental rumo às praias brasileiras. Mas é importante lembrar que a cada mil tartarugas que nascem, apenas uma ou duas sobrevivem. Ainda há muito a fazer para livrar esses animais da ameaça de extinção", diz o fundador do Projeto Tamar, Guy Marcovaldi.
Crianças da rede pública de Aracaju foram convidadas a participar da soltura e conferir de perto os filhotinhos irem para o mar. Adicionalmente, as crianças terão oportunidade de conhecer as atividades do Oceanário do Tamar na cidade, com uma visita guiada. Além da soltura, será realizado o "Concerto às Tartarugas Marinhas", com Orquestra Sinfônica de Sergipe, às 20h30, no Teatro Tobias Barreto, em Aracaju (SE). Regida pelo maestro Guilherme Mannis, a Orquestra irá apresentar três movimentos, em referência à três das espécies protegidas pelo projeto: Eretmochelys imbricata (tartaruga-de-pente), Caretta caretta (tartaruga-cabeçuda) e Lepidochelys olivacea (tartaruga-oliva), além de outras programações musicais. O evento é gratuito e aberto ao público.
A atuação conjunta da Petrobras com o Tamar é uma parceria de 39 anos, integrante do Programa Petrobras Socioambiental. O objetivo principal do projeto é a conservação de cinco espécies de tartarugas, todas ameaçadas de extinção. Atualmente, o Projeto Tamar está presente em 26 localidades, distribuídas em áreas prioritárias de desova, alimentação, migração e descanso. Estudos científicos mostram que as populações de tartarugas marinhas no Brasil estão se recuperando.
São animais de ciclo de vida longo, que levam de 20 a 30 anos para se reproduzir. A cada temporada reprodutiva o número de filhotes que nasce nas praias monitoradas pelo Projeto passa de 2 milhões, além de muitas tartarugas jovens e adultas que são protegidas e salvas da captura incidental na pesca. Acidentes com redes e anzóis, atropelamentos, trânsito de veículos nas praias e plástico são fatores de risco para as tartarugas.

Nesta quarta-feira (18),  o início do ciclo repro- dutivo da tartaruga marinha 40 milhões protegida e devolvida ao oceano pelo Tamar será anunciado com a soltura de filhotes, na Praia do Atalaia, em Aracaju, às 16h. Este número representa um marco nos resultados do projeto, reconhecido internacionalmente como uma das mais bem-sucedidas iniciativas de conservação marinha do mundo.
"Na próxima temporada de desova o Tamar vai completar 40 anos e atingir a marca de 40 milhões de tartarugas marinhas protegidas. Podemos dizer que a tartaruga de número 40 milhões já existe e navega em uma viagem transcontinental rumo às praias brasileiras. Mas é importante lembrar que a cada mil tartarugas que nascem, apenas uma ou duas sobrevivem. Ainda há muito a fazer para livrar esses animais da ameaça de extinção", diz o fundador do Projeto Tamar, Guy Marcovaldi.
Crianças da rede pública de Aracaju foram convidadas a participar da soltura e conferir de perto os filhotinhos irem para o mar. Adicionalmente, as crianças terão oportunidade de conhecer as atividades do Oceanário do Tamar na cidade, com uma visita guiada. Além da soltura, será realizado o "Concerto às Tartarugas Marinhas", com Orquestra Sinfônica de Sergipe, às 20h30, no Teatro Tobias Barreto, em Aracaju (SE). Regida pelo maestro Guilherme Mannis, a Orquestra irá apresentar três movimentos, em referência à três das espécies protegidas pelo projeto: Eretmochelys imbricata (tartaruga-de-pente), Caretta caretta (tartaruga-cabeçuda) e Lepidochelys olivacea (tartaruga-oliva), além de outras programações musicais. O evento é gratuito e aberto ao público.
A atuação conjunta da Petrobras com o Tamar é uma parceria de 39 anos, integrante do Programa Petrobras Socioambiental. O objetivo principal do projeto é a conservação de cinco espécies de tartarugas, todas ameaçadas de extinção. Atualmente, o Projeto Tamar está presente em 26 localidades, distribuídas em áreas prioritárias de desova, alimentação, migração e descanso. Estudos científicos mostram que as populações de tartarugas marinhas no Brasil estão se recuperando.
São animais de ciclo de vida longo, que levam de 20 a 30 anos para se reproduzir. A cada temporada reprodutiva o número de filhotes que nasce nas praias monitoradas pelo Projeto passa de 2 milhões, além de muitas tartarugas jovens e adultas que são protegidas e salvas da captura incidental na pesca. Acidentes com redes e anzóis, atropelamentos, trânsito de veículos nas praias e plástico são fatores de risco para as tartarugas.