Aracaju contra a dengue

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 16/09/2019 às 12:32:00

 

É possível erradicar a dengue. Pro
va disso, bastaram dois meses, 
entre julho e setembro, para o número de casos notificados em Aracaju cair pela metade. Sem um trabalho preventivo continuado, outras cidades sergipanas seguem infestadas pelo Aedes Aegypti.
Segundo o prefeito Edvaldo Nogueira, o bom resultado, ainda aquém do risco de vida e morte proporcionado pelo mosquito, é resultado do acompanhamento realizado pela Prefeitura. Quando o levantamento periódico demonstrou a necessidade de uma reação mais forte, as ações de combate foram intensificadas, de bate pronto.
O Aedes Aegypti não é um mal impossível de ser debelado. Segundo o levantamento mais recente, nenhum bairro de Aracaju está com alto risco de infestação. Dos 43 bairros, 18 estão com baixo risco (42%) e 25 com médio. Outro ponto ressaltado pela Prefeitura de Aracaju refere-se à redução unificada da doença em regiões anteriormente apontadas como as mais atingidas pelo mosquito.
Para fazer frente à dengue é preciso manter os olhos abertos, o tempo inteiro. Por isso é que os bairros Palestina, Pereira Lobo e Cidade Nova estão na mira da Prefeitura. Este fim de semana, os agentes de combate a endemias vão bater de porta em porta, vistoriando milhares de casas, uma por uma.
Para alguns, no entanto, as providências chegaram tarde. Crianças também morreram em Aracaju, sem forças para lutar contra a dengue. Em que pese o bom trabalho realizado pela Prefeitura, é preciso que o poder público em todas as esferas realmente se preste ao combate do mosquito da dengue, com o fim de cortar o mal pela raiz. Infelizmente, a gravidade da questão ainda é subestimada. As vidas perdidas a troco de nada acusam a negligência das autoridades, sempre um passo atrás de uma suposta fatalidade.

É possível erradicar a dengue. Pro va disso, bastaram dois meses,  entre julho e setembro, para o número de casos notificados em Aracaju cair pela metade. Sem um trabalho preventivo continuado, outras cidades sergipanas seguem infestadas pelo Aedes Aegypti.
Segundo o prefeito Edvaldo Nogueira, o bom resultado, ainda aquém do risco de vida e morte proporcionado pelo mosquito, é resultado do acompanhamento realizado pela Prefeitura. Quando o levantamento periódico demonstrou a necessidade de uma reação mais forte, as ações de combate foram intensificadas, de bate pronto.
O Aedes Aegypti não é um mal impossível de ser debelado. Segundo o levantamento mais recente, nenhum bairro de Aracaju está com alto risco de infestação. Dos 43 bairros, 18 estão com baixo risco (42%) e 25 com médio. Outro ponto ressaltado pela Prefeitura de Aracaju refere-se à redução unificada da doença em regiões anteriormente apontadas como as mais atingidas pelo mosquito.
Para fazer frente à dengue é preciso manter os olhos abertos, o tempo inteiro. Por isso é que os bairros Palestina, Pereira Lobo e Cidade Nova estão na mira da Prefeitura. Este fim de semana, os agentes de combate a endemias vão bater de porta em porta, vistoriando milhares de casas, uma por uma.
Para alguns, no entanto, as providências chegaram tarde. Crianças também morreram em Aracaju, sem forças para lutar contra a dengue. Em que pese o bom trabalho realizado pela Prefeitura, é preciso que o poder público em todas as esferas realmente se preste ao combate do mosquito da dengue, com o fim de cortar o mal pela raiz. Infelizmente, a gravidade da questão ainda é subestimada. As vidas perdidas a troco de nada acusam a negligência das autoridades, sempre um passo atrás de uma suposta fatalidade.