Menina atropelada em Socorro morre no Huse

Cidades

 

A menina Joana Vitória dos Santos, de três anos, morreu no começo da manhã de ontem, depois de ficar 11 dias internada em estado grave no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). Ela foi atropelada no dia 1° de setembro, depois que um VW Fusca ocupado por três pessoas, em alta velocidade, atravessou uma praça no Conjunto João Alves, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju). Joana estava internada na Ala Vermelha e sofreu fraturas muito graves, principalmente na cabeça. Ela chegou a ser colocada na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), mas não resistiu.
O corpo foi encaminhado ao final da manhã para o Instituto Médico-Legal (IML), velado durante a tarde e sepultado no Cemitério São João Batista, no conjunto Costa e Silva (zona oeste). O avô da menina, Gilson dos Santos, pede justiça contra a mulher que provocou o atropelamento. "Ela fugiu do local, não foi na delegacia e nem foi no hospital pra saber como é que estava a minha neta. Queremos que se faça a justiça. A justiça de Deus e a dos homens. E que ela pague pelo que ela fez", desabafou ele, que chorou ao definir Joana como a criança que ele mais amava. 
De acordo com testemunhas, a condutora perdeu a direção do veículo, atravessou uma praça, atingiu Joana e só parou ao bater contra o muro de uma residência. A menina estava no local com a mãe e os dois irmãos maiores, enquanto esperavam um ônibus. Na ocasião, a motorista fugiu sem prestar socorro, mas os documentos dela e do veículo foram deixados dentro do automóvel. Uma mulher que teria ajudado a condutora a sair do local chegou a ser presa pela Polícia Militar e posteriormente liberada. 
A Polícia Civil informa que instaurou um inquérito na 5ª Delegacia Metropolitana (5ª DM) para investigar o atropelamento e que ele já está praticamente concluído. A condutora se apresentou à polícia e disse em depoimento que permaneceu no local após o acidente, mas que, diante das reações agressivas de populares, entrou em contato com o namorado, que a levou do local. Antes de seguir para a delegacia, ela passou no hospital para saber o estado da vítima, uma informação que acabou confirmada por um policial militar que atendeu a ocorrência.
Ainda de acordo com a Civil, todos os envolvidos, incluindo familiares da menina, já foram ouvidos em depoimento e aguarda-se, no momento, a conclusão de laudos de perícia, realizados no carro, para apontar a real causa da perda de controle alegada pela condutora. O resultado da necropsia realizada no corpo da menina também é esperado pela 5ª DM. (Gabriel Damásio)

A menina Joana Vitória dos Santos, de três anos, morreu no começo da manhã de ontem, depois de ficar 11 dias internada em estado grave no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). Ela foi atropelada no dia 1° de setembro, depois que um VW Fusca ocupado por três pessoas, em alta velocidade, atravessou uma praça no Conjunto João Alves, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju). Joana estava internada na Ala Vermelha e sofreu fraturas muito graves, principalmente na cabeça. Ela chegou a ser colocada na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), mas não resistiu.
O corpo foi encaminhado ao final da manhã para o Instituto Médico-Legal (IML), velado durante a tarde e sepultado no Cemitério São João Batista, no conjunto Costa e Silva (zona oeste). O avô da menina, Gilson dos Santos, pede justiça contra a mulher que provocou o atropelamento. "Ela fugiu do local, não foi na delegacia e nem foi no hospital pra saber como é que estava a minha neta. Queremos que se faça a justiça. A justiça de Deus e a dos homens. E que ela pague pelo que ela fez", desabafou ele, que chorou ao definir Joana como a criança que ele mais amava. 
De acordo com testemunhas, a condutora perdeu a direção do veículo, atravessou uma praça, atingiu Joana e só parou ao bater contra o muro de uma residência. A menina estava no local com a mãe e os dois irmãos maiores, enquanto esperavam um ônibus. Na ocasião, a motorista fugiu sem prestar socorro, mas os documentos dela e do veículo foram deixados dentro do automóvel. Uma mulher que teria ajudado a condutora a sair do local chegou a ser presa pela Polícia Militar e posteriormente liberada. 
A Polícia Civil informa que instaurou um inquérito na 5ª Delegacia Metropolitana (5ª DM) para investigar o atropelamento e que ele já está praticamente concluído. A condutora se apresentou à polícia e disse em depoimento que permaneceu no local após o acidente, mas que, diante das reações agressivas de populares, entrou em contato com o namorado, que a levou do local. Antes de seguir para a delegacia, ela passou no hospital para saber o estado da vítima, uma informação que acabou confirmada por um policial militar que atendeu a ocorrência.
Ainda de acordo com a Civil, todos os envolvidos, incluindo familiares da menina, já foram ouvidos em depoimento e aguarda-se, no momento, a conclusão de laudos de perícia, realizados no carro, para apontar a real causa da perda de controle alegada pela condutora. O resultado da necropsia realizada no corpo da menina também é esperado pela 5ª DM. (Gabriel Damásio)


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS