Mais uma vítima

Opinião

 

Ultimamente, em matéria de saú-
de pública, o trabalho da im-
prensa está resumido à cobrança dos gestores públicos e a atualização do número de mortos. Vira e mexe, um paciente perde as forças. Sem combate efetivo, a dengue segue colecionando vítimas em Sergipe.
A Secretaria de Estado da Saúde (SES) confirmou ontem a principal suspeita da equipe médica do Hospital de Urgência de Sergipe. Uma adolescente de apenas 13 anos, internada na última sexta-feira, engrossou as estatísticas da dengue. Outro caso, desta vez no Hospital Regional de Nossa Senhora da Glória, permanece sob investigação.
Doze casos de vítimas fatais de dengue já foram confirmados, desde o início do ano. As circunstâncias são quase sempre as mesmas, praticamente não variam. Os poucos agentes de endemias em campo não são suficientes para atender a demanda, simplesmente não dão conta do recado.
Trabalho para os sobrecarregados servidores não falta. O último informe da SES apontou que 74 dos 75 municípios sergipanos apresentaram notificações de dengue. O único município aé salvo de perigo é Santa Rosa de Lima, no Leste do estado.
Não bastasse as faltas gritantes no enfrentamento corpo a corpo, o governo de Sergipe ainda peca em matéria de infraestrutura. Sem a ampla cobertura de serviços fundamentais como a distribuição de água e coleta de esgoto, por exemplo, as condições necessárias para a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, vetor da dengue, estão postas. Não é à toa que o risco de uma nova epidemia não pode ser descartado por estas praias, há muitos anos.

Ultimamente, em matéria de saú- de pública, o trabalho da im- prensa está resumido à cobrança dos gestores públicos e a atualização do número de mortos. Vira e mexe, um paciente perde as forças. Sem combate efetivo, a dengue segue colecionando vítimas em Sergipe.
A Secretaria de Estado da Saúde (SES) confirmou ontem a principal suspeita da equipe médica do Hospital de Urgência de Sergipe. Uma adolescente de apenas 13 anos, internada na última sexta-feira, engrossou as estatísticas da dengue. Outro caso, desta vez no Hospital Regional de Nossa Senhora da Glória, permanece sob investigação.
Doze casos de vítimas fatais de dengue já foram confirmados, desde o início do ano. As circunstâncias são quase sempre as mesmas, praticamente não variam. Os poucos agentes de endemias em campo não são suficientes para atender a demanda, simplesmente não dão conta do recado.
Trabalho para os sobrecarregados servidores não falta. O último informe da SES apontou que 74 dos 75 municípios sergipanos apresentaram notificações de dengue. O único município aé salvo de perigo é Santa Rosa de Lima, no Leste do estado.
Não bastasse as faltas gritantes no enfrentamento corpo a corpo, o governo de Sergipe ainda peca em matéria de infraestrutura. Sem a ampla cobertura de serviços fundamentais como a distribuição de água e coleta de esgoto, por exemplo, as condições necessárias para a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, vetor da dengue, estão postas. Não é à toa que o risco de uma nova epidemia não pode ser descartado por estas praias, há muitos anos.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS