SOU DO MATO

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 10/09/2019 às 23:31:00

 

*Rangel Alves da Costa
A cidade apenas me acolhe, mas sou do mato. O centro urbano apenas me vê caminhar, mas sou do mato. O asfalto apenas sente o meu passo entre ruas e esquinas, mas sou do mato. 
Meus pés parecem não gostar do chão duro da cidade, pois acostumado com a terra solta do mato. Meus passos parecem não se sentir confortáveis somente entre as ruas e esquinas da cidade, vez que sempre em busca do mato.
De vez em quando, de repente bate uma saudade danada das coisas do mato. Aquele cheiro bom de cozinha matuta, aquela visão maravilhosa da fruta pendendo no pé, aquela vontade danada de uma xícara de café torrado, de um pedaço de cuscuz de milho raldado. Tudo coisa do mato.
Não nasci no mato, em casa moldurada por catingueira e mandacaru, mas sou do mato. Minha infância não foi pelos terreiros da fazenda, na malhada perto do umbuzeiro, também não cresci abrindo porteira nem subindo na madeira de cancela, mas sou do mato. 
Mas então, por que eu sou do mato? Sou do mato por amor, por carinho e devoção sertaneja. Sou do mato por ter os afastados da cidade como casa maior, acolhedora, sublime e cativante. Sou do mato porque é pelos seus caminhos que me reencontro e me satisfaço. 
Sou do mato porque gosto de pisar no chão das veredas, porque gosto de falar com a pedra e o bicho, porque gosto de avistar e bater à porta dos casebres e moradias sertanejas. Por que sou amigo da cancela, do curral, do alpendre, da rede armada em varanda.
Sou do mato porque sinto aquele mundo dentro de mim. Conheço a jurubeba de beira de estrada, conheço a solidão da pedra grande, conheço a imponência do mandacaru com seus braços sempre aberto em direção aos céus.
Sou do mato porque o mato me contenta e me satisfaz, porque o mato tem a paisagem que a cidade não tem, porque a voz do mato chega como conforto e alento. Somente no mato se está perto da lua, abraçando o sol, respirando as purezas do amanhecer.
Sou do mato porque já bebei água de cacimba, já fui ferido por toco de pau, já fui lanhado pela folha irritante da cansanção. E só quem convive com o mato conhece seus personagens, suas surpresas e suas entranhas.
Sou do mato porque também estou no velho sertanejo que não arreda pé de seu casebre, dificilmente vai além da porteira ou pega a estrada. Conheço sua solidão, mas não uma solidão de tristeza, de estar desacompanhado, e sim de gostar de conviver apenas com o seu mundo e sua realidade.
Sou do mato e do velho carro-de-bois à sombra do umbuzeiro, do cocho vazio de palma e do purrão de fundo de quintal. Dos quintais que se estendem e se entranham no mato, das veredas que vão abrindo caminho a outros caminhos.
Sou do mato porque lá nas distâncias, nos beiras de arvoredos e tufos espinhentos, eu avisto e proseio com aquele de viver autêntico no mundo sertanejo. Sou do mato porque é no mato que encontro Seu João, Seu José, Seu Sebastião, Dona Carmosa e Mãe Clotilde. 
É no mato que encontro Lampião, Corisco e Dadá, Bonita Maria e toda a cangaceirama. No mato ainda ouço a bala zunindo, o grito lancinante, o fumaceiro da pólvora. A volante tá ainda no mato, o coiteiro também. 
É no mato que leio as histórias antigas, que conheço as molduras e os retratos do passado. Mato de gente humilde, de casebres envelhecidos, de barro e cipó nas moradas, de moringa na janela, de água boa e fresca no pote. 
Dói-me apenas saber que o mato vai se urbanizar um dia, vai virar rua e avenida, como no passado a cidade já foi somente a mata fechada. Vai ser tristeza demais. E para as distâncias de outros matos, certamente seguirei em busca de paz e sossego. 
Há mato que era mato fechado há pouco tempo, mas agora mais parece um campo de desolação. A mataria foi deitada, derrubada, e o que virá a seguir será sua inteira transformação. A cidade vai avançar e certamente murar onde havia um curral.
Mas por enquanto ainda consigo encontrar o mundo autêntico do mato, com candeeiro e pilão, com tamborete e fogão de lenha, com galinha ciscando e cachorro tocaiando preá. Por isso não estranhe se eu não estiver na cidade. 
Quando eu não estiver na cidade, certamente eu estarei no mato. E no meio do mato colhendo uma lua, plantando um sol, bebendo da água da flor sertaneja. O mato é meu mundo. Do mato sou!
"E "do que me adianta viver na cidade se a felicidade não me acompanhar...".
*Rangel Alves da Costa ,advogado e escritor
Membro da Academia de Letras de Aracaju
blograngel-sertao.blogspot.com

*Rangel Alves da Costa

A cidade apenas me acolhe, mas sou do mato. O centro urbano apenas me vê caminhar, mas sou do mato. O asfalto apenas sente o meu passo entre ruas e esquinas, mas sou do mato. 
Meus pés parecem não gostar do chão duro da cidade, pois acostumado com a terra solta do mato. Meus passos parecem não se sentir confortáveis somente entre as ruas e esquinas da cidade, vez que sempre em busca do mato.
De vez em quando, de repente bate uma saudade danada das coisas do mato. Aquele cheiro bom de cozinha matuta, aquela visão maravilhosa da fruta pendendo no pé, aquela vontade danada de uma xícara de café torrado, de um pedaço de cuscuz de milho raldado. Tudo coisa do mato.
Não nasci no mato, em casa moldurada por catingueira e mandacaru, mas sou do mato. Minha infância não foi pelos terreiros da fazenda, na malhada perto do umbuzeiro, também não cresci abrindo porteira nem subindo na madeira de cancela, mas sou do mato. 
Mas então, por que eu sou do mato? Sou do mato por amor, por carinho e devoção sertaneja. Sou do mato por ter os afastados da cidade como casa maior, acolhedora, sublime e cativante. Sou do mato porque é pelos seus caminhos que me reencontro e me satisfaço. 
Sou do mato porque gosto de pisar no chão das veredas, porque gosto de falar com a pedra e o bicho, porque gosto de avistar e bater à porta dos casebres e moradias sertanejas. Por que sou amigo da cancela, do curral, do alpendre, da rede armada em varanda.
Sou do mato porque sinto aquele mundo dentro de mim. Conheço a jurubeba de beira de estrada, conheço a solidão da pedra grande, conheço a imponência do mandacaru com seus braços sempre aberto em direção aos céus.
Sou do mato porque o mato me contenta e me satisfaz, porque o mato tem a paisagem que a cidade não tem, porque a voz do mato chega como conforto e alento. Somente no mato se está perto da lua, abraçando o sol, respirando as purezas do amanhecer.
Sou do mato porque já bebei água de cacimba, já fui ferido por toco de pau, já fui lanhado pela folha irritante da cansanção. E só quem convive com o mato conhece seus personagens, suas surpresas e suas entranhas.
Sou do mato porque também estou no velho sertanejo que não arreda pé de seu casebre, dificilmente vai além da porteira ou pega a estrada. Conheço sua solidão, mas não uma solidão de tristeza, de estar desacompanhado, e sim de gostar de conviver apenas com o seu mundo e sua realidade.
Sou do mato e do velho carro-de-bois à sombra do umbuzeiro, do cocho vazio de palma e do purrão de fundo de quintal. Dos quintais que se estendem e se entranham no mato, das veredas que vão abrindo caminho a outros caminhos.
Sou do mato porque lá nas distâncias, nos beiras de arvoredos e tufos espinhentos, eu avisto e proseio com aquele de viver autêntico no mundo sertanejo. Sou do mato porque é no mato que encontro Seu João, Seu José, Seu Sebastião, Dona Carmosa e Mãe Clotilde. 
É no mato que encontro Lampião, Corisco e Dadá, Bonita Maria e toda a cangaceirama. No mato ainda ouço a bala zunindo, o grito lancinante, o fumaceiro da pólvora. A volante tá ainda no mato, o coiteiro também. 
É no mato que leio as histórias antigas, que conheço as molduras e os retratos do passado. Mato de gente humilde, de casebres envelhecidos, de barro e cipó nas moradas, de moringa na janela, de água boa e fresca no pote. 
Dói-me apenas saber que o mato vai se urbanizar um dia, vai virar rua e avenida, como no passado a cidade já foi somente a mata fechada. Vai ser tristeza demais. E para as distâncias de outros matos, certamente seguirei em busca de paz e sossego. 
Há mato que era mato fechado há pouco tempo, mas agora mais parece um campo de desolação. A mataria foi deitada, derrubada, e o que virá a seguir será sua inteira transformação. A cidade vai avançar e certamente murar onde havia um curral.
Mas por enquanto ainda consigo encontrar o mundo autêntico do mato, com candeeiro e pilão, com tamborete e fogão de lenha, com galinha ciscando e cachorro tocaiando preá. Por isso não estranhe se eu não estiver na cidade. 
Quando eu não estiver na cidade, certamente eu estarei no mato. E no meio do mato colhendo uma lua, plantando um sol, bebendo da água da flor sertaneja. O mato é meu mundo. Do mato sou!
"E "do que me adianta viver na cidade se a felicidade não me acompanhar...".

*Rangel Alves da Costa ,advogado e escritorMembro da Academia de Letras de Aracajublograngel-sertao.blogspot.com