PÁTRIA ARMADA, IDOLATRADA

Opinião

 

* Lelê Teles
Um revólver, você sabe, não é um adereço.
Um sujeito não pode sair por aí ostentando uma pistola como quem usa uma gravata, um relógio ou um par de brincos.
A não ser que ele pertença à família Bolsonaro.
A arma, para esses camaradas, é um fetiche. 
Como caboclos no velho oeste, os cabras se divertem em clubes de tiro.
E nunca é demais lembrar que, no tiro ao alvo, o alvo é sempre preto!
São, todos eles, acometidos pelo que os especialistas chamam de SVQS, a síndrome do valentão da quinta série.
Chegaram a inverter o L de Lula para transformá-lo em um revólver, que bozo fez questão de colocar na mão de uma criança, numa vexosa demonstração de irresponsabilidade.
Não satisfeito em simular um trabuco com os dedos, o maluco que nos preside fez de um tripé uma espingarda, com a qual ameaçou "metralhar a petralhada" .
Numa linguagem típica de moleque de nariz sujo.
Até na Marcha para Jesus, meu Zeus, o sacana disparou seu disparate.
Durante a posse do presidente, o filho Carluxo, sentado na cadeirinha de bebê do Rolls Royce, ostentava uma arma de fogo, como um pavão ostenta o rabo, mesmo com o forte aparato de segurança que contava o presidente eleito.
A questão nem é a segurança, porque o presidente já disse que dorme com o pau de fogo ao lado da esposa e da cama, dentro do palácio.
Veja que palhaçada.
Como se um trombadinha fosse invadir a morada presidencial para roubar uma TV de plasma ou um botijão de gás.
Agora é o fritador de hambúrguer que, fazendo pose para foto, exibe uma pistola na cinta dentro de um hospital!
Gente, isso não é normal.
Será que entram na sauna, tomam banho e trepam com a arma na cintura?
Por que diabos esse abjeto objeto fálico exerce tanto fascínio nesses caras?
Que mensagem pretendem passar para a nação, além da que são, eles, uma família sem noção?
Ah, e não podemos esquecer que bozo estava cercado de marmanjos armados quando um maluco lhe desferiu uma facada.
O que deixa claro que ter sempre um revólver nem sempre resolve.
Nunca, jamais, foram vistos com um livro na mão.
Ou estão plantando ódio na internet, ou estão a assistir ao Chaplin Colorado, ou estão lambendo o cano de uma pistola.
Sei não, viu!
Questões enigmáticas.
* Lelê Teles, jornalista, publicitário e roteirista

* Lelê Teles

Um revólver, você sabe, não é um adereço.
Um sujeito não pode sair por aí ostentando uma pistola como quem usa uma gravata, um relógio ou um par de brincos.
A não ser que ele pertença à família Bolsonaro.
A arma, para esses camaradas, é um fetiche. 
Como caboclos no velho oeste, os cabras se divertem em clubes de tiro.
E nunca é demais lembrar que, no tiro ao alvo, o alvo é sempre preto!
São, todos eles, acometidos pelo que os especialistas chamam de SVQS, a síndrome do valentão da quinta série.
Chegaram a inverter o L de Lula para transformá-lo em um revólver, que bozo fez questão de colocar na mão de uma criança, numa vexosa demonstração de irresponsabilidade.
Não satisfeito em simular um trabuco com os dedos, o maluco que nos preside fez de um tripé uma espingarda, com a qual ameaçou "metralhar a petralhada" .
Numa linguagem típica de moleque de nariz sujo.
Até na Marcha para Jesus, meu Zeus, o sacana disparou seu disparate.
Durante a posse do presidente, o filho Carluxo, sentado na cadeirinha de bebê do Rolls Royce, ostentava uma arma de fogo, como um pavão ostenta o rabo, mesmo com o forte aparato de segurança que contava o presidente eleito.
A questão nem é a segurança, porque o presidente já disse que dorme com o pau de fogo ao lado da esposa e da cama, dentro do palácio.
Veja que palhaçada.
Como se um trombadinha fosse invadir a morada presidencial para roubar uma TV de plasma ou um botijão de gás.
Agora é o fritador de hambúrguer que, fazendo pose para foto, exibe uma pistola na cinta dentro de um hospital!
Gente, isso não é normal.
Será que entram na sauna, tomam banho e trepam com a arma na cintura?
Por que diabos esse abjeto objeto fálico exerce tanto fascínio nesses caras?
Que mensagem pretendem passar para a nação, além da que são, eles, uma família sem noção?
Ah, e não podemos esquecer que bozo estava cercado de marmanjos armados quando um maluco lhe desferiu uma facada.
O que deixa claro que ter sempre um revólver nem sempre resolve.
Nunca, jamais, foram vistos com um livro na mão.
Ou estão plantando ódio na internet, ou estão a assistir ao Chaplin Colorado, ou estão lambendo o cano de uma pistola.
Sei não, viu!
Questões enigmáticas.

* Lelê Teles, jornalista, publicitário e roteirista

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS