PM vai fiscalizar área para evitar nova invasão

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A área no Marcos Freire vai continuar sento fiscalizada para evitar novas invasões
A área no Marcos Freire vai continuar sento fiscalizada para evitar novas invasões

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 10/09/2019 às 23:16:00

 

Por tempo indeterminado agentes da Polícia Militar e inspetores da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade (Sedurbs) fiscalizarão diariamente o terreno que foi palco de reintegração de posse realizada na manhã da última segunda-feira (09), no Conjunto Marcos Freire II, município de Nossa Senhora do Socorro. Visando construir no local mil unidades habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida do Governo Federal, o Governo do Estado deseja evitar que o espaço volte a aglomerar famílias invasoras. A determinação de monitoramento policial partiu do governador Belivaldo Chagas, e foi iniciado já na manhã de ontem.
Segundo o poder executivo estadual, no início da semana passada foi possível perceber que cerca de 70 famílias passaram a demarcar a área e construir barracos visando moradia imediata. No final de semana já era possível observar estruturas de palafita erguidas e pessoas habitando no espaço. Apesar de a maioria desses loteamentos clandestinos serem, na maioria dos casos, erguidos com tapumes e lonas de plástico, em alguns pontos do terreno existiam demarcações feitas com alvenaria. O processo de reintegração, realizado com amparo jurídico, contou com o apoio operacional de tratores e caminhões.
Ao JORNAL DO DIA Josyanne dos Santos, de 43 anos, lamentou a medida adotada pelo governo e garantiu que o espaço há anos segue improdutivo. "Não fazem nada aqui; não plantam, não transformam em galpão, estacionamento, não constroem hospital, escola, nada, simplesmente nada. Quando a gente, que não tem onde morar, passa a ocupar, logo vem uma viatura da polícia e alguns outros funcionários de secretaria dizendo que não podemos ficar. Isso é realmente brincar com a cara do cidadão pobre, das famílias que não possuem nada nessa vida. Nem esperança temos mais", criticou. A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade confirmou que o espaço está reservado para construção das casas.
Mesmo confirmando a existência, inclusive, da empresa responsável por realizar a obra, a pasta enaltece que o projeto habitacional está devidamente pronto, mas não há previsão de início por depender de repasses de verbas por parte do Governo Federal. O secretário Ubirajara Barreto reafirmou a necessidade das rondas militares, e destacou que, assim que o investimento for transferido para os cofres públicos estaduais, a obra será iniciado em caráter imediato. (Milton Alves Júnior)

Por tempo indeterminado agentes da Polícia Militar e inspetores da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade (Sedurbs) fiscalizarão diariamente o terreno que foi palco de reintegração de posse realizada na manhã da última segunda-feira (09), no Conjunto Marcos Freire II, município de Nossa Senhora do Socorro. Visando construir no local mil unidades habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida do Governo Federal, o Governo do Estado deseja evitar que o espaço volte a aglomerar famílias invasoras. A determinação de monitoramento policial partiu do governador Belivaldo Chagas, e foi iniciado já na manhã de ontem.
Segundo o poder executivo estadual, no início da semana passada foi possível perceber que cerca de 70 famílias passaram a demarcar a área e construir barracos visando moradia imediata. No final de semana já era possível observar estruturas de palafita erguidas e pessoas habitando no espaço. Apesar de a maioria desses loteamentos clandestinos serem, na maioria dos casos, erguidos com tapumes e lonas de plástico, em alguns pontos do terreno existiam demarcações feitas com alvenaria. O processo de reintegração, realizado com amparo jurídico, contou com o apoio operacional de tratores e caminhões.
Ao JORNAL DO DIA Josyanne dos Santos, de 43 anos, lamentou a medida adotada pelo governo e garantiu que o espaço há anos segue improdutivo. "Não fazem nada aqui; não plantam, não transformam em galpão, estacionamento, não constroem hospital, escola, nada, simplesmente nada. Quando a gente, que não tem onde morar, passa a ocupar, logo vem uma viatura da polícia e alguns outros funcionários de secretaria dizendo que não podemos ficar. Isso é realmente brincar com a cara do cidadão pobre, das famílias que não possuem nada nessa vida. Nem esperança temos mais", criticou. A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade confirmou que o espaço está reservado para construção das casas.
Mesmo confirmando a existência, inclusive, da empresa responsável por realizar a obra, a pasta enaltece que o projeto habitacional está devidamente pronto, mas não há previsão de início por depender de repasses de verbas por parte do Governo Federal. O secretário Ubirajara Barreto reafirmou a necessidade das rondas militares, e destacou que, assim que o investimento for transferido para os cofres públicos estaduais, a obra será iniciado em caráter imediato. (Milton Alves Júnior)