Homem mata a companheira e se suicida em Moita Bonita

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Henrique dos Santos Mendonça e Liliane de Santana Santos tinham 23 anos de idade
Henrique dos Santos Mendonça e Liliane de Santana Santos tinham 23 anos de idade

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 10/09/2019 às 23:08:00

 

Gabriel Damásio
Um crime passional 
chocou a popula
ção de Moita Bonita (Agreste), onde um casal foi encontrado morto no final da tarde desta segunda-feira, dentro de uma casa no centro da cidade. O carregador Henrique dos Santos Mendonça e a desempregada Liliane de Santana Santos tinham 23 anos de idade e moravam juntos há cerca de dois anos. Segundo informações da família, o casal estava prestes a se separar e enfrentava uma crise no relacionamento, o que vem sendo apontado por familiares como o possível motivo do crime. A polícia concluiu que o caso foi um feminicídio (morte de mulheres por motivação machista) seguido de suicídio. Ou seja: Henrique executou Liliane durante uma briga e em seguida atirou contra si mesmo. 
Os corpos foram encontrados por soldados da Polícia Militar, que foram chamados ao local a pedido da família de Liliane, que ficou preocupada porque ela não atendeu mais às ligações da mãe. Os dois foram vistos juntos pela última vez na noite de domingo, durante uma festa na cidade vizinha de Ribeirópolis. "Desde ontem [segunda-feira] de manhã, a mãe tenta ligar pra ela e ela não atende, e foi na casa dela para chamá-la algumas vezes, mas não atendeu. A família recebeu que a moto dele [Henrique] estava dentro de casa. Chamamos a polícia, eles arrombaram a porta e encontraram os dois corpos", relatou o vereador Elias Santos Barreto, que é primo de Liliane. Segundo a polícia, os cadáveres estavam despidos, com marcas de luta corporal e de tiros na cabeça. 
A delegada Clarissa Lobo, da Delegacia de Moita Bonita, confirmou que o casal tinha uma relação conturbada e já teve episódios de violência, apesar de nenhuma denúncia ter sido feita às autoridades. "Tinha muitas brigas por ciúmes, muitas separações e muitas retomadas. Nada disso foi registrado. Ela nunca buscou a delegacia de polícia para falar de qualquer ato de violência ou ameaça que ele tenha feito contra ela, mas era conhecido de toda a cidade que eles brigavam, se separavam e até se relacionavam com outras pessoas, mas voltavam invariavelmente", disse. O primo Elias também confirmou as brigas e que houve até uma ameaça de Henrique com arma contra a companheira, na primeira vez em que eles se separaram. "Tinha essas brigas, ainda tentamos intervir, dar conselho... mas ele era fanático por ela", definiu. 
A polícia considerou ainda o passado de Henrique, que já foi preso e respondeu a processos por roubo, desordem, porte ilegal de arma de fogo e desacato à autoridade. "Ele foi preso há uns três ou quatro meses por ter reagido a uma condução coercitiva, que foi decretada porque ele se recusou a comparecer a uma delegacia. Ele chegou a machucar o braço de um policial", afirmou Clarissa, acrescentando que "havia rumores" de que o carregador já tinha mencionado a intenção de matar Liliane, mas ela não acreditava que ele poderia cumprir as ameaças. "As mulheres não acreditam que os companheiros podem fazer isso, mas casais jovens acabam tendo um final trágico e as famílias choram e sofrem as mortes", lamentou ela.
Um revólver calibre 38 foi apreendido na casa, junto dos corpos, e foi encaminhado para perícia. Os corpos de Henrique e Liliane foram liberados ontem de manhã pelo Instituto Médico Legal e serão sepultados hoje no cemitério da cidade. O vereador já tinha alertado publicamente para o aumento dos casos de suicídio em Moita Bonita e apresentou há poucos dias, na Câmara Municipal, uma indicação para que a Prefeitura local faça uma audiência pública sobre a campanha 'Setembro Amarelo', de prevenção contra o suicídio. "Acho que Moita é campeã em suicídios no interior de Sergipe. Há uns 15 dias, a gente teve outro suicídio na cidade, por envenenamento. Às vezes os filhos falam que vão fazer isso e os pais não prestam atenção, preferem julgar, crucificar, e não olhar o que seus filhos estão sentindo por dentro", alerta. 

Gabriel Damásio

Um crime passional  chocou a popula ção de Moita Bonita (Agreste), onde um casal foi encontrado morto no final da tarde desta segunda-feira, dentro de uma casa no centro da cidade. O carregador Henrique dos Santos Mendonça e a desempregada Liliane de Santana Santos tinham 23 anos de idade e moravam juntos há cerca de dois anos. Segundo informações da família, o casal estava prestes a se separar e enfrentava uma crise no relacionamento, o que vem sendo apontado por familiares como o possível motivo do crime. A polícia concluiu que o caso foi um feminicídio (morte de mulheres por motivação machista) seguido de suicídio. Ou seja: Henrique executou Liliane durante uma briga e em seguida atirou contra si mesmo. 
Os corpos foram encontrados por soldados da Polícia Militar, que foram chamados ao local a pedido da família de Liliane, que ficou preocupada porque ela não atendeu mais às ligações da mãe. Os dois foram vistos juntos pela última vez na noite de domingo, durante uma festa na cidade vizinha de Ribeirópolis. "Desde ontem [segunda-feira] de manhã, a mãe tenta ligar pra ela e ela não atende, e foi na casa dela para chamá-la algumas vezes, mas não atendeu. A família recebeu que a moto dele [Henrique] estava dentro de casa. Chamamos a polícia, eles arrombaram a porta e encontraram os dois corpos", relatou o vereador Elias Santos Barreto, que é primo de Liliane. Segundo a polícia, os cadáveres estavam despidos, com marcas de luta corporal e de tiros na cabeça. 
A delegada Clarissa Lobo, da Delegacia de Moita Bonita, confirmou que o casal tinha uma relação conturbada e já teve episódios de violência, apesar de nenhuma denúncia ter sido feita às autoridades. "Tinha muitas brigas por ciúmes, muitas separações e muitas retomadas. Nada disso foi registrado. Ela nunca buscou a delegacia de polícia para falar de qualquer ato de violência ou ameaça que ele tenha feito contra ela, mas era conhecido de toda a cidade que eles brigavam, se separavam e até se relacionavam com outras pessoas, mas voltavam invariavelmente", disse. O primo Elias também confirmou as brigas e que houve até uma ameaça de Henrique com arma contra a companheira, na primeira vez em que eles se separaram. "Tinha essas brigas, ainda tentamos intervir, dar conselho... mas ele era fanático por ela", definiu. 
A polícia considerou ainda o passado de Henrique, que já foi preso e respondeu a processos por roubo, desordem, porte ilegal de arma de fogo e desacato à autoridade. "Ele foi preso há uns três ou quatro meses por ter reagido a uma condução coercitiva, que foi decretada porque ele se recusou a comparecer a uma delegacia. Ele chegou a machucar o braço de um policial", afirmou Clarissa, acrescentando que "havia rumores" de que o carregador já tinha mencionado a intenção de matar Liliane, mas ela não acreditava que ele poderia cumprir as ameaças. "As mulheres não acreditam que os companheiros podem fazer isso, mas casais jovens acabam tendo um final trágico e as famílias choram e sofrem as mortes", lamentou ela.
Um revólver calibre 38 foi apreendido na casa, junto dos corpos, e foi encaminhado para perícia. Os corpos de Henrique e Liliane foram liberados ontem de manhã pelo Instituto Médico Legal e serão sepultados hoje no cemitério da cidade. O vereador já tinha alertado publicamente para o aumento dos casos de suicídio em Moita Bonita e apresentou há poucos dias, na Câmara Municipal, uma indicação para que a Prefeitura local faça uma audiência pública sobre a campanha 'Setembro Amarelo', de prevenção contra o suicídio. "Acho que Moita é campeã em suicídios no interior de Sergipe. Há uns 15 dias, a gente teve outro suicídio na cidade, por envenenamento. Às vezes os filhos falam que vão fazer isso e os pais não prestam atenção, preferem julgar, crucificar, e não olhar o que seus filhos estão sentindo por dentro", alerta.