Ray Bregiatto conta como venceu a depressão e síndrome do pânico

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Fernanda D\'avila está no México, em Cancún, e segue compartilhando nas suas redes sociais fotos de biquini que estão levando os seguidores à loucura em cenários paradisíacos. Ela está curtindo alguns dias de férias e pelo Instagram mantém os seguidor
Fernanda D\'avila está no México, em Cancún, e segue compartilhando nas suas redes sociais fotos de biquini que estão levando os seguidores à loucura em cenários paradisíacos. Ela está curtindo alguns dias de férias e pelo Instagram mantém os seguidor

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 05/09/2019 às 23:22:00

 

A infância de Ray Bregiatto foi marcada por problemas familiares. O ambiente familiar associado aos constantes ataques que sofria na escola por conta da aparência desenvolveram na influenciadora questões como autoestima baixa e estado de melancolia frequentes.
Porém, o auge dessas questões vieram na adolescência, quando a crises de tristeza eram bem mais frequentes e alteravam até mesmo a forma como se comportava. "Eu me sentia como uma bomba-relógio prestes a explodir. Tinha surtos, crises de raiva, me sentia desmotivada, triste do nada e cada vez mais apática. Não entendia muito bem a situação ou o porquê daquilo."
A influenciadora também convivia como crises de pânico tão intensas, que houveram momentos em que não conseguia sair de casa - pois tinha medo de andar na rua-,  e ficar em lugares muito fechados. Em alguns episódios, relata que acordava no meio da noite com falta de ar. O pânico surgia até quando estava dormindo.

A infância de Ray Bregiatto foi marcada por problemas familiares. O ambiente familiar associado aos constantes ataques que sofria na escola por conta da aparência desenvolveram na influenciadora questões como autoestima baixa e estado de melancolia frequentes.
Porém, o auge dessas questões vieram na adolescência, quando a crises de tristeza eram bem mais frequentes e alteravam até mesmo a forma como se comportava. "Eu me sentia como uma bomba-relógio prestes a explodir. Tinha surtos, crises de raiva, me sentia desmotivada, triste do nada e cada vez mais apática. Não entendia muito bem a situação ou o porquê daquilo."
A influenciadora também convivia como crises de pânico tão intensas, que houveram momentos em que não conseguia sair de casa - pois tinha medo de andar na rua-,  e ficar em lugares muito fechados. Em alguns episódios, relata que acordava no meio da noite com falta de ar. O pânico surgia até quando estava dormindo.