Manifestação do Sintese cobra transparência do Governo de Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A manifestação do Sintese foi no Calçadão
A manifestação do Sintese foi no Calçadão

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 29/08/2019 às 22:51:00

 

'A crise em Sergipe é fake' foi o tema da aula pública realizada pelo SINTESE e a CUT/SE (Central Única dos Trabalhadores), na manhã desta quinta-feira, dia 29 de agosto, no Calçadão da João Pessoa, em Aracaju. O protesto reuniu professores da Rede Pública de Ensino de Sergipe dos municípios de Neópolis, Estância, Itabaiana, Campo do Brito, Arauá, Indiaroba, Japoatã, Nossa Senhora do Socorro, São Cristóvão e Aracaju.
Diretor de Formação da CUT/SE e vice-presidente do SINTESE, Roberto Silva afirmou que a receita do Estado cresceu em mais de R$ 500 milhões no último ano. "Que crise é esta com crescimento de arrecadação? Então viemos aqui conversar com a população de Sergipe. Denunciar que o discurso de crise é só uma desculpa para não investir em políticas públicas e para não conceder o reajuste dos servidores que amargam 7 anos sem aumento salarial. Viemos apresentar o estudo do SINTESE provando que há recurso, mas o que falta é vontade política. Os investimentos em educação não chegaram ao mínimo defendido em lei. Mas há um crescimento absurdo de despesa com folha de pagamento que é inexplicável. Não houve aumento nos últimos 7 anos para os servidores, então como é que a folha de pagamento cresceu em R$ 340 milhões?", questionou o professor Roberto.
Segundo a presidente do Sintese, Ivonete Cruz, falta transparência nas contas do Governo do Estado. "Assistimos a manutenção de um discurso de crise, desde o governo Jackson é a mesma coisa, Belivaldo vai aos meios de comunicação para afirmar que o estado não tem dinheiro para nada. Esse discurso não convence. Exigimos transparência das contas do Governo. Nós temos dados e estudos que comprovam que tem dinheiro para pagar Piso, reajuste e 13º. E vamos continuar denunciando. Governo Belivaldo, abra as contas, essa crise é fake".
Rubens Marques, o professor Dudu, presidente da CUT/SE, avaliou que o crescimento da Folha de Pagamento deve ser decorrente do aumento de cargos comissionados. "Não tem dinheiro para pagar o servidor público, mas deixa a folha de pagamento superlotada de cargos comissionados. É preciso que a sociedade fique atenta para essas movimentações. A maioria dos governadores e prefeitos usam o discurso da crise para arrochar o salário dos trabalhadores no dia-a-dia. A CUT está nas ruas mais uma vez na luta pelo direito à transparência na gestão do recurso público e parabéns ao combativo SINTESE que não sai da luta", discursou.

'A crise em Sergipe é fake' foi o tema da aula pública realizada pelo SINTESE e a CUT/SE (Central Única dos Trabalhadores), na manhã desta quinta-feira, dia 29 de agosto, no Calçadão da João Pessoa, em Aracaju. O protesto reuniu professores da Rede Pública de Ensino de Sergipe dos municípios de Neópolis, Estância, Itabaiana, Campo do Brito, Arauá, Indiaroba, Japoatã, Nossa Senhora do Socorro, São Cristóvão e Aracaju.
Diretor de Formação da CUT/SE e vice-presidente do SINTESE, Roberto Silva afirmou que a receita do Estado cresceu em mais de R$ 500 milhões no último ano. "Que crise é esta com crescimento de arrecadação? Então viemos aqui conversar com a população de Sergipe. Denunciar que o discurso de crise é só uma desculpa para não investir em políticas públicas e para não conceder o reajuste dos servidores que amargam 7 anos sem aumento salarial. Viemos apresentar o estudo do SINTESE provando que há recurso, mas o que falta é vontade política. Os investimentos em educação não chegaram ao mínimo defendido em lei. Mas há um crescimento absurdo de despesa com folha de pagamento que é inexplicável. Não houve aumento nos últimos 7 anos para os servidores, então como é que a folha de pagamento cresceu em R$ 340 milhões?", questionou o professor Roberto.
Segundo a presidente do Sintese, Ivonete Cruz, falta transparência nas contas do Governo do Estado. "Assistimos a manutenção de um discurso de crise, desde o governo Jackson é a mesma coisa, Belivaldo vai aos meios de comunicação para afirmar que o estado não tem dinheiro para nada. Esse discurso não convence. Exigimos transparência das contas do Governo. Nós temos dados e estudos que comprovam que tem dinheiro para pagar Piso, reajuste e 13º. E vamos continuar denunciando. Governo Belivaldo, abra as contas, essa crise é fake".
Rubens Marques, o professor Dudu, presidente da CUT/SE, avaliou que o crescimento da Folha de Pagamento deve ser decorrente do aumento de cargos comissionados. "Não tem dinheiro para pagar o servidor público, mas deixa a folha de pagamento superlotada de cargos comissionados. É preciso que a sociedade fique atenta para essas movimentações. A maioria dos governadores e prefeitos usam o discurso da crise para arrochar o salário dos trabalhadores no dia-a-dia. A CUT está nas ruas mais uma vez na luta pelo direito à transparência na gestão do recurso público e parabéns ao combativo SINTESE que não sai da luta", discursou.