Governo lança programa Sergipe na Idade Certa

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/08/2019 às 23:07:00

 

O Governo de Sergi
pe, por intermédio 
da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc), em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), lançou nesta sexta-feira, o Programa Estadual de Correção de Fluxo Sergipe na Idade Certa, cujo objetivo central é possibilitar intervenções pedagógicas para promover o avanço das aprendizagens dos estudantes do Ensino Fundamental, das séries iniciais e finais, da Rede Estadual de Ensino.
Com o lançamento, o Governo do Estado coloca em prática mais uma meta para a Educação prevista no plano de governo para o quadriênio 2019-2022, que prevê o acompanhamento permanente do fluxo escolar, a fim de corrigir as distorções e superar as práticas de exclusão.
De acordo com o secretário da Seduc, professor Josué Modesto dos Passos Subrinho, a Educação Pública de Sergipe dá mais um passo importante na busca para a elevação dos indicadores. Para ele, é necessário corrigir a distorção escolar para que o aluno obtenha sucesso em sua jornada. "A gente sabia o desafio que era encarar a realidade em que estavam os números. Mesmo assim, assumimos o compromisso de que seria preciso buscar parceiros e começar a trabalhar as estratégias pedagógicas nas escolas-piloto. Sergipe tem as piores taxas de distorção idade-série do Brasil, e estamos empenhados para combater esse problema e a cultura do fracasso escolar", disse.
A diretora do DED, professora Ana Lúcia Lima, afirma que a formação dos gestores escolares das unidades que começam o período experimental trará um impacto positivo no ensino e aprendizagem dos estudantes.
"Nesse sentido, o Programa Sergipe na Idade Certa cumprirá uma lacuna específica para correção da distorção idade-série nas escolas estaduais. Inicialmente implantaríamos somente em 10 escolas, porém, após uma análise detalhada da realidade em Sergipe, decidimos ampliar para as 54 unidades com os maiores índices de distorção. É um programa em que iremos focar na formação dos gestores escolares, coordenadores das equipes regionais, diretores regionais e os professores dos anos iniciais e anos finais para que a gente tenha uma abordagem diferenciada para o trabalho com as nossas crianças e adolescentes que estão em distorção. Utilizaremos metodologias diferenciadas, um olhar acolhedor para eles, para que consigam ter novas perspectivas e recuperar a trajetória escolar", detalhou.
Alunos na idade certa - Os maiores índices de distorção se encontram em Aracaju e Nossa Senhora do Socorro, totalizando mais de 50% em toda a rede estadual. Para implantar o programa, a Seduc constituiu um grupo de professores formadores para trabalhar com os anos iniciais e finais por componente curricular. Assim que o programa for aprovado pelo Conselho Estadual de Educação, a intenção é expandi-lo para as redes municipais.
Gestora da Diretoria de Educação de Aracaju (DEA), a professora Gilvânia Guimarães enfatiza que o programa cumprirá com muita expertise as questões de distorção nas escolas da rede. "Sergipe vive um novo momento, e a gente faz parte disso. É gratificante acompanhar esses avanços que são importantes para as nossas escolas, e acreditamos na importância da coletividade, das parcerias para que nossas metas sejam alcançadas", pontuou.

O Governo de Sergi pe, por intermédio  da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc), em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), lançou nesta sexta-feira, o Programa Estadual de Correção de Fluxo Sergipe na Idade Certa, cujo objetivo central é possibilitar intervenções pedagógicas para promover o avanço das aprendizagens dos estudantes do Ensino Fundamental, das séries iniciais e finais, da Rede Estadual de Ensino.
Com o lançamento, o Governo do Estado coloca em prática mais uma meta para a Educação prevista no plano de governo para o quadriênio 2019-2022, que prevê o acompanhamento permanente do fluxo escolar, a fim de corrigir as distorções e superar as práticas de exclusão.
De acordo com o secretário da Seduc, professor Josué Modesto dos Passos Subrinho, a Educação Pública de Sergipe dá mais um passo importante na busca para a elevação dos indicadores. Para ele, é necessário corrigir a distorção escolar para que o aluno obtenha sucesso em sua jornada. "A gente sabia o desafio que era encarar a realidade em que estavam os números. Mesmo assim, assumimos o compromisso de que seria preciso buscar parceiros e começar a trabalhar as estratégias pedagógicas nas escolas-piloto. Sergipe tem as piores taxas de distorção idade-série do Brasil, e estamos empenhados para combater esse problema e a cultura do fracasso escolar", disse.
A diretora do DED, professora Ana Lúcia Lima, afirma que a formação dos gestores escolares das unidades que começam o período experimental trará um impacto positivo no ensino e aprendizagem dos estudantes.
"Nesse sentido, o Programa Sergipe na Idade Certa cumprirá uma lacuna específica para correção da distorção idade-série nas escolas estaduais. Inicialmente implantaríamos somente em 10 escolas, porém, após uma análise detalhada da realidade em Sergipe, decidimos ampliar para as 54 unidades com os maiores índices de distorção. É um programa em que iremos focar na formação dos gestores escolares, coordenadores das equipes regionais, diretores regionais e os professores dos anos iniciais e anos finais para que a gente tenha uma abordagem diferenciada para o trabalho com as nossas crianças e adolescentes que estão em distorção. Utilizaremos metodologias diferenciadas, um olhar acolhedor para eles, para que consigam ter novas perspectivas e recuperar a trajetória escolar", detalhou.

Alunos na idade certa - Os maiores índices de distorção se encontram em Aracaju e Nossa Senhora do Socorro, totalizando mais de 50% em toda a rede estadual. Para implantar o programa, a Seduc constituiu um grupo de professores formadores para trabalhar com os anos iniciais e finais por componente curricular. Assim que o programa for aprovado pelo Conselho Estadual de Educação, a intenção é expandi-lo para as redes municipais.
Gestora da Diretoria de Educação de Aracaju (DEA), a professora Gilvânia Guimarães enfatiza que o programa cumprirá com muita expertise as questões de distorção nas escolas da rede. "Sergipe vive um novo momento, e a gente faz parte disso. É gratificante acompanhar esses avanços que são importantes para as nossas escolas, e acreditamos na importância da coletividade, das parcerias para que nossas metas sejam alcançadas", pontuou.