Racha no blocão da direita

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O governador Belivaldo Chagas (PSD) não se deixou abater com a decisão do TRE pela cassação do seu mandato e inelegibilidade por oito anos, na segunda-feira. Ontem já estava em Brasília participando de reunião da Frente Parlamentar das regiões Norte, Nord
O governador Belivaldo Chagas (PSD) não se deixou abater com a decisão do TRE pela cassação do seu mandato e inelegibilidade por oito anos, na segunda-feira. Ontem já estava em Brasília participando de reunião da Frente Parlamentar das regiões Norte, Nord

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 20/08/2019 às 23:07:00

 

Como já era esperado o deputado esta
dual Rodrigo Valadares, presidente es
tadual do PTB, ganhou a queda de braço com o presidente do Diretório Municipal do PSL em Aracaju, João Tarantella, e ficará mesmo com o comando do partido do presidente Jair Bolsonaro em Sergipe.
Rodrigo e o vereador Cabo Amintas se reuniram ontem, em Brasília, com a Executiva Nacional do PSL, que referendou o que ficou acordado na semana passada, em Aracaju, entre os dois e o vice-presidente nacional do partido, deputado federal Julian Lemos (PB).
Com o comando do PSL em Sergipe, o deputado se fortalece politicamente uma vez que a legenda tem um bom tempo de televisão e um fundo partidário significativo, por ser um grande partido com 54 deputados federais e com o presidente da República.
Como a coluna já informou, o PSL passará a ser comandado no estado pelo irmão do deputado, o Fábio Vasconcelos. E o comando do Diretório em Aracaju ficará com o vereador Cabo Amintas (PTB), que em março do próximo ano, quando da abertura da janela partidária, deixará o partido e se filiará ao PSL.
O fato de Rodrigo Valadares passar a comandar o PSL em Sergipe, através do seu irmão, não desagradou somente a João Tarantella, que já o agrediu com vários adjetivos, mas, também, aos blocão de direita no estado.
Ontem mesmo, o blocão saiu com nota de alerta ao coordenador do grupo Brasil 200, Lúcio Flávio, por não está honrando compromissos e acordos por uma "direita livre e soberana", dissociada de qualquer vínculo com a esquerda e com os que a representam. 
Revela que em reunião dos movimentos, no dia 12 de agosto, todos se posicionaram contra uma aproximação com Rodrigo Valadares, qualquer partido e político para manter a independência e isenção. Com isso, não aceitam um esquerdista, no caso Rodrigo Valadares, "posar de direita e assumir em Sergipe a presidência do partido que elegeu o presidente da República e uma agenda de direita para o país".
Na nota, o blocão conta que no dia 15 passado, ao saber que estava sendo costurado pelas costas um acordo do PSL com o deputado, alguns integrantes foram pessoalmente "flagrar Lucio Flávio no restaurante Carro de Bois, brindando com taças de vinho e boa comida - em um jantar bastante íntimo com Rodrigo Valadares, o deputado federal Julian Lemos e o vereador cabo Amintas - a troca de comando do PSL em Sergipe". 
Enfatiza a nota: "Quem é verdadeiramente de direita, assim como todos nós dirigentes do blocão de direita, jamais concordará com tal acinte aos princípios e valores da direita.  Esperamos então, a nota do Sr. Lucio Flavio repudiando o fato lamentável do PSL em Sergipe ser assumido por Rodrigo Valadares, assim como nós o fizemos e acordamos em reunião com todo o blocão, que com Rodrigo Valadares, ou qualquer outro político, sobretudo de esquerda, nós não manteríamos diálogo até definição do quadro político para as eleições municipais". 
Trocando em miúdos, Rodrigo Valadares, mesmo se fortalecendo com o PSL, enfrentará grande desgaste político com essa sua posição. Não somente pelas declarações de Tarantella e do blocão da direita, mas, também, por ser um jovem estreante parlamentar de oposição ao governo Belivaldo Chagas, que integra o G4, mas que compactua e se beneficia com intervenção partidária mediante interferência da Executiva Nacional.
É que intervenção partidária de cima para baixo é uma prática da velha política...

Como já era esperado o deputado esta dual Rodrigo Valadares, presidente es tadual do PTB, ganhou a queda de braço com o presidente do Diretório Municipal do PSL em Aracaju, João Tarantella, e ficará mesmo com o comando do partido do presidente Jair Bolsonaro em Sergipe.
Rodrigo e o vereador Cabo Amintas se reuniram ontem, em Brasília, com a Executiva Nacional do PSL, que referendou o que ficou acordado na semana passada, em Aracaju, entre os dois e o vice-presidente nacional do partido, deputado federal Julian Lemos (PB).
Com o comando do PSL em Sergipe, o deputado se fortalece politicamente uma vez que a legenda tem um bom tempo de televisão e um fundo partidário significativo, por ser um grande partido com 54 deputados federais e com o presidente da República.
Como a coluna já informou, o PSL passará a ser comandado no estado pelo irmão do deputado, o Fábio Vasconcelos. E o comando do Diretório em Aracaju ficará com o vereador Cabo Amintas (PTB), que em março do próximo ano, quando da abertura da janela partidária, deixará o partido e se filiará ao PSL.
O fato de Rodrigo Valadares passar a comandar o PSL em Sergipe, através do seu irmão, não desagradou somente a João Tarantella, que já o agrediu com vários adjetivos, mas, também, aos blocão de direita no estado.
Ontem mesmo, o blocão saiu com nota de alerta ao coordenador do grupo Brasil 200, Lúcio Flávio, por não está honrando compromissos e acordos por uma "direita livre e soberana", dissociada de qualquer vínculo com a esquerda e com os que a representam. 
Revela que em reunião dos movimentos, no dia 12 de agosto, todos se posicionaram contra uma aproximação com Rodrigo Valadares, qualquer partido e político para manter a independência e isenção. Com isso, não aceitam um esquerdista, no caso Rodrigo Valadares, "posar de direita e assumir em Sergipe a presidência do partido que elegeu o presidente da República e uma agenda de direita para o país".
Na nota, o blocão conta que no dia 15 passado, ao saber que estava sendo costurado pelas costas um acordo do PSL com o deputado, alguns integrantes foram pessoalmente "flagrar Lucio Flávio no restaurante Carro de Bois, brindando com taças de vinho e boa comida - em um jantar bastante íntimo com Rodrigo Valadares, o deputado federal Julian Lemos e o vereador cabo Amintas - a troca de comando do PSL em Sergipe". 
Enfatiza a nota: "Quem é verdadeiramente de direita, assim como todos nós dirigentes do blocão de direita, jamais concordará com tal acinte aos princípios e valores da direita.  Esperamos então, a nota do Sr. Lucio Flavio repudiando o fato lamentável do PSL em Sergipe ser assumido por Rodrigo Valadares, assim como nós o fizemos e acordamos em reunião com todo o blocão, que com Rodrigo Valadares, ou qualquer outro político, sobretudo de esquerda, nós não manteríamos diálogo até definição do quadro político para as eleições municipais". 
Trocando em miúdos, Rodrigo Valadares, mesmo se fortalecendo com o PSL, enfrentará grande desgaste político com essa sua posição. Não somente pelas declarações de Tarantella e do blocão da direita, mas, também, por ser um jovem estreante parlamentar de oposição ao governo Belivaldo Chagas, que integra o G4, mas que compactua e se beneficia com intervenção partidária mediante interferência da Executiva Nacional.
É que intervenção partidária de cima para baixo é uma prática da velha política...

Cobrança

Na nota pública do blocão da direita é cobrado ao líder do grupo Brasil 200, Lúcio Flávio, que ele emita nota, ou fale em vídeo, por que se comprometeu com Rodrigo Valadares a apoiá-lo e dele receber apoio para sua candidatura a vereador em 2020. "Achamos que você terá que abortar esta missão, quem sabe em 2024. Nós só temos uma cara Lucio Flavio, a cara da Direita Sergipana. A bom entendedor isto basta".

Autores da nota

Assinam a nota: Movimento Direita Sergipana - Flávio Rodrigues; Movimento nas Ruas Sergipe - Gerlis Brito; Instituto Liberal de Sergipe - Leonardo Lisboa; Movimento Brasil Livre Sergipe - Cléber Correia; e Rede Bem Querer - Lícia Melo.

Surpresa pela unanimidade 1

O pleno do TRE/SE (Tribunal Regional Eleitoral) voltou a surpreender ontem. Depois de condenar a cassação do mandato do governador Belivaldo Chagas (PSD) e da vice-governadora Eliane Aquino (PT) por abuso de poder político, e do deputado estadual Talysson Costa (PR) por abuso de poder político e econômico, absolveu ontem, por unanimidade,  o deputado estadual Ibrain Monteiro (PSC) da denúncia de abuso de poder político e econômico nas eleições 2018 feitas pelo MPE/SE (Ministério Público Eleitoral), que pedia a cassaçã ;o do seu mandato e inelegibilidade por oito anos, assim como a inelegibilidade do pai, o prefeito afastado Valmir Monteiro (PSC-Lagarto). 

Surpresa pela unanimidade 2

Os seis membros do TRE acompanharam o voto do relator, o desembargador Diógenes Barreto, que sustentou que as ações de Ibrain Monteiro, mesmo sendo filho do então prefeito de Lagarto, não macularam o pleito eleitoral. Enfatizou que a situação foi diferente do deputado Talysson, quando ficou comprovado a influência direta do pai na sua campanha, o prefeito Valmir de Francisquinho (PR-Itabaiana).

Em vão 1

Na denúncia do MPE/SE ao TRE, foi colocado que o então prefeito Valmir Monteiro teria usado a máquina pública para promover o filho candidato a  deputado estadual.  Teria realizado vários eventos e ações da prefeitura para projetar a candidatura do filho. 

Em vão 2

A procuradora regional eleitoral, Eunice Dantas, chegou a argumentar ontem que o que comprova vinculo do pai prefeito na campanha de Ibrain foi a votação estupenda que teve em Lagarto, quando em outros municípios o maior número de votos foi 102. Ibrain obteve 32.059 votos, sendo 15.639 em Lagarto.

Com ressalvas

Também ontem, o pleno do TRE julgou e aprovou por unanimidade, mas com ressalvas, a prestação de contas da candidata a deputada federal em 2018, vereadora Emília Correa (Patriota). Aprovou ainda, com ressalvas, a prestação de contas da verba partidária do PR, apresentada por Edivan Amorim e José Hunaldo Mota. Foi adiado de hoje para o próximo dia 28 de agosto o julgamento, no TRE/SE, de processo de abuso de pode econômico contra o deputado federal Bosco Costa (PR). A denúncia é da Procuradoria Regional de Sergipe e o relator é o desembargador Diógenes Barreto. 

Ainda surpresos

Muitos políticos ainda estão surpresos com a decisão do TRE em cassar, por 6 x1 , o mandato do governador Belivaldo Chagas e da vice Eliane Aquino por abuso de poder político. Um deles é o deputado estadual Francisco Gualberto (PT), que disse que se a legislação eleitoral tivesse sido interpretada ao pé da letra, os dois não teriam recebido a sentença da cassação. 

Ponto de vista 1

"Eu acreditava que a lei eleitoral que norteou a eleição passada falava do prazo dos atos vedados ao Executivo. E o dia limite seria 6 de julho. Somente a partir daí o governante não poderia participar de inaugurações, dar ordem de serviço, nem participar de eventos do seu próprio governo. Eu tinha certeza que a data era 6 de julho, mas com a decisão de ontem [segunda], pelo menos essa data não vale", disse o deputado, enfatizando que, em momento algum, Belivaldo pa rticipou de qualquer evento a partir dessa data, e que, com a decisão do TRE, está sendo decretada o fim da reeleição.

Ponto de vista 2

Para o deputado, esta situação leva o Estado à incerteza, leva o governante ao estresse e ainda cria dificuldades para enfrentar as dificuldades.  Ressalta que só não concorda é com essa variação de interpretações da lei, que não acontece somente aqui em Sergipe. 

Contra a lei 1

Na manhã de ontem juízes, procuradores e promotores de Justiça realizaram um ato contra a Lei de Abuso de Autoridade, aprovada pela Câmara Federal e aguardando sanção ou vetos do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Foi no auditório do Fórum Gumersindo Bessa. 

Contra a lei 2

Presente ao manifesto, a procuradora regional da República, Eunice Dantas, avalia o projeto de lei como "uma forma de intimidação" aos órgãos de fiscalização, ao Ministério Público e ao Judiciário. Para ela, é preciso se respeitar as decisões judiciais e a lista tríplice encaminhada para nomeação dos dirigentes dessas instituições. Já o presidente da Associação dos Magistrados de Sergipe (Amase), Gustavo Adolfo, afirma que esse projeto de lei, se for sancionado, enfraquecerá o combate a corrupção no país e será um incentivo à criminalidade.

Veja essa ...

Do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), em seu twitter: "Estamos denunciando o risco que corre o combate à corrupção no Brasil, após uma série de medidas que está sendo adotada em conjunto, num acordão que envolve o Governo Federal, o Supremo Tribunal Federal e setores do Congresso Nacional. A única solução para enfrentar isso é o esclarecimento da população e a luta dentro do Congresso, mas principalmente fora, nas ruas. O Brasil precisa da minha e da sua luta. O combate à corrupção n o Brasil não pode parar".

Curtas

O prefeito Edvaldo Nogueira esteve ontem, em Brasília, com o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil). Acompanhado do deputado federal Laércio Oliveira, tratou do financiamento de 75 milhões de dólares (cerca de R$ 300 milhões) junto ao BID para Aracaju. 

O empresário Everton Souza se filiou ao MDB em reunião na nova sede do partido em Sergipe e deve ser candidato a vereador de Aracaju.  Sua filiação mostra que a sigla tem atraído novos integrantes com a atual gestão do deputado federal Fábio Reis.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) será o presidente da Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas (CMMC) para o biênio 2019-2020. 

A comissão terá como atribuição acompanhar, monitorar e fiscalizar, de modo contínuo, as ações referentes às mudanças climáticas no Brasil. Estarão na pauta as emissões de gases de efeito estufa, o desmatamento na Amazônia e as políticas nacional e regionais de desenvolvimento sustentável.