Duas empresas manifestam interesse pelo Resun

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 20/08/2019 às 06:06:00

 

O fornecimento de alimentações no Restaurante Universitário da Universidade Federal de Sergipe (Resun/UFS), pode ser reiniciado já na próxima semana caso as empresas M A Refeições e Eventos Ltda e PJ Refeições Coletivas Ltda apresentem todos os documentos exigidos pelo processo licitatório do Pregão nº 29/2019. Os dois grupos empresariais já apresentaram interesse em assumir o serviço, porém, por ordem classificatória, a empresa M A Refeições foi a primeira a ser convocada pela administração federal. Os representantes legais possuem 48 horas, após assinado o protocolo de convocação, para proceder com os trâmites oficiais.
Caso esse prazo não seja atendido, os documentos não estejam de acordo, ou mesmo o grupo desista do fornecimento - assim como ocorreu na semana passada com a empresa RMP Romero - EPP, vencedora do processo e que optou por rescindir o contrato - a terceira colocada receberá um comunicado da instituição federal à convidando para assumir o Resun. De acordo com a direção da Universidade Federal, se mesmo assim houver incompatibilidade de informações, documentos ou quais quer outros impasses, um novo processo licitatório será aberto e disponibilizado para a livre concorrência. O Resun está fechado desde o final do semestre passado.
Até o fechamento do restaurante, o valor cobrado por cada refeição era de R$ 1. Entretanto, de acordo com a Pró-reitoria de Assuntos Estudantis (Proest), os estudantes com vulnerabilidade socioeconômica podem fazer suas refeições de forma gratuita. "Infelizmente quando a gente achava que o problema seria resolvido, na semana passada recebemos um baque como esse (desistência da empresa RMP Romero - EPP), e por não ter outro jeito temos que aceitar. Manifestamos, criticamos, mas pelo que percebemos até a própria UFS foi surpreendida. Nós, acadêmicos e consumidores do Resun, esperamos que ele reinicie logo", declarou Álvaro Oliveira, estudante de Serviço Social.
A Universidade Federal de Sergipe informou ainda que tem acompanhado as manifestações de interesse em assumir a coordenação do Resun apresentadas pelas empresas ainda viáveis no pleito, mas alegou que, ao menos neste momento, é preciso respeitar as etapas do processo licitatório e aguardar a conclusão de cada período. Uma nova nota pública deve ser apresentada pela instituição de ensino superior ainda essa semana quando expiram os dois dias úteis para a empresas M A Refeições e Eventos Ltda atender, ou não, os pré-requisitos legais. Compartilhando com Álvaro, a também estudante Lícia Mathias, diz torcer pelo fim dos conflitos.
 "Infelizmente esse tipo de situação somente gera impasses para as pessoas que mais precisam. Felizmente eu moro em Aracaju com minha família e consigo me manter, mas tenho colegas que estão sofrendo tendo que se desdobrar para pagar por uma alimentação que é caríssima fora da cidade universitária. Pensar positivamente no outro faz bem. Por isso torço que esse impasse burocrático todo seja solucionado o mais rápido possível", concluiu. (Milton Alves Júnior)

O fornecimento de alimentações no Restaurante Universitário da Universidade Federal de Sergipe (Resun/UFS), pode ser reiniciado já na próxima semana caso as empresas M A Refeições e Eventos Ltda e PJ Refeições Coletivas Ltda apresentem todos os documentos exigidos pelo processo licitatório do Pregão nº 29/2019. Os dois grupos empresariais já apresentaram interesse em assumir o serviço, porém, por ordem classificatória, a empresa M A Refeições foi a primeira a ser convocada pela administração federal. Os representantes legais possuem 48 horas, após assinado o protocolo de convocação, para proceder com os trâmites oficiais.
Caso esse prazo não seja atendido, os documentos não estejam de acordo, ou mesmo o grupo desista do fornecimento - assim como ocorreu na semana passada com a empresa RMP Romero - EPP, vencedora do processo e que optou por rescindir o contrato - a terceira colocada receberá um comunicado da instituição federal à convidando para assumir o Resun. De acordo com a direção da Universidade Federal, se mesmo assim houver incompatibilidade de informações, documentos ou quais quer outros impasses, um novo processo licitatório será aberto e disponibilizado para a livre concorrência. O Resun está fechado desde o final do semestre passado.
Até o fechamento do restaurante, o valor cobrado por cada refeição era de R$ 1. Entretanto, de acordo com a Pró-reitoria de Assuntos Estudantis (Proest), os estudantes com vulnerabilidade socioeconômica podem fazer suas refeições de forma gratuita. "Infelizmente quando a gente achava que o problema seria resolvido, na semana passada recebemos um baque como esse (desistência da empresa RMP Romero - EPP), e por não ter outro jeito temos que aceitar. Manifestamos, criticamos, mas pelo que percebemos até a própria UFS foi surpreendida. Nós, acadêmicos e consumidores do Resun, esperamos que ele reinicie logo", declarou Álvaro Oliveira, estudante de Serviço Social.
A Universidade Federal de Sergipe informou ainda que tem acompanhado as manifestações de interesse em assumir a coordenação do Resun apresentadas pelas empresas ainda viáveis no pleito, mas alegou que, ao menos neste momento, é preciso respeitar as etapas do processo licitatório e aguardar a conclusão de cada período. Uma nova nota pública deve ser apresentada pela instituição de ensino superior ainda essa semana quando expiram os dois dias úteis para a empresas M A Refeições e Eventos Ltda atender, ou não, os pré-requisitos legais. Compartilhando com Álvaro, a também estudante Lícia Mathias, diz torcer pelo fim dos conflitos.
 "Infelizmente esse tipo de situação somente gera impasses para as pessoas que mais precisam. Felizmente eu moro em Aracaju com minha família e consigo me manter, mas tenho colegas que estão sofrendo tendo que se desdobrar para pagar por uma alimentação que é caríssima fora da cidade universitária. Pensar positivamente no outro faz bem. Por isso torço que esse impasse burocrático todo seja solucionado o mais rápido possível", concluiu. (Milton Alves Júnior)