Fecomse continua na luta para concluir negociação das convenções coletivas do comércio e serviços

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Ronildo Almeida, presidente da Fecomse
Ronildo Almeida, presidente da Fecomse

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 15/08/2019 às 22:44:00

 

A Federação dos Empregados no Comércio e Serviços de Sergipe - Fecomse - espera concluir o mais breve possível todo o processo de negociação das Convenções Coletivas de Trabalho do setor de comércio e serviços do Estado.
Segundo Ronildo Almeida, presidente da entidade sindical, as negociações se arrastam desde o começo do ano - janeiro e maio iniciam as datas-bases dos segmentos da categoria. As convenções coletivas sendo fechadas de maneira gradativa - há, inclusive, pendências de acordos anteriores às negociações de 2019.
"É importante salientar que são dívidas financeiras que o setor patronal tem com seus empregados. Mas é, principalmente, uma dívida moral com aqueles e aquelas que trabalham dia a dia para o crescimento e a consolidação das empresas", argumenta Ronildo Almeida.
O dirigente sindical destaca o momento difícil pelo qual passam os trabalhadores e trabalhadoras, em situações de humilhação e desrespeito às conquistas históricas da classe trabalhadora. "Qualquer patrão em sã consciência e que tenha o mínimo de respeito pelo próximo sabe da necessidade do pagamento dessa dívida", avalia Ronildo Almeida.
Equilíbrio - O presidente da Fecomse espera que as negociações continuem de maneira respeitosa e que se consiga finalizar com brevidade o processo para todo o setor de comércio e serviços do Estado. Ele lembra que existem algumas negociações bem avançadas.
"É importante neste momento de dificuldades não esperar por decisões ou propostas de governos. É fundamental que tenhamos discernimento e equilíbrio para discutir os interesses de todos, tendo como parâmetros os resultados e as conquistas obtidas através dos processos de negociação entre as entidades representativas de classe, patrões e empregados", defende Ronildo Almeida.
"Estamos aguardando a Federação do Comércio de Sergipe - Fecomércio -, maior representante do setor patronal, através do seu presidente, e o agrupamento do deputado Laércio Oliveira, para que possamos zerar o mais rápido possível essa dívida com os trabalhadores e as trabalhadoras sergipanos", observa Ronildo Almeida.

A Federação dos Empregados no Comércio e Serviços de Sergipe - Fecomse - espera concluir o mais breve possível todo o processo de negociação das Convenções Coletivas de Trabalho do setor de comércio e serviços do Estado.
Segundo Ronildo Almeida, presidente da entidade sindical, as negociações se arrastam desde o começo do ano - janeiro e maio iniciam as datas-bases dos segmentos da categoria. As convenções coletivas sendo fechadas de maneira gradativa - há, inclusive, pendências de acordos anteriores às negociações de 2019.
"É importante salientar que são dívidas financeiras que o setor patronal tem com seus empregados. Mas é, principalmente, uma dívida moral com aqueles e aquelas que trabalham dia a dia para o crescimento e a consolidação das empresas", argumenta Ronildo Almeida.
O dirigente sindical destaca o momento difícil pelo qual passam os trabalhadores e trabalhadoras, em situações de humilhação e desrespeito às conquistas históricas da classe trabalhadora. "Qualquer patrão em sã consciência e que tenha o mínimo de respeito pelo próximo sabe da necessidade do pagamento dessa dívida", avalia Ronildo Almeida.

Equilíbrio - O presidente da Fecomse espera que as negociações continuem de maneira respeitosa e que se consiga finalizar com brevidade o processo para todo o setor de comércio e serviços do Estado. Ele lembra que existem algumas negociações bem avançadas.
"É importante neste momento de dificuldades não esperar por decisões ou propostas de governos. É fundamental que tenhamos discernimento e equilíbrio para discutir os interesses de todos, tendo como parâmetros os resultados e as conquistas obtidas através dos processos de negociação entre as entidades representativas de classe, patrões e empregados", defende Ronildo Almeida.
"Estamos aguardando a Federação do Comércio de Sergipe - Fecomércio -, maior representante do setor patronal, através do seu presidente, e o agrupamento do deputado Laércio Oliveira, para que possamos zerar o mais rápido possível essa dívida com os trabalhadores e as trabalhadoras sergipanos", observa Ronildo Almeida.