Deso afasta advogado acusado de estupro

Cidades

 

Milton Alves Júnior
Por meio de nota ofi-
cial a Companhia de 
Saneamento do Estado de Sergipe (Deso), oficializou na manhã de ontem que o advogado de 40 anos, André de Jesus Santana, acusado de ter estuprado uma criança de 12 anos na tarde do último sábado, 03, teve o respectivo contrato trabalhista suspenso por tempo indeterminado. No comunicado o órgão estadual informou que, com a suspensão do contrato, houve a imediata sustação de pagamento de salários, recolhimentos fundiários e previdenciários e de todas as demais vantagens e benefícios previstos em normas internas ou instrumento de negociação coletiva.
A ocorrência foi registrada em um supermercados da capital sergipana. A informação inicial indica que agentes de limpeza desconfiaram da ação e acionaram o departamento de segurança do centro de compras. Ao adentrar no banheiro a criança teria saído correndo, chorando, enquanto o suspeito foi levado para prestar depoimentos em uma sala reservada. A Secretaria de Estado da Segurança Pública informou ainda que o flagrante foi registrado em uma das alas do banheiro. O homem não resistiu a orientação dos seguranças e seguiu para a sala indicada enquanto equipes da Polícia Militar se deslocavam até o local. A mãe da criança acompanhou a ocorrência.
Seguindo as orientações funcionais e exigidas pelo código penal, todos os envolvidos foram conduzidos ao Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV), quando foi preso em flagrante e em seguida encaminhado para a 8a Delegacia Metropolitana onde ficou custodiado. No domingo, 04, André participou de uma audiência de custódia quando foi sentenciado a responder pela acusação em regime fechado. Por decisão do poder judiciário o réu foi encaminhado para o Presídio Militar (Presmil), em Aracaju. A equipe de defesa não se pronunciou sobre a suspensão das atividades da Deso de onde era servidor concursado desde junho do ano passado.
A Deso destaca ainda que segue rigorosamente a legislação no que concerne ao caso, e que se houver sentença condenatória transitada em julgado no processo criminal, o órgão promoverá a abertura de Procedimento Administrativo para o desligamento do colaborador de seus quadros.

Milton Alves Júnior

Por meio de nota ofi- cial a Companhia de  Saneamento do Estado de Sergipe (Deso), oficializou na manhã de ontem que o advogado de 40 anos, André de Jesus Santana, acusado de ter estuprado uma criança de 12 anos na tarde do último sábado, 03, teve o respectivo contrato trabalhista suspenso por tempo indeterminado. No comunicado o órgão estadual informou que, com a suspensão do contrato, houve a imediata sustação de pagamento de salários, recolhimentos fundiários e previdenciários e de todas as demais vantagens e benefícios previstos em normas internas ou instrumento de negociação coletiva.
A ocorrência foi registrada em um supermercados da capital sergipana. A informação inicial indica que agentes de limpeza desconfiaram da ação e acionaram o departamento de segurança do centro de compras. Ao adentrar no banheiro a criança teria saído correndo, chorando, enquanto o suspeito foi levado para prestar depoimentos em uma sala reservada. A Secretaria de Estado da Segurança Pública informou ainda que o flagrante foi registrado em uma das alas do banheiro. O homem não resistiu a orientação dos seguranças e seguiu para a sala indicada enquanto equipes da Polícia Militar se deslocavam até o local. A mãe da criança acompanhou a ocorrência.
Seguindo as orientações funcionais e exigidas pelo código penal, todos os envolvidos foram conduzidos ao Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV), quando foi preso em flagrante e em seguida encaminhado para a 8a Delegacia Metropolitana onde ficou custodiado. No domingo, 04, André participou de uma audiência de custódia quando foi sentenciado a responder pela acusação em regime fechado. Por decisão do poder judiciário o réu foi encaminhado para o Presídio Militar (Presmil), em Aracaju. A equipe de defesa não se pronunciou sobre a suspensão das atividades da Deso de onde era servidor concursado desde junho do ano passado.
A Deso destaca ainda que segue rigorosamente a legislação no que concerne ao caso, e que se houver sentença condenatória transitada em julgado no processo criminal, o órgão promoverá a abertura de Procedimento Administrativo para o desligamento do colaborador de seus quadros.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS