Terreno afunda e caminhão vira na Ceasa

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O caminhão virou quando faria descarga de frutas
O caminhão virou quando faria descarga de frutas

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 29/07/2019 às 23:22:00

 

Milton Alves Júnior
Uma cratera se abriu na madrugada de ontem na Central de Abastecimento do Estado de Sergipe (Ceasa), em Aracaju, e por interferência de um caminhão estacionado não contribuiu para que uma carga de frutas não fosse totalmente perdida. A ocorrência foi registrada antes das 4h quando um caminhão carregado de mamão estava estacionado para ser desabastecido. Minutos antes de os feirantes dar início a retirada do alimento, o solo entrou em colapso e 'sugou' parte do caminhão. Com o impacto, cerca de 40% da carga acabou despencando e sendo esmagada pelas caixas que se amontoaram na pista. Um caminhão já descarregado serviu de estaca para não deixar o sinistro ser ainda maior.
De acordo com Elisandra Vieira, proprietária do veículo fretado para transportar o produto, há meses os motoristas e proprietários de caminhões se queixam das condições estruturais do local. Mesmo diante das taxas que são mensalmente cobradas pela direção administrativa da Ceasa, os comerciantes e consumidores se deparam com a ausência de investimentos prevendo a melhoria estrutural do espaço. Elisandra disse aguardar os gestores da Central de Abastecimento para participar de uma reunião extraordinária a fim de a direção arcar com os prejuízos. Ao JORNAL DO DIA ela disse não ter tido tempo suficiente para avaliar a representatividade financeira da ocorrência vai demandar.
 "Essa mesma reclamação é apresentada, e vocês podem ver nos dias de maior movimento, pelos fregueses que costumam há anos realizar compras aqui no Ceasa. Infelizmente a cada novo período a gente vê mais o abandono que está esse centro e dessa vez o descaso ficou mais que escancarado com isso que aconteceu. Espero realmente que os diretores percebam o dano que esse buraco imenso nos causou e arquem com o prejuízo. Espero não precisar recorrer a outras instâncias legais, que não seja apenas o diálogo, para resolver todo o prejuízo que sofremos", lamentou. Na tarde de ontem buscamos ouvir um representante da diretoria administrativa, mas nenhum dos gestores se mostrou disponível.
Toda a carga espalhada com o impacto foi recolhida no início da manhã. O veículo, com o apoio de outros caminhões, foi removido do buraco por volta das 9h30. "Existe uma serie de perdas. Não apenas com a carga e com o conserto do veículo. Também tem a questão do tempo em que o caminhão vai precisar ficar parado para o reparo. Estamos atentos a tudo isso e espero que eles arquem com todo esse prejuízo", completou Elisandra Vieira.

Milton Alves Júnior

Uma cratera se abriu na madrugada de ontem na Central de Abastecimento do Estado de Sergipe (Ceasa), em Aracaju, e por interferência de um caminhão estacionado não contribuiu para que uma carga de frutas não fosse totalmente perdida. A ocorrência foi registrada antes das 4h quando um caminhão carregado de mamão estava estacionado para ser desabastecido. Minutos antes de os feirantes dar início a retirada do alimento, o solo entrou em colapso e 'sugou' parte do caminhão. Com o impacto, cerca de 40% da carga acabou despencando e sendo esmagada pelas caixas que se amontoaram na pista. Um caminhão já descarregado serviu de estaca para não deixar o sinistro ser ainda maior.
De acordo com Elisandra Vieira, proprietária do veículo fretado para transportar o produto, há meses os motoristas e proprietários de caminhões se queixam das condições estruturais do local. Mesmo diante das taxas que são mensalmente cobradas pela direção administrativa da Ceasa, os comerciantes e consumidores se deparam com a ausência de investimentos prevendo a melhoria estrutural do espaço. Elisandra disse aguardar os gestores da Central de Abastecimento para participar de uma reunião extraordinária a fim de a direção arcar com os prejuízos. Ao JORNAL DO DIA ela disse não ter tido tempo suficiente para avaliar a representatividade financeira da ocorrência vai demandar.
 "Essa mesma reclamação é apresentada, e vocês podem ver nos dias de maior movimento, pelos fregueses que costumam há anos realizar compras aqui no Ceasa. Infelizmente a cada novo período a gente vê mais o abandono que está esse centro e dessa vez o descaso ficou mais que escancarado com isso que aconteceu. Espero realmente que os diretores percebam o dano que esse buraco imenso nos causou e arquem com o prejuízo. Espero não precisar recorrer a outras instâncias legais, que não seja apenas o diálogo, para resolver todo o prejuízo que sofremos", lamentou. Na tarde de ontem buscamos ouvir um representante da diretoria administrativa, mas nenhum dos gestores se mostrou disponível.
Toda a carga espalhada com o impacto foi recolhida no início da manhã. O veículo, com o apoio de outros caminhões, foi removido do buraco por volta das 9h30. "Existe uma serie de perdas. Não apenas com a carga e com o conserto do veículo. Também tem a questão do tempo em que o caminhão vai precisar ficar parado para o reparo. Estamos atentos a tudo isso e espero que eles arquem com todo esse prejuízo", completou Elisandra Vieira.