Sobre amizades

Opinião

 

* Raymundo Mello
(publicação de Raymundinho Mello, seu filho)
 
O calendário do mês de julho registra 
no dia 20 (portanto, sábado último) 
a data anual para se celebrar a amizade. É o chamado 'Dia do Amigo'. É tradição "abraçar" os amigos neste dia, mesmo os geograficamente distantes. Antes, também através de telefonemas, cartas, telegramas, entre outros meios. Hoje, com a internet, as redes sociais e os aplicativos de mensagens instantâneas, tudo ficou mais fácil e rápido, e as mensagens compartilhadas estão a cada ano mais "recheadas" de belas declarações de amizade, muitas vezes, até, compartilhadas com quem não é tão próximo assim. A vida moderna "elasteceu" o conceito de 'amigo'.
Então, ainda de férias, retomo o saudável contato com os caros leitores deste artigo semanal das terças-feiras aqui no 'Jornal do Dia' partilhando uma reflexão sobre o tema, escrita pelo Cardeal Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro - Dom Orani João Tempesta, O.Cist. -, que encontrei na contracapa do livreto 'Liturgia Diária das Horas', da Editora Paulus, edição de julho deste ano, encimada pelo título "Vós sois meus amigos (Jo 15,14)". Segue o texto na íntegra.
Assim escreveu Dom Orani:
"A cada dia do ano há alguma comemoração - e, às vezes, até mais que uma. Existem, porém, algumas bastante acentuadas nas tradições de nosso povo, especialmente nas redes sociais.
Neste mês de julho, especificamente no dia 20, comemora-se o Dia do Amigo.
Não é preciso lembrar o quanto esta palavra se encontra desgastada nos tempos de hoje, recheados de não poucas nem infidelidades nas mais diversas formas de relacionamento, também no de amizade. A amizade é fundamental para o ser humano e se torna ainda mais densa quando nos pomos à escuta do Senhor pela Palavra.
Lembremo-nos de que Jesus é o único que, mesmo com nossas infidelidades e apesar delas, permanece fiel (cf. 2Tm 2,13), de modo que podemos assim dizer: "Ele é nosso maior e melhor amigo". Os últimos papas têm proclamado: não tenham medo de se aproximar dele! Ele também nos chamou de amigos.
Temos ainda, no plano humano, aqueles que são os nossos primeiros amigos: os pais. Como são relevantes as figuras paterna e materna! Falar do quarto mandamento da Lei de Deus - "honrar pai e mãe" - não é tratar de algo coercitivo, mas de uma direção a seguir, ou seja, dos que se comprometem a nos ajudar a trilhar os caminhos da existência. Também fora da família, na escola, no trabalho, na rua, no lazer, sobretudo no caso dos jovens, é preciso, sem preconceitos absurdos, escolher bem os amigos, a fim de ter uma vida digna já neste mundo, em demanda da eternidade feliz.
Vivendo numa sociedade em que tantas situações aparecem a cada dia, as amizades em Cristo fazem grande diferença na caminhada cotidiana. Aqueles que creem e assumem a missão de impregnar a sociedade com os valores do Evangelho podem fazer a diferença na transformação do mundo, desde que estejam unidos em Cristo, nosso Salvador e verdadeiro amigo, pois dele recebemos a admirável promessa: "Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos" (Jo 15,13)".
* Raymundo Mello é Memorialista
raymundopmello@yahoo.com.br

* Raymundo Mello

(publicação de Raymundinho Mello, seu filho)

O calendário do mês de julho registra  no dia 20 (portanto, sábado último)  a data anual para se celebrar a amizade. É o chamado 'Dia do Amigo'. É tradição "abraçar" os amigos neste dia, mesmo os geograficamente distantes. Antes, também através de telefonemas, cartas, telegramas, entre outros meios. Hoje, com a internet, as redes sociais e os aplicativos de mensagens instantâneas, tudo ficou mais fácil e rápido, e as mensagens compartilhadas estão a cada ano mais "recheadas" de belas declarações de amizade, muitas vezes, até, compartilhadas com quem não é tão próximo assim. A vida moderna "elasteceu" o conceito de 'amigo'.
Então, ainda de férias, retomo o saudável contato com os caros leitores deste artigo semanal das terças-feiras aqui no 'Jornal do Dia' partilhando uma reflexão sobre o tema, escrita pelo Cardeal Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro - Dom Orani João Tempesta, O.Cist. -, que encontrei na contracapa do livreto 'Liturgia Diária das Horas', da Editora Paulus, edição de julho deste ano, encimada pelo título "Vós sois meus amigos (Jo 15,14)". Segue o texto na íntegra.
Assim escreveu Dom Orani:
"A cada dia do ano há alguma comemoração - e, às vezes, até mais que uma. Existem, porém, algumas bastante acentuadas nas tradições de nosso povo, especialmente nas redes sociais.
Neste mês de julho, especificamente no dia 20, comemora-se o Dia do Amigo.
Não é preciso lembrar o quanto esta palavra se encontra desgastada nos tempos de hoje, recheados de não poucas nem infidelidades nas mais diversas formas de relacionamento, também no de amizade. A amizade é fundamental para o ser humano e se torna ainda mais densa quando nos pomos à escuta do Senhor pela Palavra.
Lembremo-nos de que Jesus é o único que, mesmo com nossas infidelidades e apesar delas, permanece fiel (cf. 2Tm 2,13), de modo que podemos assim dizer: "Ele é nosso maior e melhor amigo". Os últimos papas têm proclamado: não tenham medo de se aproximar dele! Ele também nos chamou de amigos.
Temos ainda, no plano humano, aqueles que são os nossos primeiros amigos: os pais. Como são relevantes as figuras paterna e materna! Falar do quarto mandamento da Lei de Deus - "honrar pai e mãe" - não é tratar de algo coercitivo, mas de uma direção a seguir, ou seja, dos que se comprometem a nos ajudar a trilhar os caminhos da existência. Também fora da família, na escola, no trabalho, na rua, no lazer, sobretudo no caso dos jovens, é preciso, sem preconceitos absurdos, escolher bem os amigos, a fim de ter uma vida digna já neste mundo, em demanda da eternidade feliz.
Vivendo numa sociedade em que tantas situações aparecem a cada dia, as amizades em Cristo fazem grande diferença na caminhada cotidiana. Aqueles que creem e assumem a missão de impregnar a sociedade com os valores do Evangelho podem fazer a diferença na transformação do mundo, desde que estejam unidos em Cristo, nosso Salvador e verdadeiro amigo, pois dele recebemos a admirável promessa: "Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos" (Jo 15,13)".

* Raymundo Mello é Memorialistaraymundopmello@yahoo.com.br

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS