Um gesto de protesto

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O corpo do empresário e proprietário da cerâmica Escurial, Sadi Gitz, será velado no cemitério Colina da Saudade, em Aracaju, a partir das 8 horas desta sexta-feira, e em seguida será levado para a cidade de Alagoinhas/BA, onde será cremado no sábado. Na
O corpo do empresário e proprietário da cerâmica Escurial, Sadi Gitz, será velado no cemitério Colina da Saudade, em Aracaju, a partir das 8 horas desta sexta-feira, e em seguida será levado para a cidade de Alagoinhas/BA, onde será cremado no sábado. Na

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 05/07/2019 às 00:25:00

 

O suicídio do empresário Sadir Gitz du-
rante a abertura do "Simpósio de Opor-
tunidades - Novo Cenário da Cadeia do Gás Natural em Sergipe", ontem de manhã, na presença do governador Belivaldo Chagas, do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, entre outras autoridades e grandes empresários, pode ser considerado um gesto de protesto. Após o governador Belivaldo Chagas (PSD) declarar oficialmente aberto o simpósio, Sadir se levantou, gritou "Belivaldo você é mentiroso", puxou a arma e atirou na própria boca.
Gaúcho de Porto Alegre, Sadi Paulo Castiel Gitz responsabilizava o governo do Estado de Sergipe pela hibernação da Cerâmica Escurial, em Nossa Senhora do Socorro, que fabricavados produtos da marca.  Em 16 de maio deste ano ele anunciou o fechamento do empreendimento, atribuindo ao alto custo cobrado pelo gás natural fornecido pela Sergás, distribuidora de gás natural que tem o Governo do Estado como um de seus acionistas. Na época do fechamento da fábrica,  Sadi declarou que o gás cobrado em Sergipe era um dos mais caros da região Nordeste e que seria movida uma ação judicial por perdas e danos contra o Estado pela "política de preços da Sergás, que encontra-se abusiva e juridicamente ilegal".
O simpósio que serviu de palco para a tragédia tinha o objetivo de discutir exatamente como aproveitar a descoberta de grandes reservas de gás natural no estado para reduzir o preço do gás fornecido às indústrias sergipanas.
O governador Belivaldo Chagas apostava muito nos resultados do simpósio para começar as negociações com grandes indústrias que utilizam o gás natural como principal fonte de energia para a ampliação do parque industrial do Estado. Afinal, além do ministro Bento Albuquerque, que falaria sobre o tema "O Novo Mercado de Gás e as Oportunidades de Desenvolvimento para o Estado de Sergipe", estavam no encontro nomes de destaque a nível nacional, como o presidente da Empresas de Pesquisas Energéticas (EPE), Thiago Vasconcellos Barral Ferreira; o secretário executivo do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (IBP), Antonio Guimarães; o presidente da Associação dos Grandes Consumidores de Energia e Consumidores Livres (ABRACE), Paulo Pedrosa; além de membros da Petrobras, da Comissão de Minas e Energia (Subcomissão Permanente Petróleo e Gás), da Câmara dos Deputados, e toda a equipe da área de gás do Ministério. 
O secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, José Augusto Carvalho, lembrava que o simpósio seria importante para discutir os aspectos relacionados à oferta de gás em Sergipe, as estratégias do Governo Federal e Estadual para a área, bem como a visão de instituições importantes no setor. "Temos um novo momento em Sergipe com esta oferta de gás natural, por isso, o governo atento a esse momento de transformações, realizará este evento, justamente para dialogar com os agentes que podem contribuir para o crescimento do nosso estado", disse ele no início da semana. 
O suicídio do empresário Sadir Gitz forçou o governo a cancelar o simpósio e provocou grande comoção em toda a classe empresarial, familiares e amigos. Outros empresários enfrentam os mesmos problemas que Sadir com os aviltantes preços de gás cobrados pela Sergás, cuja acionista majoritária é a própria Petrobras, responsável pela descoberta dos novos campos em Sergipe.
A morte de Sadir repercutiu em todo o país e deixou claro que a crise econômica abala qualquer um. O empresário deixa viúva e cinco filhos.

O suicídio do empresário Sadir Gitz du- rante a abertura do "Simpósio de Opor- tunidades - Novo Cenário da Cadeia do Gás Natural em Sergipe", ontem de manhã, na presença do governador Belivaldo Chagas, do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, entre outras autoridades e grandes empresários, pode ser considerado um gesto de protesto. Após o governador Belivaldo Chagas (PSD) declarar oficialmente aberto o simpósio, Sadir se levantou, gritou "Belivaldo você é mentiroso", puxou a arma e atirou na própria boca.

Gaúcho de Porto Alegre, Sadi Paulo Castiel Gitz responsabilizava o governo do Estado de Sergipe pela hibernação da Cerâmica Escurial, em Nossa Senhora do Socorro, que fabricavados produtos da marca.  Em 16 de maio deste ano ele anunciou o fechamento do empreendimento, atribuindo ao alto custo cobrado pelo gás natural fornecido pela Sergás, distribuidora de gás natural que tem o Governo do Estado como um de seus acionistas. Na época do fechamento da fábrica,  Sadi declarou que o gás cobrado em Sergipe era um dos mais caros da região Nordeste e que seria movida uma ação judicial por perdas e danos contra o Estado pela "política de preços da Sergás, que encontra-se abusiva e juridicamente ilegal".

O simpósio que serviu de palco para a tragédia tinha o objetivo de discutir exatamente como aproveitar a descoberta de grandes reservas de gás natural no estado para reduzir o preço do gás fornecido às indústrias sergipanas.

O governador Belivaldo Chagas apostava muito nos resultados do simpósio para começar as negociações com grandes indústrias que utilizam o gás natural como principal fonte de energia para a ampliação do parque industrial do Estado. Afinal, além do ministro Bento Albuquerque, que falaria sobre o tema "O Novo Mercado de Gás e as Oportunidades de Desenvolvimento para o Estado de Sergipe", estavam no encontro nomes de destaque a nível nacional, como o presidente da Empresas de Pesquisas Energéticas (EPE), Thiago Vasconcellos Barral Ferreira; o secretário executivo do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (IBP), Antonio Guimarães; o presidente da Associação dos Grandes Consumidores de Energia e Consumidores Livres (ABRACE), Paulo Pedrosa; além de membros da Petrobras, da Comissão de Minas e Energia (Subcomissão Permanente Petróleo e Gás), da Câmara dos Deputados, e toda a equipe da área de gás do Ministério. 

O secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, José Augusto Carvalho, lembrava que o simpósio seria importante para discutir os aspectos relacionados à oferta de gás em Sergipe, as estratégias do Governo Federal e Estadual para a área, bem como a visão de instituições importantes no setor. "Temos um novo momento em Sergipe com esta oferta de gás natural, por isso, o governo atento a esse momento de transformações, realizará este evento, justamente para dialogar com os agentes que podem contribuir para o crescimento do nosso estado", disse ele no início da semana. 

O suicídio do empresário Sadir Gitz forçou o governo a cancelar o simpósio e provocou grande comoção em toda a classe empresarial, familiares e amigos. Outros empresários enfrentam os mesmos problemas que Sadir com os aviltantes preços de gás cobrados pela Sergás, cuja acionista majoritária é a própria Petrobras, responsável pela descoberta dos novos campos em Sergipe.
A morte de Sadir repercutiu em todo o país e deixou claro que a crise econômica abala qualquer um. O empresário deixa viúva e cinco filhos.

Sem segurança

Sadir Gitz foi ao simpósio de gás disposto a fazer seu protesto individual, sacrificando a própria a vida. Levava no bolso o revólver 38 registrado em seu nome. O secretário da segurança, João Eloy, ficou indignado com a falta de segurança num evento com a participação do governador do Estado e de um ministro de Estado, que deveria ter a proteção da Polícia Federal. Nem um detector de metais havia sido instalado no local.

Prestígio

Sadir tinha um bom relacionamento com a classe empresarial sergipana e dirigiu a Associação Comercial. Diversas entidades divulgaram notas de pesar pelo seu falecimento, a exemplo da Federação das Indústrias, que destaca: "O empresário e diretor-presidente da Cerâmica Escurial, Sadi Paulo Castiel Gitz, era um colaborador ativo e participativo das pautas que envolviam o segmento industrial cerâmico do Estado, bem como do Sindicato das Indústrias de Cerâmicas e Olarias do Estado de Sergipe (SINDICER/SE), entidade filiada à Federação das Indústrias. O Sistema FIES se solidariza com todos os familiares, amigos e colegas empresários por este momento trágico e jamais imaginado."

Codevasf 1

Membros da bancada sergipana no Congresso Nacional se reuniram ontem de manhã com ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, para definir a escolha do novo superintendente estadual da Codevasf. O impasse permanece, porque o senador Alessandro Vieira (cidadania) insiste na indicação individual do empresário Milton Andrade, que disputou o governo do Estado em 2018. Nas reuniões de bancada, Alessandro chegou a informar que não tinha interesse em qualquer cargo federal, da mesma forma que o senador Rogério Carvalho (PT) e os deputados Fábio Henrique (PDT), Bosco Costa (PL) e João Daniel (PT).

Codevasf 2

Com o impasse, o ministro marcou nova reunião para a quarta ou sexta-feira da próxima semana. Inicialmente, a indicação da Codevasf caberia a senadora Maria do Carmo Alves, que hoje defende a permanência do atual superintendente César Mandarino, funcionário de carreira da companhia. A Codevasf é o único federal no estado que dispõe de orçamento próprio e realiza obras no baixo São Francisco, região mais carente do estado.

Sigilo 1

O site Consultor Jurídico (Conjur) repercutiu uma decisão do Pleno do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE) que tratou sobre proteção da privacidade e do sigilo das comunicações prevista no artigo 5º da Constituição Federal. Os Desembargadores decidiram que a proteção não abrange as informações de conexão e de acesso a aplicações de internet. Isso porque, nesse caso, não há quebra de sigilo da comunicação, mas, sim, de dados.

Sigilo 2

O Pleno do TJSE entendeu que o pedido da polícia se limitou às informações de conexão e de acesso a aplicações de internet, não abrangendo o conteúdo das comunicações. Assim, os Desembargadores mantiveram, por maioria, a decisão que obrigou o Google a fornecer dados de um grupo não identificado de pessoas que passou por um local em que houve um homicídio.

Soneca 1

O vereador Palhaço Soneca (Cidadania) concedeu ontem a primeira entrevista após a publicação de uma foto sua na festa do Mastro, na cidade de Capela, no último final de semana, ao lado do presidente da câmara, vereador Nitinho Vitale. A fotografia se espalhou nas redes sociais e gerou polêmica pelo fato do parlamentar está de licença médica.

Soneca 2

"As pessoas me trataram como um bandido. Não cometi crime algum, só desobedeci uma orientação médica no fim da minha recuperação. Estou bem e lamento pela repercussão do caso. Vejo tudo isso como perseguição política e preconceito por eu ser um pessoa humilde", declarou Palhaço Soneca à emissora de rádio Fan FM.

Soneca 3

Soneca disse ainda que conhece as pessoas que estão tentando manchar o mandato dele como vereador. "A perseguição política começou desde quando assumi o cargo na Câmara Municipal de Aracaju. Até agora os opositores buscam qualquer fato para me prejudicar, mas o povo do Bairro Olaria sabe o quanto já fiz e ainda vou fazer por esta comunidade", disse.

Veja essa ...

Depois de criticar o general Augusto Heleno, ministro do Gabinete institucional de Segurança da Presidência da República, lançando a teoria de conspiração que teria como alvo o seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, o vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ), voltou a usar as redes sociais para requentar o assunto.

...essa...

Desta vez, Carlos compartilhou a notícia de que um empresário cometeu suicídio em um evento onde estavam presentes o governador do Sergipe, Belivaldo Chagas Silva (PSD), e o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e escreveu: "Mais uma falha de segurança. Seria bom a segurança do Presidente ficar mais atenta". 

...e mais essa

Um seguidor o alertou: "O empresário já fez parte do governo de Sergipe, é conhecidíssimo na região. O sujeito se suicidou. Seu pai sequer estava lá! Não seja louco! Mais do que já é!". E ele respondeu: "Não me diga?! Conhecemos a isentosfera malandra e seu modus operandi!". (Com Brasil247)

Curtas

A Central Única dos Trabalhadores (CUT/SE) convida todos os dirigentes de sindicatos filiados e trabalhadores a participar da palestra com o professor Valter Pomar nesta sexta-feira (5), às 18h, na sede da CUT/SE, em Aracaju. O tema será 'Desafios da Classe Trabalhadora na Luta contra os Ataques do Governo Bolsonaro'.

O deputado Iran Barbosa (PT), esteve na sede da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de Sergipe (OAB-SE), na tarde da quarta-feira (3), acompanhado de sua assessoria, para dialogar com a direção da entidade e solicitar o apoio à luta pela instalação do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana - CEDDPH, criado em 2007 pela Lei Complementar Nº 147, mas que nunca foi colocado em funcionamento. 

Participaram da reunião o presidente e a vice-presidente da entidade, Inácio Krauss e Ana Lúcia Aguiar; além do tesoureiro e do presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem, David Dória e Robson Barros.

Iran, que é membro da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Estado (Alese), enfatizou a necessidade de o estado de Sergipe efetivar a constituição e funcionamento do Conselho, pela importância de se garantir a promoção e defesa dos direitos humanos e da cidadania, mediante ações preventivas, protetivas e reparadoras das condutas e situações de ameaça ou violação desses direitos.