Golpe com cartões clonados fez cerca de 50 vítimas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Uma casa no bairro Aruana funcionava como fábrica dos cartões clonados
Uma casa no bairro Aruana funcionava como fábrica dos cartões clonados

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 02/07/2019 às 23:08:00

 

A Polícia Civil detalhou 
ontem a prisão de três 
acusados de envolvimento com um golpe que envolve cartões bancários clonados a partir de dados roubados de clientes. Renilson Pedro da Silva, José Pereira Lira e Jorge Soares de Castro eram investigados há mais de um mês e foram presos no dia 24 de junho, enquanto saíam de uma agência bancária no centro da capital. Por meio deles, equipes da Divisão de Inteligência e Planejamento Policial (Dipol) e do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope) encontraram uma casa no bairro Aruana (zona de expansão) que funcionava como fábrica dos cartões clonados.
A estimativa da polícia é de que os três suspeitos tenham causado um prejuízo de mais de R$ 300 mil a pelo menos 50 vítimas. De acordo com a delegada Mayra Fernanda Moinhos, da Dipol, as investigações começaram após as próprias instituições financeiras procurarem a Polícia Civil, explicando sobre indivíduos que estavam de posse de cartões clonados realizando transações financeiras fraudulentas. Os policiais passaram então a identificar a rotina desses indivíduos que, quase sequencialmente, iam a agências bancárias de posse desses cartões para realizar os golpes.
No dia 24 de junho, os suspeitos foram visualizados deixando a agência no centro. Os policiais fizeram vigilância para verificar se eles iriam até o laboratório da associação criminosa, mas nesse dia, o grupo parou em outro estabelecimento comercial. Nesta oportunidade foi realizada a prisão do trio, junto com o apoio da Polícia Militar da área, o Batalhão de Polícia de Turismo (BPTur). Os homens se negaram a dizer onde estavam hospedados. 
A investigação continuou com o apoio da Dipol, e no dia 27 de junho, a casa onde funcionava a produção dos cartões clonados foi encontrada. "Foram apreendidos 120 cartões, impressoras, gravadores e leitoras de cartões magnéticos, além de várias anotações, que leva a concluir que de fato toda a cadeia produtiva do cartão se dava nesse laboratório", disse Mayra.
Renilson já possui passagens pela polícia e tinha mandado de prisão aberto pela Polícia Civil de Sergipe pelo mesmo crime que está sendo acusado. "Renilson dominava a prática de instalar equipamentos eletrônicos de captação de dados que é conhecido como 'chupa-cabra', e a partir da captação produziam os cartões clonados para a realização dos saques", afirmou a delegada. 
Após a divulgação das imagens dos envolvidos pelo Instagram da Polícia Civil, uma vítima reconheceu Jorge Castro como o indivíduo que realizou compras numa loja de brinquedos com o cartão clonado. A polícia pede que as possíveis vítimas ou testemunhas que reconheçam os acusados façam a denúncia à Polícia, através do Disque Denúncia (181). A ligação é gratuita e o cidadão não precisa se identificar.

A Polícia Civil detalhou  ontem a prisão de três  acusados de envolvimento com um golpe que envolve cartões bancários clonados a partir de dados roubados de clientes. Renilson Pedro da Silva, José Pereira Lira e Jorge Soares de Castro eram investigados há mais de um mês e foram presos no dia 24 de junho, enquanto saíam de uma agência bancária no centro da capital. Por meio deles, equipes da Divisão de Inteligência e Planejamento Policial (Dipol) e do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope) encontraram uma casa no bairro Aruana (zona de expansão) que funcionava como fábrica dos cartões clonados.
A estimativa da polícia é de que os três suspeitos tenham causado um prejuízo de mais de R$ 300 mil a pelo menos 50 vítimas. De acordo com a delegada Mayra Fernanda Moinhos, da Dipol, as investigações começaram após as próprias instituições financeiras procurarem a Polícia Civil, explicando sobre indivíduos que estavam de posse de cartões clonados realizando transações financeiras fraudulentas. Os policiais passaram então a identificar a rotina desses indivíduos que, quase sequencialmente, iam a agências bancárias de posse desses cartões para realizar os golpes.
No dia 24 de junho, os suspeitos foram visualizados deixando a agência no centro. Os policiais fizeram vigilância para verificar se eles iriam até o laboratório da associação criminosa, mas nesse dia, o grupo parou em outro estabelecimento comercial. Nesta oportunidade foi realizada a prisão do trio, junto com o apoio da Polícia Militar da área, o Batalhão de Polícia de Turismo (BPTur). Os homens se negaram a dizer onde estavam hospedados. 
A investigação continuou com o apoio da Dipol, e no dia 27 de junho, a casa onde funcionava a produção dos cartões clonados foi encontrada. "Foram apreendidos 120 cartões, impressoras, gravadores e leitoras de cartões magnéticos, além de várias anotações, que leva a concluir que de fato toda a cadeia produtiva do cartão se dava nesse laboratório", disse Mayra.
Renilson já possui passagens pela polícia e tinha mandado de prisão aberto pela Polícia Civil de Sergipe pelo mesmo crime que está sendo acusado. "Renilson dominava a prática de instalar equipamentos eletrônicos de captação de dados que é conhecido como 'chupa-cabra', e a partir da captação produziam os cartões clonados para a realização dos saques", afirmou a delegada. 
Após a divulgação das imagens dos envolvidos pelo Instagram da Polícia Civil, uma vítima reconheceu Jorge Castro como o indivíduo que realizou compras numa loja de brinquedos com o cartão clonado. A polícia pede que as possíveis vítimas ou testemunhas que reconheçam os acusados façam a denúncia à Polícia, através do Disque Denúncia (181). A ligação é gratuita e o cidadão não precisa se identificar.