O dino de Maringá, o pó e outras balbúrdias mais

Opinião

 

* Antonio Passos
Que ironia do destino! Não faz muito tempo que Temer, o presidente preliminar, disse que o projeto era construir uma "ponte para o futuro". Agora, mal começou o governo principal, o Brasil coloca os dois pés na pré-história. Será que Temer já sabia de tudo e falou em "futuro" só pra despistar?
Incomode a quem incomodar, uma das celebridades do Brasil hoje é ele. Saído das profundezas do passado, sua descoberta recoloca o país nos trilhos do interesse científico. Diz a Folha de S. Paulo: "Há 90 milhões de anos, as areias do vasto deserto que cobria o interior do Paraná eram patrulhadas por um predador pequeno e ágil que dilacerava suas presas com as afiadas garras de seus pés".
Os cientistas batizaram o bicho com o nome de Vespersaurus paranaensis. O reencontro com o pimpolho foi anunciado para o mundo na Universidade Estadual de Maringá. Mas vejam só a criatividade brasileira para a sátira. Flagrei em uma mesa de bar no Mosqueiro um grupo chamando a fera de "Marrecossaurus de Maringá", em alusão ao ministro Sérgio Moro. Percebi tratar-se de partidários do ex-juiz, que viram semelhança entre as ações do então togado e a pegada do dino, daí a brincadeira.
Porém, engana-se quem pensa que esse feroz predador paranaense é o primeiro dinossauro da região. Confiram o que diz o jornal paulista sobre o assunto: "Também já vieram de lá animais como um pterossauro (réptil voador) e um lagarto primitivo (tais criaturas podem ter feito parte do cardápio do dinossauro recém-descoberto)." Opa! Volte um pouquinho essa fita. Quer dizer que o pterossauro é presa preferida do "Marrecossaurus de Maringá"? Isso é atual demais, gente! Parece que estamos saindo da paleontologia direto para as revelações de Glenn Greenwald…
Acho que Temer fez uma confusão danada na hora de ajustar os botões da "ponte para o futuro". Fomos todos lançados para um tempo jurássico e depois aquele passado pré-histórico pulou de volta e se apossou do presente. É muita balbúrdia. Eu quero ver isso de novo no VAR… Só acredito se o VAR confirmar…
Enquanto o VAR não vem, voltemos à Folha: "o animal de apenas 1,5 m de comprimento é, por enquanto, o mais completo dinossauro carnívoro a ser descoberto em território brasileiro. Além das lâminas nas patas, o caçador bípede tinha uma característica inusitada na hora de correr." (…) "Tal como os cavalos, ele era funcionalmente monodáctilo - ou seja, apoiava todo o peso do corpo num único dedo do pés. Não está totalmente claro se os demais dedos chegavam a tocar o chão quando o bicho se locomovia ou ficava de pé. Já seus membros superiores eram curtinhos - os braços tinham menos da metade do comprimento das pernas." Esse papo de braço curto me lembra Muralha, ex-goleiro do Flamengo. Ele parecia não conseguir descolar os braços do corpo. Por mais que pulasse na direção certa, só raras vezes alcançava a bola…
Roda e vira o mundo parece querer nos dizer que é mesmo uma bola e que o tempo é circular. Estamos sempre pulando e voltando a algum lugar no passado… Em 1854, foi publicado o livro "Memórias de um Sargento de Milícias", de Manuel Antônio de Almeida. Agora, em 2019, parece que estamos diante das memórias de um sargento de carreira… Mas, acho precipitação afirmar que os 39 quilos de cocaína encontrados em um avião da presidência da república configuram tráfico. E se o militar declarar que era para consumo?
* Antonio Passos é jornalista

* Antonio Passos

Que ironia do destino! Não faz muito tempo que Temer, o presidente preliminar, disse que o projeto era construir uma "ponte para o futuro". Agora, mal começou o governo principal, o Brasil coloca os dois pés na pré-história. Será que Temer já sabia de tudo e falou em "futuro" só pra despistar?
Incomode a quem incomodar, uma das celebridades do Brasil hoje é ele. Saído das profundezas do passado, sua descoberta recoloca o país nos trilhos do interesse científico. Diz a Folha de S. Paulo: "Há 90 milhões de anos, as areias do vasto deserto que cobria o interior do Paraná eram patrulhadas por um predador pequeno e ágil que dilacerava suas presas com as afiadas garras de seus pés".
Os cientistas batizaram o bicho com o nome de Vespersaurus paranaensis. O reencontro com o pimpolho foi anunciado para o mundo na Universidade Estadual de Maringá. Mas vejam só a criatividade brasileira para a sátira. Flagrei em uma mesa de bar no Mosqueiro um grupo chamando a fera de "Marrecossaurus de Maringá", em alusão ao ministro Sérgio Moro. Percebi tratar-se de partidários do ex-juiz, que viram semelhança entre as ações do então togado e a pegada do dino, daí a brincadeira.
Porém, engana-se quem pensa que esse feroz predador paranaense é o primeiro dinossauro da região. Confiram o que diz o jornal paulista sobre o assunto: "Também já vieram de lá animais como um pterossauro (réptil voador) e um lagarto primitivo (tais criaturas podem ter feito parte do cardápio do dinossauro recém-descoberto)." Opa! Volte um pouquinho essa fita. Quer dizer que o pterossauro é presa preferida do "Marrecossaurus de Maringá"? Isso é atual demais, gente! Parece que estamos saindo da paleontologia direto para as revelações de Glenn Greenwald…
Acho que Temer fez uma confusão danada na hora de ajustar os botões da "ponte para o futuro". Fomos todos lançados para um tempo jurássico e depois aquele passado pré-histórico pulou de volta e se apossou do presente. É muita balbúrdia. Eu quero ver isso de novo no VAR… Só acredito se o VAR confirmar…
Enquanto o VAR não vem, voltemos à Folha: "o animal de apenas 1,5 m de comprimento é, por enquanto, o mais completo dinossauro carnívoro a ser descoberto em território brasileiro. Além das lâminas nas patas, o caçador bípede tinha uma característica inusitada na hora de correr." (…) "Tal como os cavalos, ele era funcionalmente monodáctilo - ou seja, apoiava todo o peso do corpo num único dedo do pés. Não está totalmente claro se os demais dedos chegavam a tocar o chão quando o bicho se locomovia ou ficava de pé. Já seus membros superiores eram curtinhos - os braços tinham menos da metade do comprimento das pernas." Esse papo de braço curto me lembra Muralha, ex-goleiro do Flamengo. Ele parecia não conseguir descolar os braços do corpo. Por mais que pulasse na direção certa, só raras vezes alcançava a bola…
Roda e vira o mundo parece querer nos dizer que é mesmo uma bola e que o tempo é circular. Estamos sempre pulando e voltando a algum lugar no passado… Em 1854, foi publicado o livro "Memórias de um Sargento de Milícias", de Manuel Antônio de Almeida. Agora, em 2019, parece que estamos diante das memórias de um sargento de carreira… Mas, acho precipitação afirmar que os 39 quilos de cocaína encontrados em um avião da presidência da república configuram tráfico. E se o militar declarar que era para consumo?

* Antonio Passos é jornalista

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS