Líder de facção baiana morre após confronto em Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Alisson \'Troncho\', arma e objetos apreendidos
Alisson \'Troncho\', arma e objetos apreendidos

Alisson \'Troncho\', arma e objetos apreendidos
Alisson \'Troncho\', arma e objetos apreendidos

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/06/2019 às 23:13:00

 

Gabriel Damásio
Uma operação conjunta das polícias de Sergipe e da Bahia resultou na morte do foragido Alisson Araújo Nascimento, 26 anos, o "Troncho", apontado como um dos líderes da facção criminosa baiana 'Comissão da Paz' (CP). Ele foi localizado ao início da manhã de ontem em uma residência no bairro Olaria (zona oeste de Aracaju), onde acabou cercado por agentes do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), da Polícia Civil, que agiram em apoio a soldados de duas unidades de elite da Polícia Militar baiana.
De acordo com a PC sergipana, 'Troncho' foi encontrado após levantamentos de inteligência feitos por equipes especializadas das polícias Civil, Militar e Federal dos dois estados. Ele estava na casa armado com uma pistola e reagiu à abordagem dos policiais, atirando contra eles. No confronto que se seguiu, Alisson foi baleado e levado ao Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), onde sua morte foi constatada. Com ele, os agentes apreenderam, além da pistola com carregador e munições, uma balança de precisão e uma pequena porção de drogas. 
Alisson era procurado pela polícia baiana desde 2014, quando se envolveu no assassinato de um soldado da PM baiana que foi assaltado e morto a tiros no bairro da Liberdade, o mais populoso de Salvador. De acordo com as investigações, era neste mesmo bairro que o foragido comandava o tráfico de drogas e as atividades da facção, mesmo morando na capital sergipana. "Troncho determinava à distância a venda de drogas, roubos e execuções. De Aracaju enviava também armas e cargas de entorpecentes. Ele assumiu a liderança da facção após Gilmar Silva Tanajura, o 'Aranha', morrer em confronto com a polícia em 2015", explica a SSP da Bahia, em seu comunicado oficial. 
'Troncho' também é apontado como responsável por mais de 20 assassinatos e tinha contra si um mandado de prisão preventiva, expedido pela 2ª Vara do Tribunal do Júri de Salvador. Após a confirmação da morte de Alisson em Aracaju, equipes da PM baiana reforçaram o policiamento no bairro onde ele atuava, a fim de capturar outros integrantes da quadrilha. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), em Aracaju, e aguardava a liberação oficial até o fechamento desta edição. 
Em cerca de três anos, este foi mais um caso de líderes de facções criminosas da Bahia que são presos ou mortos pela polícia em Sergipe, estado que vem sendo visado como esconderijo para os criminosos do estado vizinho, por causa da proximidade entre Aracaju e Salvador. Em maio deste ano, outra operação conjunta realizada no conjunto Eduardo Gomes, em São Cristóvão (Grande Aracaju), resultou na morte de Jean Barroso de Santana Teixeira, 34, igualmente acusado por tráfico e vários assassinatos. Ele liderava a facção 'Bonde do Maluco' (BDM), também atuante na Bahia e principal inimiga da CP, com quem disputa o controle do tráfico de drogas em Salvador e outras cidades. 

Gabriel Damásio

Uma operação conjunta das polícias de Sergipe e da Bahia resultou na morte do foragido Alisson Araújo Nascimento, 26 anos, o "Troncho", apontado como um dos líderes da facção criminosa baiana 'Comissão da Paz' (CP). Ele foi localizado ao início da manhã de ontem em uma residência no bairro Olaria (zona oeste de Aracaju), onde acabou cercado por agentes do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), da Polícia Civil, que agiram em apoio a soldados de duas unidades de elite da Polícia Militar baiana.
De acordo com a PC sergipana, 'Troncho' foi encontrado após levantamentos de inteligência feitos por equipes especializadas das polícias Civil, Militar e Federal dos dois estados. Ele estava na casa armado com uma pistola e reagiu à abordagem dos policiais, atirando contra eles. No confronto que se seguiu, Alisson foi baleado e levado ao Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), onde sua morte foi constatada. Com ele, os agentes apreenderam, além da pistola com carregador e munições, uma balança de precisão e uma pequena porção de drogas. 
Alisson era procurado pela polícia baiana desde 2014, quando se envolveu no assassinato de um soldado da PM baiana que foi assaltado e morto a tiros no bairro da Liberdade, o mais populoso de Salvador. De acordo com as investigações, era neste mesmo bairro que o foragido comandava o tráfico de drogas e as atividades da facção, mesmo morando na capital sergipana. "Troncho determinava à distância a venda de drogas, roubos e execuções. De Aracaju enviava também armas e cargas de entorpecentes. Ele assumiu a liderança da facção após Gilmar Silva Tanajura, o 'Aranha', morrer em confronto com a polícia em 2015", explica a SSP da Bahia, em seu comunicado oficial. 
'Troncho' também é apontado como responsável por mais de 20 assassinatos e tinha contra si um mandado de prisão preventiva, expedido pela 2ª Vara do Tribunal do Júri de Salvador. Após a confirmação da morte de Alisson em Aracaju, equipes da PM baiana reforçaram o policiamento no bairro onde ele atuava, a fim de capturar outros integrantes da quadrilha. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), em Aracaju, e aguardava a liberação oficial até o fechamento desta edição. 
Em cerca de três anos, este foi mais um caso de líderes de facções criminosas da Bahia que são presos ou mortos pela polícia em Sergipe, estado que vem sendo visado como esconderijo para os criminosos do estado vizinho, por causa da proximidade entre Aracaju e Salvador. Em maio deste ano, outra operação conjunta realizada no conjunto Eduardo Gomes, em São Cristóvão (Grande Aracaju), resultou na morte de Jean Barroso de Santana Teixeira, 34, igualmente acusado por tráfico e vários assassinatos. Ele liderava a facção 'Bonde do Maluco' (BDM), também atuante na Bahia e principal inimiga da CP, com quem disputa o controle do tráfico de drogas em Salvador e outras cidades.