Huse: 70% das vítimas de queimaduras sofreram amputações

Cidades

 

O ditado é bem claro e diz: quem brinca com fogo acaba se queimando. Algumas pessoas ignoraram essa máxima e sofreram na pele. De 1 a 24 de junho, o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), registrou 56 pacientes vítimas de queimaduras. Desse total, 32 foram por fogos de artifício e os demais relacionados a acidentes domésticos e líquidos superaquecidos. Na véspera de São João, 23, foram registrados 15 vítimas de queimaduras e outras 17 durante todo o dia 24. De acordo com a referência técnica da cirurgia plástica do Huse, Moema Santana, o que mais chamou a atenção este ano foram os casos de amputações, que atingiram 70% dessas vítimas.
"As amputações ocorreram em dedos, mão e trauma complexo de mão em uma criança de 11 anos. Então, a gente só pode sugerir que as pessoas reforcem os cuidados, principalmente com as crianças, que não devem manusear bombas de alto teor explosivo. Quanto aos adultos, devem pensar em usar protetores como luvas, casacos, calça jeans e óculos, pois tivemos dois pacientes com trauma ocular", alertou a médica.
As sequelas de uma queimadura são graves e em amputação é irreversível. Os acidentes domésticos também tiveram uma estatística relevante e muitas vítimas foram encaminhadas para a Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ) do Huse, principalmente envolvendo crianças. Ana Valéria Brito, 26, está com o pequeno H.B, um ano de idade e internado há sete dias. Ela explica como tudo aconteceu. "Eu tenho o hábito de sempre passar ferro no lençol antes de passar na roupa, como o ferro estava sujo, a roupa grudou e eu desliguei da tomada e coloquei a tomada em cima da mesa. Foi tudo muito rápido e quando vi meu filho já estava queimado e eu corri para o hospital com ele", explicou.
Todo um preparativo foi montado para receber as vítimas que chegaram pelo Pronto Socorro do Huse. Tudo para garantir agilidade na assistência durante os festejos juninos, de forma que foi criada uma sala exclusiva para assistência imediata às vítimas de queimaduras. O espaço serviu de apoio à UTQ e funcionará até o final do mês (30 de junho). Além disso, uma equipe multidisciplinar formada por cirurgiões plásticos, enfermeiros e técnicos de enfermagem estiveram de plantão 24 horas para atenderem a demanda de queimados. A estrutura da UTQ, que foi completamente reformada e entregue no início do mês, contribui para a assistência desses pacientes.
Estância - A tradição centenária do uso de fogos de artifícios para festejar o São João na cidade de Estância, na região Sul de Sergipe, levou 24 pessoas ao Hospital Regional Dr. Jessé Fontes, unidade da Secretaria de Estado da Saúde. Um dos pacientes foi transferido para o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), vítima de explosão de fogos na mão direita. Também entre os casos mais graves destacaram-se duas pessoas que tiveram os olhos atingidos por fogos e outra com queimadura de segundo grau na face.

O ditado é bem claro e diz: quem brinca com fogo acaba se queimando. Algumas pessoas ignoraram essa máxima e sofreram na pele. De 1 a 24 de junho, o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), registrou 56 pacientes vítimas de queimaduras. Desse total, 32 foram por fogos de artifício e os demais relacionados a acidentes domésticos e líquidos superaquecidos. Na véspera de São João, 23, foram registrados 15 vítimas de queimaduras e outras 17 durante todo o dia 24. De acordo com a referência técnica da cirurgia plástica do Huse, Moema Santana, o que mais chamou a atenção este ano foram os casos de amputações, que atingiram 70% dessas vítimas.
"As amputações ocorreram em dedos, mão e trauma complexo de mão em uma criança de 11 anos. Então, a gente só pode sugerir que as pessoas reforcem os cuidados, principalmente com as crianças, que não devem manusear bombas de alto teor explosivo. Quanto aos adultos, devem pensar em usar protetores como luvas, casacos, calça jeans e óculos, pois tivemos dois pacientes com trauma ocular", alertou a médica.
As sequelas de uma queimadura são graves e em amputação é irreversível. Os acidentes domésticos também tiveram uma estatística relevante e muitas vítimas foram encaminhadas para a Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ) do Huse, principalmente envolvendo crianças. Ana Valéria Brito, 26, está com o pequeno H.B, um ano de idade e internado há sete dias. Ela explica como tudo aconteceu. "Eu tenho o hábito de sempre passar ferro no lençol antes de passar na roupa, como o ferro estava sujo, a roupa grudou e eu desliguei da tomada e coloquei a tomada em cima da mesa. Foi tudo muito rápido e quando vi meu filho já estava queimado e eu corri para o hospital com ele", explicou.
Todo um preparativo foi montado para receber as vítimas que chegaram pelo Pronto Socorro do Huse. Tudo para garantir agilidade na assistência durante os festejos juninos, de forma que foi criada uma sala exclusiva para assistência imediata às vítimas de queimaduras. O espaço serviu de apoio à UTQ e funcionará até o final do mês (30 de junho). Além disso, uma equipe multidisciplinar formada por cirurgiões plásticos, enfermeiros e técnicos de enfermagem estiveram de plantão 24 horas para atenderem a demanda de queimados. A estrutura da UTQ, que foi completamente reformada e entregue no início do mês, contribui para a assistência desses pacientes.

Estância -
A tradição centenária do uso de fogos de artifícios para festejar o São João na cidade de Estância, na região Sul de Sergipe, levou 24 pessoas ao Hospital Regional Dr. Jessé Fontes, unidade da Secretaria de Estado da Saúde. Um dos pacientes foi transferido para o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), vítima de explosão de fogos na mão direita. Também entre os casos mais graves destacaram-se duas pessoas que tiveram os olhos atingidos por fogos e outra com queimadura de segundo grau na face.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS