Aluno ameaça atentado em campus e Unit suspende aulas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A polícia foi chamada e ocupou o Campus da Unit na FarolânDia
A polícia foi chamada e ocupou o Campus da Unit na FarolânDia

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 11/06/2019 às 08:25:00

 

Gabriel Damásio
Alunos e funcionários 
da Universidade Tira-
dentes (Unit) viveram momentos de pânico e tensão na manhã de ontem, após a circulação de uma série de mensagens com ameaças de morte feitas a alunos, professores e diretores da instituição. Nelas, um estudante do curso de Engenharia de Produção deu indicações de que poderia fazer um atentado a tiros no Campus Farolândia, no Augusto Franco (zona sul), o principal da instituição. As mensagens se espalharam rapidamente, provocando medo entre os estudantes e uma reação rápida da instituição. 
Por volta das 11h da manhã, a reitoria da Unit suspendeu as aulas no campus e orientou seus seguranças a barrarem e deterem o aluno nas portarias, caso ele aparecesse. Em seguida, pelo menos cinco equipes da Polícia Militar foram enviadas para reforçar a segurança nas portarias e no entorno do campus. Enquanto isso, alguns estudantes que já estavam dentro dele e ficaram sabendo das ameaças chegaram a trancar as portas das salas de aula com cadeiras, para evitar uma possível invasão. Em seguida, com a suspensão das aulas, eles foram orientados a deixar o local. 
Em áudios divulgados nas redes sociais, outros alunos relataram a movimentação da polícia e o clima de medo que se instalou entre eles. "Velho, chegaram três viaturas da polícia aqui na Unit. Eles acabaram de passar por mim e tão dizendo que o cara já tá aqui dentro da Unit. É tanto que tá todo mundo indo embora, velho. Não tão ficando nem na catraca. E do outro lado da avenida, passaram outras duas viaturas. Menina, quem tem c..., tem medo. E o meu já tá na mão, viu?", desabafou uma aluna, muito tensa.  
O clima criado entre quem estava no campus se justificou pelo tom das mensagens publicadas pelo aluno. Em uma das postagens, o autor afirma textualmente que pretende "matar todo mundo que puder" dentro do campus, e que "tá na hora de todo mundo pagar pelos pecados". Em outra, ele manda que todos os "idólatras de outros deuses", "preguiçosos", homicidas, homossexuais, bissexuais, ladrões, assassinos e alcóolatras "saiam da cidade". 
Para piorar o clima, integrantes de outros grupos de Whatsapp espalharam uma 'fake news' com fotos de um homem que foi confundido com o estudante da Unit e aparece segurando a réplica de uma metralhadora, seguida da legenda "Partiu, Unit". Com a repercussão do caso, o homem das fotos postou um vídeo esclarecendo que é um instrutor de airsoft (jogo de estratégia usando armas de pressão, não-letais), mora em Lagarto e não estuda mais na Unit, mas iria para uma atividade de treinamento que seria realizada no campus e, por coincidência, postou uma foto em tom de brincadeira. 
A verdadeira identidade do estudante que fez as ameaças foi preservada a pedido da família, mas uma irmã dele confirmou, em postagem no Instagram, que o aluno enfrenta problemas de depressão e foi internado pelo pai em uma clínica psiquiátrica, após sofrer uma crise na manhã de ontem. Disse ainda que ele ficou doente após uma série de problemas pessoais gerados pelas mortes recentes da mãe e da avó, além da pressão criada pela produção do seu trabalho de conclusão de curso. E pediu compaixão a todos, chamando a atenção para a gravidade da doença. Colegas de turma que estudam com o autor das mensagens também divulgaram áudios nas redes sociais, descrevendo-o como uma pessoa calma e estudiosa. 
Notas - Em nota, a Unit informou que suspendeu as aulas no Campus Farolândia e em todas as suas unidades de Sergipe com o intuito de garantir a segurança de alunos e colaboradores, "de modo rigoroso e preventivo" e "em virtude de mensagens divulgadas nas redes sociais que levantavam a possibilidade de risco à comunidade acadêmica". Disse também, que a polícia foi acionada "diante de um contexto social de especulações e comoção", e que seus representantes "buscaram, junto à origem das mensagens, esclarecer os fatos e colocar à disposição nossa estrutura e profissionais especializados a fim de prestar o apoio necessário aos envolvidos".
A instituição confirmou ainda que as atividades nos campi de Sergipe serão retomadas normalmente hoje, "após a intervenção dos órgãos competentes, ânimos controlados e a absoluta certeza de que dispomos de uma estrutura completa para ofertar a segurança necessária aos nossos discentes e colaboradores". 
Por sua parte, a Polícia Civil confirmou que o caso está sendo investigado pela equipe do delegado Thiago Leandro Oliveira, que fez as primeiras diligências na tarde de ontem, acompanhando os familiares do aluno na clínica psiquiátrica. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), ele deverá prestar depoimento nos próximos dias e foi instaurado um Termo de Ocorrência Circunstanciado (TOC) pelo crime de ameaça. 

Gabriel Damásio

Alunos e funcionários  da Universidade Tira- dentes (Unit) viveram momentos de pânico e tensão na manhã de ontem, após a circulação de uma série de mensagens com ameaças de morte feitas a alunos, professores e diretores da instituição. Nelas, um estudante do curso de Engenharia de Produção deu indicações de que poderia fazer um atentado a tiros no Campus Farolândia, no Augusto Franco (zona sul), o principal da instituição. As mensagens se espalharam rapidamente, provocando medo entre os estudantes e uma reação rápida da instituição. 
Por volta das 11h da manhã, a reitoria da Unit suspendeu as aulas no campus e orientou seus seguranças a barrarem e deterem o aluno nas portarias, caso ele aparecesse. Em seguida, pelo menos cinco equipes da Polícia Militar foram enviadas para reforçar a segurança nas portarias e no entorno do campus. Enquanto isso, alguns estudantes que já estavam dentro dele e ficaram sabendo das ameaças chegaram a trancar as portas das salas de aula com cadeiras, para evitar uma possível invasão. Em seguida, com a suspensão das aulas, eles foram orientados a deixar o local. 
Em áudios divulgados nas redes sociais, outros alunos relataram a movimentação da polícia e o clima de medo que se instalou entre eles. "Velho, chegaram três viaturas da polícia aqui na Unit. Eles acabaram de passar por mim e tão dizendo que o cara já tá aqui dentro da Unit. É tanto que tá todo mundo indo embora, velho. Não tão ficando nem na catraca. E do outro lado da avenida, passaram outras duas viaturas. Menina, quem tem c..., tem medo. E o meu já tá na mão, viu?", desabafou uma aluna, muito tensa.  
O clima criado entre quem estava no campus se justificou pelo tom das mensagens publicadas pelo aluno. Em uma das postagens, o autor afirma textualmente que pretende "matar todo mundo que puder" dentro do campus, e que "tá na hora de todo mundo pagar pelos pecados". Em outra, ele manda que todos os "idólatras de outros deuses", "preguiçosos", homicidas, homossexuais, bissexuais, ladrões, assassinos e alcóolatras "saiam da cidade". 
Para piorar o clima, integrantes de outros grupos de Whatsapp espalharam uma 'fake news' com fotos de um homem que foi confundido com o estudante da Unit e aparece segurando a réplica de uma metralhadora, seguida da legenda "Partiu, Unit". Com a repercussão do caso, o homem das fotos postou um vídeo esclarecendo que é um instrutor de airsoft (jogo de estratégia usando armas de pressão, não-letais), mora em Lagarto e não estuda mais na Unit, mas iria para uma atividade de treinamento que seria realizada no campus e, por coincidência, postou uma foto em tom de brincadeira. 
A verdadeira identidade do estudante que fez as ameaças foi preservada a pedido da família, mas uma irmã dele confirmou, em postagem no Instagram, que o aluno enfrenta problemas de depressão e foi internado pelo pai em uma clínica psiquiátrica, após sofrer uma crise na manhã de ontem. Disse ainda que ele ficou doente após uma série de problemas pessoais gerados pelas mortes recentes da mãe e da avó, além da pressão criada pela produção do seu trabalho de conclusão de curso. E pediu compaixão a todos, chamando a atenção para a gravidade da doença. Colegas de turma que estudam com o autor das mensagens também divulgaram áudios nas redes sociais, descrevendo-o como uma pessoa calma e estudiosa. 

Notas - Em nota, a Unit informou que suspendeu as aulas no Campus Farolândia e em todas as suas unidades de Sergipe com o intuito de garantir a segurança de alunos e colaboradores, "de modo rigoroso e preventivo" e "em virtude de mensagens divulgadas nas redes sociais que levantavam a possibilidade de risco à comunidade acadêmica". Disse também, que a polícia foi acionada "diante de um contexto social de especulações e comoção", e que seus representantes "buscaram, junto à origem das mensagens, esclarecer os fatos e colocar à disposição nossa estrutura e profissionais especializados a fim de prestar o apoio necessário aos envolvidos".
A instituição confirmou ainda que as atividades nos campi de Sergipe serão retomadas normalmente hoje, "após a intervenção dos órgãos competentes, ânimos controlados e a absoluta certeza de que dispomos de uma estrutura completa para ofertar a segurança necessária aos nossos discentes e colaboradores". 
Por sua parte, a Polícia Civil confirmou que o caso está sendo investigado pela equipe do delegado Thiago Leandro Oliveira, que fez as primeiras diligências na tarde de ontem, acompanhando os familiares do aluno na clínica psiquiátrica. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), ele deverá prestar depoimento nos próximos dias e foi instaurado um Termo de Ocorrência Circunstanciado (TOC) pelo crime de ameaça.