Chuvas provocam muitos transtornos na Grande Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
No Jardins, as ruas ficaram totalmente inundadas. Chuvas provocaram caos em todas as regiões do Estado
No Jardins, as ruas ficaram totalmente inundadas. Chuvas provocaram caos em todas as regiões do Estado

VOLUME DE CHUVAS CHEGOU A 132 MILÍMETROS NAS ÚLTIMAS 24 HORAS, BEM ACIMA DO PREVISTO, E PROVOCOU ESTRAGOS E CONGESTIONAMENTOS EM TODAS AS ÁREAS DA CIDADE
VOLUME DE CHUVAS CHEGOU A 132 MILÍMETROS NAS ÚLTIMAS 24 HORAS, BEM ACIMA DO PREVISTO, E PROVOCOU ESTRAGOS E CONGESTIONAMENTOS EM TODAS AS ÁREAS DA CIDADE

VOLUME DE CHUVAS CHEGOU A 132 MILÍMETROS NAS ÚLTIMAS 24 HORAS, BEM ACIMA DO PREVISTO, E PROVOCOU ESTRAGOS E CONGESTIONAMENTOS EM TODAS AS ÁREAS DA CIDADE
VOLUME DE CHUVAS CHEGOU A 132 MILÍMETROS NAS ÚLTIMAS 24 HORAS, BEM ACIMA DO PREVISTO, E PROVOCOU ESTRAGOS E CONGESTIONAMENTOS EM TODAS AS ÁREAS DA CIDADE

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/06/2019 às 23:18:00

 

Milton Alves Júnior
Debaixo de fortes chu
vas e rajadas de ven
tos que alcançaram 60 km/h, a região metropolitana de Aracaju viveu nas últimas 24 horas um cenário de caos generalizado. Paralelo ao registro já esperado de quedas de árvores e panes no sistema elétrico de semáforos e iluminações públicas, a intensidade climática - superior a prevista pela Defesa Civil Estadual e pelo Centro de Meteorologia de Sergipe -, resultou em dezenas de ruas e avenidas alagadas, erosão do solo em ruas do bairro Atalaia, colapso parcial de casas e dezenas de acidentes automotivos. O volume de água também ultrapassou as expectativas e contribuiu para o alagamento de escolas e unidades básicas de saúde.
No bairro Santos Dumont, zona Norte de Aracaju, uma árvore caiu sobre uma residência, cuja família necessitou deixar o local por tempo indeterminado. Na mesma região um acidente envolvendo cinco carros deixou três pessoas levemente feridas, e duas com necessidade de ser levada ao Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). No Conjunto Santa Luzia o acúmulo de água inundou ruas e invadiu residências que ficam nas proximidades do mangue. No Conjunto Augusto Franco placas de publicidade despencaram e atingiram três carros estacionados na Avenida Paulo VI, que dá acesso ao Shopping Jardins. Nas proximidades desse centro particular de compras, mais impactos.
A Praça Alberto Carvalho, na Avenida Geraldo Barreto Sobral, ficou inundada ao ponto de encobrir mais de 90% do pátio. No que se refere ao colapso parcial de solo na Atalaia, zona Sul da capital sergipana, três carros também despencaram. Agentes da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), interditaram as vias que somente devem ser novamente liberadas para fluxo após passagem da frente fria e manutenção geral na pista. O serviço operacional - sem contar com o período de chuva -, deve durar uma semana. Não houve registro de feridos nessas ocorrências.
Pontos de alagamento - Em Aracaju, até o final da tarde de ontem foram registrados pontos de alagamentos nos bairros: Aruana, Santa Maria, 17 de Março, Orlando Dantas, Mosqueiro, Atalaia, Grageru, São José, Siqueira Campos, Santos Dumont, Centro, Bugio, 13 de Julho, Luzia, Medici, Castelo Branco, Inácio Barbosa, Industrial, Sol Nascente, além dos conjuntos Augusto Franco, Santa Lúcia, Jardim Centenário e Beira Mar. A previsão do tempo indicava um volume de chuva com até 80 mm; somente até as 10h de ontem esse volume já ultrapassava a casa dos 130 mm. Diante da tempestade, a Prefeitura de Aracaju, através da Secretaria Municipal da Assistência Social, seguiu para os pontos mais críticos com o intuito de identificar as situações de riscos.
Atualmente, cerca de 100 profissionais, divididos entre 30 equipes, foram acionados e estão espalhados pela cidade em busca de famílias afetadas pelas condições climáticas. Entre os técnicos estão assistentes sociais e psicólogos. Os encaminhamentos necessários foram adotados. Um desses locais visitados foi o prédio da antiga Clínica Santa Maria que foi invadida e abriga ilegalmente 70 famílias. De acordo com a PMA, a intenção dos técnicos é fazer com que o maior número de famílias deixem, de maneira espontânea, a localidade que, recentemente, foi interditada pela Defesa Civil de Aracaju por apresentar riscos de desmoronamento.
Resgate e prevenção - Em reunião com os secretários Sérgio Ferrari (Emurb), Luiz Roberto Dantas (Emsurb), Luís Fernando Almeida (Defesa Social), Carlos Cauê (Comunicação), Antônio Bittencourt  (Assistência Social), Nildomar Freire (Chefia de Gabinete do Prefeito), e o diretor de trânsito da SMTT, Thiago Alcântara, o Prefeito Edvaldo Nogueira pediu que todas as equipes de resgate e prevenção de sinistros permaneçam em operação até que a situação de periculosidade seja reduzida. Esse trabalho é realizado de forma paralela com a Defesa Civil Estadual e com o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Sergipe (CBM/SE).
 "Houve um aumento do índice esperado. Pois, a previsão era de, no máximo, 80 mm, e já chegamos a 132 mm. Por isso, é inevitável a ocorrência de transtornos, mas estamos trabalhando para minimizar os efeitos e dar o suporte necessário para que a cidade possa passar por este momento", declarou Edvaldo. No final da tarde de ontem a PMA informou que a central de emergência 199 recebeu pedidos de ajuda nos bairros: 13 de Julho, Suíssa, Porto Dantas, Palestina, Santa Maria, Cidade Nova, Jabotiana, Industrial e Farolândia. Nessas regiões foram identificamos deslizamentos de terra, quedas de árvores e riscos de desabamento de casas e desabamento de coberturas de garagens.
Energia - As rajadas de vento atingiram também a rede elétrica da capital. De acordo com o Grupo Energisa, além de Aracaju, o fornecimento de energia foi interrompido nas cidades de São Cristóvão, Nossa Senhora do Socorro, Barra dos Coqueiros e Itaporanga d'Ajuda. Os reparos foram realizados e o sistema restabelecido ainda ontem. Segundo análise técnica realizada pela empresa, a falha na energia causou transtornos nos semáforos da capital e o trânsito ficou lento nas avenidas Ministro Geraldo Barreto Sobral, Euclides Figueiredo, Augusto Franco (sentido sul), Edélzio Vieira de Melo (Cruzamento), Acrísio Cruz, Pedro Valadares e Silvio Teixeira, além das ruas Lagarto, Campo do Brito, Acrísio Cruz e nas proximidades do Terminal de Integração da Maracaju.
Em Nossa Senhora do Socorro a Secretaria Municipal da Educação informou que todas as aulas nos turnos da tarde e noite estavam suspensas em decorrência das fortes chuvas. A medida foi apresentada no final da manhã quando em vários pontos da cidade famílias tiveram que deixar as casas em virtude dos alagamentos. A Prefeitura de Socorro informou que as aulas no turno matutino ocorreram dentro do previsto, e que o reinício geral das atividades escolares está marcado para a próxima segunda-feira, 10. Houveram ainda registros de problemas causados pelas chuvas nos municípios de Itabaiana, Maruim, Pirambu, Campo do Brito, Laranjeiras, Areia Branca, São Domingos, Lagarto, Ribeirópolis, Japaratuba, Estância e Riachão do Dantas.

Milton Alves Júnior

Debaixo de fortes chu vas e rajadas de ven tos que alcançaram 60 km/h, a região metropolitana de Aracaju viveu nas últimas 24 horas um cenário de caos generalizado. Paralelo ao registro já esperado de quedas de árvores e panes no sistema elétrico de semáforos e iluminações públicas, a intensidade climática - superior a prevista pela Defesa Civil Estadual e pelo Centro de Meteorologia de Sergipe -, resultou em dezenas de ruas e avenidas alagadas, erosão do solo em ruas do bairro Atalaia, colapso parcial de casas e dezenas de acidentes automotivos. O volume de água também ultrapassou as expectativas e contribuiu para o alagamento de escolas e unidades básicas de saúde.
No bairro Santos Dumont, zona Norte de Aracaju, uma árvore caiu sobre uma residência, cuja família necessitou deixar o local por tempo indeterminado. Na mesma região um acidente envolvendo cinco carros deixou três pessoas levemente feridas, e duas com necessidade de ser levada ao Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). No Conjunto Santa Luzia o acúmulo de água inundou ruas e invadiu residências que ficam nas proximidades do mangue. No Conjunto Augusto Franco placas de publicidade despencaram e atingiram três carros estacionados na Avenida Paulo VI, que dá acesso ao Shopping Jardins. Nas proximidades desse centro particular de compras, mais impactos.
A Praça Alberto Carvalho, na Avenida Geraldo Barreto Sobral, ficou inundada ao ponto de encobrir mais de 90% do pátio. No que se refere ao colapso parcial de solo na Atalaia, zona Sul da capital sergipana, três carros também despencaram. Agentes da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), interditaram as vias que somente devem ser novamente liberadas para fluxo após passagem da frente fria e manutenção geral na pista. O serviço operacional - sem contar com o período de chuva -, deve durar uma semana. Não houve registro de feridos nessas ocorrências.

Pontos de alagamento - Em Aracaju, até o final da tarde de ontem foram registrados pontos de alagamentos nos bairros: Aruana, Santa Maria, 17 de Março, Orlando Dantas, Mosqueiro, Atalaia, Grageru, São José, Siqueira Campos, Santos Dumont, Centro, Bugio, 13 de Julho, Luzia, Medici, Castelo Branco, Inácio Barbosa, Industrial, Sol Nascente, além dos conjuntos Augusto Franco, Santa Lúcia, Jardim Centenário e Beira Mar. A previsão do tempo indicava um volume de chuva com até 80 mm; somente até as 10h de ontem esse volume já ultrapassava a casa dos 130 mm. Diante da tempestade, a Prefeitura de Aracaju, através da Secretaria Municipal da Assistência Social, seguiu para os pontos mais críticos com o intuito de identificar as situações de riscos.
Atualmente, cerca de 100 profissionais, divididos entre 30 equipes, foram acionados e estão espalhados pela cidade em busca de famílias afetadas pelas condições climáticas. Entre os técnicos estão assistentes sociais e psicólogos. Os encaminhamentos necessários foram adotados. Um desses locais visitados foi o prédio da antiga Clínica Santa Maria que foi invadida e abriga ilegalmente 70 famílias. De acordo com a PMA, a intenção dos técnicos é fazer com que o maior número de famílias deixem, de maneira espontânea, a localidade que, recentemente, foi interditada pela Defesa Civil de Aracaju por apresentar riscos de desmoronamento.

Resgate e prevenção - Em reunião com os secretários Sérgio Ferrari (Emurb), Luiz Roberto Dantas (Emsurb), Luís Fernando Almeida (Defesa Social), Carlos Cauê (Comunicação), Antônio Bittencourt  (Assistência Social), Nildomar Freire (Chefia de Gabinete do Prefeito), e o diretor de trânsito da SMTT, Thiago Alcântara, o Prefeito Edvaldo Nogueira pediu que todas as equipes de resgate e prevenção de sinistros permaneçam em operação até que a situação de periculosidade seja reduzida. Esse trabalho é realizado de forma paralela com a Defesa Civil Estadual e com o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Sergipe (CBM/SE).
 "Houve um aumento do índice esperado. Pois, a previsão era de, no máximo, 80 mm, e já chegamos a 132 mm. Por isso, é inevitável a ocorrência de transtornos, mas estamos trabalhando para minimizar os efeitos e dar o suporte necessário para que a cidade possa passar por este momento", declarou Edvaldo. No final da tarde de ontem a PMA informou que a central de emergência 199 recebeu pedidos de ajuda nos bairros: 13 de Julho, Suíssa, Porto Dantas, Palestina, Santa Maria, Cidade Nova, Jabotiana, Industrial e Farolândia. Nessas regiões foram identificamos deslizamentos de terra, quedas de árvores e riscos de desabamento de casas e desabamento de coberturas de garagens.

Energia - As rajadas de vento atingiram também a rede elétrica da capital. De acordo com o Grupo Energisa, além de Aracaju, o fornecimento de energia foi interrompido nas cidades de São Cristóvão, Nossa Senhora do Socorro, Barra dos Coqueiros e Itaporanga d'Ajuda. Os reparos foram realizados e o sistema restabelecido ainda ontem. Segundo análise técnica realizada pela empresa, a falha na energia causou transtornos nos semáforos da capital e o trânsito ficou lento nas avenidas Ministro Geraldo Barreto Sobral, Euclides Figueiredo, Augusto Franco (sentido sul), Edélzio Vieira de Melo (Cruzamento), Acrísio Cruz, Pedro Valadares e Silvio Teixeira, além das ruas Lagarto, Campo do Brito, Acrísio Cruz e nas proximidades do Terminal de Integração da Maracaju.
Em Nossa Senhora do Socorro a Secretaria Municipal da Educação informou que todas as aulas nos turnos da tarde e noite estavam suspensas em decorrência das fortes chuvas. A medida foi apresentada no final da manhã quando em vários pontos da cidade famílias tiveram que deixar as casas em virtude dos alagamentos. A Prefeitura de Socorro informou que as aulas no turno matutino ocorreram dentro do previsto, e que o reinício geral das atividades escolares está marcado para a próxima segunda-feira, 10. Houveram ainda registros de problemas causados pelas chuvas nos municípios de Itabaiana, Maruim, Pirambu, Campo do Brito, Laranjeiras, Areia Branca, São Domingos, Lagarto, Ribeirópolis, Japaratuba, Estância e Riachão do Dantas.