Policia cumpre mandados de prisão contra quadrilha em Propriá

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/06/2019 às 22:44:00

 

Policiais civis da Delegacia Regional de Propriá deflagraram ontem a 'Operação Cartel', que cumpriu 10 mandados de prisão preventiva contra integrantes de uma organização criminosa que agia na região do Baixo São Francisco. Em uma primeira frente das buscas, na cidade de Propriá, foram presos os suspeitos Antônio dos Santos Filho, Nailson dos Santos, Wandson Gomes dos Santos, Misael Anthony Pereira Barbosa e Antônio dos Santos Filho, o 'Tonho da Coopertalse'.  
Em outra frente da operação, agentes da Polícia Civil foram a presídios do Estado e deram cumprimento a mandados de prisão preventiva contra os internos Alesson Santos Souza, Jean Matos Pinheiro, Fernando dos Santos Feitosa, José Sávio Santana Gomes e Danilo Gonçalves Conceição. Segundo o delegado Antônio Wellinghton, como eles já respondem a vários processos, muitos detentos acabam sendo surpreendidos nos presídios com novas ordens de prisão por outros crimes praticados por eles quando estavam em liberdade. 
O delegado acrescenta que a investigação da Operação Cartel iniciou com a prisão de Rosiete Santos Melo, no dia 20 de março deste ano. Durante o cumprimento de busca e apreensão na residência do suspeito, a polícia apreendeu 88 pedras de crack, aparelhos celulares e dinheiro. Ainda na residência, foram encontrados comprovantes de depósitos a qual permitiu a polícia identificar uma organização criminosa na qual presidiários faziam a comercialização de drogas com parceiros de crime que estavam em liberdade. Descobriu-se, ainda, um cenário de disputas por pontos de tráfico na Rua do Gás, em Propriá.
A Polícia Civil solicita o apoio da população para prender quatro foragidos: Orlando Souza Lima, o 'Bizuca', apontado como principal articulador da venda de drogas, e sua esposa, Luciana Santos Alves; Kátia Maria da Silva, a 'Katinha', e Diógenes Santos, o 'Diógenes das Cacimbas', investigado como mandante de homicídios em alguns inquéritos. As denúncias podem ser feitas para o Disque-Denúncia 181. O sigilo é garantido. 

Policiais civis da Delegacia Regional de Propriá deflagraram ontem a 'Operação Cartel', que cumpriu 10 mandados de prisão preventiva contra integrantes de uma organização criminosa que agia na região do Baixo São Francisco. Em uma primeira frente das buscas, na cidade de Propriá, foram presos os suspeitos Antônio dos Santos Filho, Nailson dos Santos, Wandson Gomes dos Santos, Misael Anthony Pereira Barbosa e Antônio dos Santos Filho, o 'Tonho da Coopertalse'.  
Em outra frente da operação, agentes da Polícia Civil foram a presídios do Estado e deram cumprimento a mandados de prisão preventiva contra os internos Alesson Santos Souza, Jean Matos Pinheiro, Fernando dos Santos Feitosa, José Sávio Santana Gomes e Danilo Gonçalves Conceição. Segundo o delegado Antônio Wellinghton, como eles já respondem a vários processos, muitos detentos acabam sendo surpreendidos nos presídios com novas ordens de prisão por outros crimes praticados por eles quando estavam em liberdade. 
O delegado acrescenta que a investigação da Operação Cartel iniciou com a prisão de Rosiete Santos Melo, no dia 20 de março deste ano. Durante o cumprimento de busca e apreensão na residência do suspeito, a polícia apreendeu 88 pedras de crack, aparelhos celulares e dinheiro. Ainda na residência, foram encontrados comprovantes de depósitos a qual permitiu a polícia identificar uma organização criminosa na qual presidiários faziam a comercialização de drogas com parceiros de crime que estavam em liberdade. Descobriu-se, ainda, um cenário de disputas por pontos de tráfico na Rua do Gás, em Propriá.
A Polícia Civil solicita o apoio da população para prender quatro foragidos: Orlando Souza Lima, o 'Bizuca', apontado como principal articulador da venda de drogas, e sua esposa, Luciana Santos Alves; Kátia Maria da Silva, a 'Katinha', e Diógenes Santos, o 'Diógenes das Cacimbas', investigado como mandante de homicídios em alguns inquéritos. As denúncias podem ser feitas para o Disque-Denúncia 181. O sigilo é garantido.