PF investiga vereador de Tobias Barreto por corrupção eleitoral

Cidades

 

A Polícia Federal cumpriu ontem três mandados de busca e apreensão em Tobias Barreto (Centro-Sul). Segundo o órgão, o objetivo foi reunir provas em um inquérito policial que apura o crime de corrupção eleitoral supostamente praticado por um vereador do município, cujo nome não foi divulgado. A prática ficou caracterizada como compra de votos por parte do candidato. 
A investigação teve início com base em informações divulgadas na imprensa local, dando conta que o então candidato a vereador teria comprado sacos de cimento para distribuição a eleitores em troca de votos, nas eleições municipais de 2016. Há indícios de que um estabelecimento comercial da cidade forneceu grande quantidade de cimento para eleitores que apresentavam um "vale" assinado pelo candidato. Os agentes da PF cumpriram os mandados de busca e apreensão na casa do parlamentar investigado, no estabelecimento comercial e na casa do empresário que forneceu os produtos.
As investigações do caso correm em sigilo. Os materiais apreendidos foram recolhidos e trazidos para a sede da PF em Aracaju. O crime de corrupção eleitoral, tipificado no artigo 299 da Lei Eleitoral (4.737/65), ocorre quando qualquer pessoa dá, oferece, promete, solicita ou recebe, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva, ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto, ainda que a oferta não seja aceita. A pena prevista é de até quatro anos de reclusão. 

A Polícia Federal cumpriu ontem três mandados de busca e apreensão em Tobias Barreto (Centro-Sul). Segundo o órgão, o objetivo foi reunir provas em um inquérito policial que apura o crime de corrupção eleitoral supostamente praticado por um vereador do município, cujo nome não foi divulgado. A prática ficou caracterizada como compra de votos por parte do candidato. 
A investigação teve início com base em informações divulgadas na imprensa local, dando conta que o então candidato a vereador teria comprado sacos de cimento para distribuição a eleitores em troca de votos, nas eleições municipais de 2016. Há indícios de que um estabelecimento comercial da cidade forneceu grande quantidade de cimento para eleitores que apresentavam um "vale" assinado pelo candidato. Os agentes da PF cumpriram os mandados de busca e apreensão na casa do parlamentar investigado, no estabelecimento comercial e na casa do empresário que forneceu os produtos.
As investigações do caso correm em sigilo. Os materiais apreendidos foram recolhidos e trazidos para a sede da PF em Aracaju. O crime de corrupção eleitoral, tipificado no artigo 299 da Lei Eleitoral (4.737/65), ocorre quando qualquer pessoa dá, oferece, promete, solicita ou recebe, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva, ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto, ainda que a oferta não seja aceita. A pena prevista é de até quatro anos de reclusão. 

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS